O Gigante (conservador) acordou, levantou-se … e vai salvar o Brasil

1

Os manejos, trapaças e ameaças da esquerda … sobre o eleitorado conservador virou tiro no pé. Quem entende do assunto está preocupado com a força do conservadorismo brasileiro. Vejamos:

O diálogo com o “Brasil profundo” é da direita

Artigo na Unisinos, com base na reportagem é de Shin Suzuki, publicada por BBC Brasil, 04-10-2022

Os pesquisadores Fabio Baldaia e Tiago Medeiros Araújo, do Instituto Federal da Bahia, desenvolvem — ao lado dos também pesquisadores Sinval Silva de Araújo e Rodrigo Ornelas — estudos sobre como os valores do pensamento bolsonarista se enraizaram com bastante apelo em amplos setores do país.

Eles afirmam que o bolsonarismo têm conseguido dialogar com novas camadas populares — de evangélicos a trabalhadores de aplicativos — e com o “Brasil profundo” do interior do país com uma eficiência maior do que a esquerda em sua mensagem.

“A hipótese que a gente trabalha é de que existem elementos de longa duração na forma de ser brasileira que explicam a ascensão e a resiliência política de Bolsonaro mesmo após a pandemia e uma gestão não exitosa da economia nesse período. Eu não diria que há uma essência conservadora no brasileiro, mas sim elementos daquilo que a gente chama de “Brasil profundo” que podem ser traduzidos como uma ideia de conservadorismo”, afirma Fábio Baldaia. (1)

Em resumo, o discurso da esquerda não tem ressonância no Brasil!

Conservadores crescem de 2018 a 2022

DW Brasil – Thomas Milz – 3 de outubro 2022 – Os golpes vieram de surpresa e acertaram a esquerda brasileira em cheio: notícias ruins após notícias ruins chegavam em intervalos curtos ao centro de São Paulo, onde a campanha do PT estava reunida. Rapidamente se desfez o clima de “já ganhou” nos arredores e dentro do Novotel Jaraguá. Logo após o encerramento da votação, a perplexidade, ao invés da felicidade, tomou conta do lugar.

As vitórias da direita, em 2018, teriam sido um engano histórico, criado pelas circunstâncias peculiares daquele momento? Não! O Brasil de hoje é isso mesmo: passando de uma direita moderada para uma direita mais extrema.

E a esquerda? Se perdeu com os protestos de junho de 2013, que não soube entender. E até hoje não encontrou a chave para se renovar e se adaptar às novas realidades brasileiras. Precisa fazer isso urgentemente.

Guinada conservadora no 1o. turno

Ainda DW — O Brasil deu uma guinada ainda mais forte para a direita com as eleições deste domingo – num movimento bem diferente daquele que os brasileiros progressistas, ambientalistas e muitos governos europeus esperavam.

Bolsonaro conquistou 43% dos votos – se saindo muito melhor do que o previsto por institutos de pesquisas.

Para as esquerdas, esse resultado é um desastre e abre as portas para teorias conspiratórias de direita sobre supostas manipulações das pesquisas para favorecer a esquerda.

O artigo questiona também a falsa “narrativa” da esquerda de um Bolsonaro “derrubado” “apesar de ter ficado claro seu potencial de mobilização em comícios em todo o país. Com isso, mesmo sem querer, ela fortaleceu a desconfiança nos meios de comunicação tradicionais. (DW / Philipp Lichterbeck 3 de outubro)

Em outras palavras, ficou clara a mentira dos meios de comunicação alinhados à esquerda.

A obsessão da esquerda é cegueira suicida

Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política, em artigo publicado por Jornal GGN – O resultado das eleições representa uma dura derrota para o campo democrático e da esquerda. Sem este reconhecimento se foge da realidade e não se estabelecem as medidas para uma correta reorganização do “exército”, da militância, para enfrentar a batalha do segundo turno.

Continua a lamentação do fracasso da esquerda: A campanha precisa assumir uma maior feição suprapetista, que ainda sofre muita resistência. Não basta fazer articulações por cima, com caciques. A campanha precisa ser do povo e da sociedade. A disputa será duríssima. Não há tempo a perder. A reorganização precisa ser imediata e a batalha também.

Falhou a Esquerda Católica, alicerce do PT

Frei Betto e Lula, anos 80

Quais seriam as causas profundas desse ressurgimento conservador? O que causou a falência das esquerdas?

É o que sempre apontou o Prof. Plinio: a esquerda católica, outrora sustentáculo do PT perdeu sua força: enfraquece o porta-estandarte (esquerda católica) e a bandeira vermelha caiu.

“Frei Beto tornou-se uma espécie de eminência parda da greve. Amigo pessoal e homem de confiança de Lula, passou a morar com o líder operário em sua casa, no Jardim Assunção, em São Bernardo do Campo. Frei Beto é conhecido por suas instruções táticas e, segundo um militante sindical, “é ele quem empurra Lula para a frente, na hora em que os pessimistas vêm com seus conselhos negativos e suas lamentações”. (foto ao lado) https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Noite%20Sandinista_198008.pdf

De momento, apontamos uma. A Esquerda Católica sempre foi o sustentáculo do PT. Os bispos declarados de esquerda dos anos 60 em diante, as CEBs nos anos 80 (Comunidades Eclesiais de Base), as sacristias progressistas eram a força do PT. Essa força ruiu, os católicos acordaram. A Esquerda Católica já não consegue intoxicar os católicos com o veneno marxista.

***

Valentina Andrónova, especialista do Kremlin encarregada de acompanhar a atuação da esquerda católica latino-americana, escreve:

“A renovação da Igreja católica, iniciada pelo Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965), está tomando formas radicais na América Latina. […] No marco das mudanças no catolicismo latinoamericano, o aparecimento das comunidades eclesiais de base (CEBs) constitui o fenômeno de maior relevância” (p. 4).

“As CEBs trazem ao movimento revolucionário seus conceitos religiosos. […] Elas dispõem de uma religiosidade nova, repleta de conteúdo democrático e revolucionário” (p. 16). https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Minha_Vida_publica/MVP_14_Livros_e_campanhas_decada_80.htm#_Toc451114520

***

As CEBs, que constituíram o polo propulsor do PT nos meios católicos, anos 80, perderam sua força. A nosso ver essa é a razão dinâmica pela qual a esquerda perdeu sua possibilidade de ter influência no Brasil profundo.

Aspecto pouco colocado em relevo pelos anallistas e que merece uma análise em outra ocasião.

***

Vamos agradecer à Divina Providência, como católicos, essa perda da influência da TL e seu poder de galvanizar as massas. Nossa Senhora Aparecida proteja o Brasil dos pastores progressistas que se ocultam em vestes de ovelhas.

E estimule o Brasil profundo a ser cada vez mais brasileiro, voltado para os Valores Morais, para a defesa da propriedade, da família, das tradições cristãs que herdamos de nossos maiores.

Confiança,

O Brasil ainda será um grande País!

(1) https://www.ihu.unisinos.br/622756-o-brasil-profundo-esta-cada-vez-mais-distante-da-esquerda-e-e-atraido-pelo-bolsonarismo

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta