Baotu, Mongolia interior

Em Baotu, as altas chaminés que parecem tocar num céu de chumbo não são refletidas pelo lago artificial feito de uma lama negra e tóxica, aumentado sem cessar pelos esgotos das refinarias que o rodeiam.

O cheiro de enxofre é tão forte que até o maior dos ateus diria que está no inferno, escreveu La Nación, de Buenos Aires.

Trata-se da sede de Baogang Steel and Rare Earth,um complexo industrial deserto do tamanho de uma cidade, em Baotu, no mais fundo da Região Autônoma da Mongólia Interior.

Baotu é rico em “terras raras”, cuja difícil extração motiva preocupações verdes no Ocidente e um completo desinteresse quando se trata da China. E essas “terras raras” têm um papel-chave no desenvolvimento de produtos de alta tecnologia.

Lago Baoto, Mongólia interior

Em 2009 a China produzia 95% dessas terras que são consumidas pelo mundo, e só a mina Bayan Obo, no norte de Baotu, conteria 70% das reservas planetárias.

Uma selva de tubulações impede saber onde começa a fábrica e onde termina a cidade.

O estranho é que a fábrica, de fato, não está trabalhando. Os responsáveis falam de manutenção, mas não há sinais de limpeza ou de reparos.

A China estaria tentando criar uma escassez artificial dos produtos para provocar um aumento mundial dos preços. Até lá, nada de novo nas inescrupulosas práticas socialistas.

As primitivas tecnologias de produção geram riscos e elementos tóxicos incalculáveis. O cério é dissolvido em bacias de ácidos sulfúrico e nítrico, cujas sobras vão parar no lago envenenado.

A população local está sendo sacrificada em aras do triunfo maoísta. Se outrora os camponeses trabalhavam a terra, hoje o lago intoxicou essa mesma terra e os próprios camponeses.

As imagens, povoadas de ambientes estranhos e horripilantes, são de pesadelo, escreve La Nación.

Lago Baotu, Mongolia interior

Liam Young, investigador que trabalha no Reino Unido, recolheu amostras do barro do referido lago e detectou uma alta presença radioativa. No problem. O clamor verde e midiático irá contra as usinas nucleares ocidentais que não poluem.

Younf ficou escandalizado com o lançamento pela Apple de um relógio inteligente, porque lhe fez lembrar o inferno de Baotu e seu “terrível lago tóxico que se estende até o horizonte”.

No entanto, não se lembrou dos mais de cem milhões de chineses sacrificados pela Revolução maoista para engendrar esse monstro e outros ainda, visando achatar os homens em nome de uma metafísica igualitária que viola a própria natureza.

3 COMENTÁRIOS

  1. A China precisa de um novo Chang Kay Shek para livrá – la da Poluição do Comunismo, do Aborto e da Poluição Ambiental

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome