“Onda conservadora” pode fazer recuar os anseios anti-cristãos.

Edson Carlos de Oliveira

A Folha de São Paulo publicou no dia 28 de outubro, uma matéria importante que mostra como as reações sadias da nação podem colocar contra a parede e fazer recuar as forças revolucionárias em seus anseios anti-cristãos.

A “onda conservadora”, conforme linguagem da feminista Rose Marie Muraro, tirou espaço, durante o debate eleitoral, da defesa intransigente da liberação do aborto. As feministas consideram que não era hora para o assunto e apoiam o “recuo” de Dilma em relação ao tema.

Maria Laura Pinheiro, ex-secretária-adjunta da Secretaria de Políticas para as Mulheres e coordenadora da comissão tripartite que fez o projeto de lei, em 2005, da descriminalização do aborto, afirma que em período eleitoral esse assunto só é levantado por “quem quer queimar o movimento feminista”.

Confirmado, com isso, que o eleitorado brasileiro não apóia essa bandeira feminista e que as iniciativas de projetos de lei para liberar o aborto são feitas sem respaldo popular.

A afirmação de Laura Pinheiro também nos revela que quanto mais silêncio sobre o assunto, tanto melhor para a causa abortista. É por essa razão que o “recuo” de Dilma as favorece, pois visava tentar tirar o tema do debate nacional em período de eleição.

Tática do “recuo” de Dilma explicado pelas feministas

A palavra recuo fica muito bem entre aspas, pois se trata mais de uma tergiversação do tema, uma mudança de foco, do que uma alternância de opinião.

Para Maria Lucia da Silveira, socióloga e militante da Marcha Mundial de Mulheres, se Dilma não abarcou em sua campanha a descriminalização do aborto, pelo menos o tratou como questão de saúde pública. “O correto é dizer sou contrário à criminalização. E é o que ela está falando”, diz.

Para Suely de Oliveira, colaboradora do programa de Dilma, cabe ao Congresso a discussão do tema. Dilma, por outro lado, como potencial gestora, deveria focar no atendimento a quem aborta.

O recuo, nesse caso, é apenas uma mudança retórica, mas assim só o fizeram porque se viram obrigados pela pressão da “onda conservadora”.

O maior perigo para o Brasil: Congelar a onda

Conforme disse Rose Marie à Folha sobre a – controvertida – volta atrás da então candidata petista: “entendo e faria a mesma coisa. Há oito anos [de governo] para isso, ou quatro que seja. Não é o fim do mundo”.

A tentativa das feministas será em vão, sim, até o fim do mundo se não baixarmos a guarda. Como bem alertou Edmund Burke: “Para o triunfo do mal, basta que os bons não façam nada.” A onda, por maior que seja, quando congelada, de nada é capaz.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Certamente os cidadoes conscientes e que pagam a imensa carga tributária nacional,que valorizam os reais valores sociais e pessoais necessarios ao justo equilibrio social em sua plenitude jamais obstaraõ esforços em prol de tao justa e legitima causa em defesa dos reais direitos constitucionais atuais, acima de enganosas neoteologias de libertação e paíxões e anseios politicos ditos de esquerda travestidos de pretensos e ilegitimos ditos e discutiveis em essencia “direitos humanos” como no PNDH-3, em fase de votação futura em adendo a CF pelo CN em Brasilia, apos tomada de posse da nova eleita ao poder executivo nacional, e neo projeto contra o qual devemos unir todas as forças que forem necessarias com apoio inconteste do IPCO para derrotar finalmente de modo inconteste este real atentado contra as liberdades individuais e contra a vida humaan etc dos que querem instituir a bem da verdade a pretensa e odiosa ditadura civil na nação, com suas nefastas consequencias a sociedade nacional, alem da fragmentação dos 3 poderes legitimados pela Carta magna da nação.

     
  2. Não devemos recuar em nada a esse respeito. Nem em outros que sabemos que possa desmoralizar o que já edificamos ao longo de seculos neste solo. Vamos manter as posições de defesas, sim, mas ao mesmo tempo estudar as estratégias conforme se pode ler em “A Arte da Guerra.

    DO LIVRO A ARTE DA GUERRA: “O mais elevado dom da arte militar de enganar o inimigo é esconder suas intenções. Assim, mesmo os espiões mais penetrantes do inimigo não poderão espionar e, nem sequer o homem mais sábio poderá conspirar contra você.
    Mesmo que você torne público o posicionamento estratégico que o levou às vitórias, elas não serão compreendidas. Embora todo o mundo saiba suas táticas vitoriosas, jamais conseguirão aprender como você foi chegou a definir a posição vantajosa que o levou a vitória.
    Portanto, as vitórias em batalha não poderão, jamais, serem repetidas. As circunstâncias de cada combate são mutáveis e exigem uma resposta própria e particular.”
    _____________________________________________________

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome