Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

Policiais fazem treino ostensivo na estação de trem de Yiwu, Zhejiang
Policiais fazem treino ostensivo na estação de trem de Yiwu, Zhejiang.

Pequim já não esconde seu ímpeto persecutório, constatou Églises d’Asie (EDA), agência de informação das Missions Étrangères de Paris. 

Em 6 de maio (2014), a Academia Chinesa de Ciências Sociais publicou um “Livro Azul” com os “desafios mais sérios para o país”, que representam “ameaças” para a “segurança nacional”. 

As quatro “ameaças” mais perigosas seriam:
1) a entrada no país dos ideais democráticos;
2) a hegemonia cultural ocidental;
3) a disseminação da informação pela Internet; e
4) as infiltrações religiosas.

A ameaça das “infiltrações religiosas provenientes do exterior” é um velho chavão usado contra a Igreja Católica, cuja cabeça está em Roma.

A Academia de Ciências Sociais, considerada o principal ‘tanque de pensamento” do comunismo chinês, foi ajudada na confecção do “Livro Azul” pela Universidade de Relações Internacionais de Pequim, que funciona sob a supervisão direta do Ministério de Segurança do Estado – leia-se do policiamento ideológico.

Segundo Wu Li, diretor do Instituto de Estudos sobre a China Contemporânea, dependência da Academia das Ciências Sociais, o “Livro Azul” será um instrumento útil para a máquina repressiva.

Repetindo o velho realejo persecutório, o relatório afirma:

“Forças ocidentais hostis infiltram as religiões na China, utilizando meios sempre dos mais variegados e de maneira sempre mais larga. Isso se faz pondo em funcionamento meios sempre mais subtis, seja às escâncaras ou secretamente. Essas forças são de natureza fortemente sediciosa e agem instintivamente por baixo do pano”.

Freiras na China.  Conversões e vocações crescem contra a vontade do governo
Freiras na China. Conversões e vocações crescem contra a vontade do governo.

As afirmações vaporosas servem para inculpar quem quer que a polícia deseje. O documento reconhece também a extensão da difusão dos princípios religiosos cristãos: “infiltrações religiosas provenientes do exterior têm penetrado em todos os domínios da sociedade chinesa”, deplora o documento.

A denúncia da “influência nefasta vinda do exterior por meio da religião” não traz nada de novo, observa a agência “Églises d’Asie” (EDA).

O fato inquietante é que a publicação desse “Livro Azul” aconteça num contexto de recrudescimento da perseguição religiosa no país.

Igreja dinamitada em Whenzou
Igreja dinamitada em Whenzou.

Segundo The New York Times, em abril de 2013 uma circular interna do Partido Comunista, conhecida como “Documento nº 9”, pedia reforçar o controle das vozes críticas na sociedade civil.

O documento encarecia a aplicação de todas as forças do Partido para que nada nem ninguém saísse dos trilhos fixados pelo atual presidente Xi.

O comunismo não está enfrentando apenas o crescimento do cristianismo, mas também a resistência de budistas no Tibete e de muçulmanos em regiões como o Xinjiang.

O problema maior, entretanto, são os cristãos e em especial os católicos. Ying Fuk-tsang, diretor do Centro de Estudos das Religiões e da Sociedade na Universidade Chinesa de Hong Kong, explicou à agência UCANews que a atitude dos dirigentes comunistas é ambivalente.

Essa ambivalência se entende: há católicos engajados com a subversão marxista um pouco por toda parte no mundo, e também na China. Nesses, o Partido Comunista vê aliados potenciais que, pelo menos a curto prazo, podem servir para a instalação da “sociedade harmoniosa” do presidente socialista.

Porém, as mesmas autoridades ditatoriais desconfiam do catolicismo genuíno, cujo ensinamento vai minando as bases psicológicas e morais do Partido Comunista.

Segundo o mesmo pesquisador, este fundo de quadro explica a devastação de diversos locais de culto católicos e cristãos na região de Wenzhou, no Zhejiang.

Em 5 de maio último, o Ministério de Assuntos Civis interditou as “conversões forçadas”. Na China não há segredo o que isso significa: inumeráveis crianças abandonadas e recolhidas em orfanatos católicos acabam propendendo para o catolicismo, ou até pedem o batismo.

E isto é intolerável para o regime e seus asseclas.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

3 COMENTÁRIOS

  1. As Religiões não deveriam se meter em Política. O Estado é laico.
    Jesus Cristo nunca quis se meter em Politica ao Contrário de Judas.
    Cristo veio pregar na terra o Reino de Deus.

  2. Perfeito o comentário do sr. Dufaur, sobre a “ambivalência” no trato com os católicos. Há “católicos” que favorecem o Comunismo chinês, e há, também os católicos autênticos que o combatem. Os primeiros são apoiados pelo regime, os segundos perseguidos.
    No Brasil existe, também, essa ambivalência, com os mesmos critérios de tratamento…. A C.N.B.B. se sentiria inteiramente à vontade na China Comunista….

  3. Lembrem-se das palavras proféticas de Nossa Senhora em Fátima: “Por fim o meu coração triunfará”.
    Gostaria muito de viver este momento para ver o triunfo da Igreja Católica, Apostólica, Romana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome