Todo o Poder aos Sovietes (Conselhos e CEBs)

    De cima abaixo, em todos as áreas e níveis da atividade nacional, o PNDH-3 instala “conselhos”  ‒ de preferência “populares” ‒ onde a “sociedade civil” vai exercer a chamada “democracia participativa”.

    Isto vale para os “direitos humanos”, meio-ambiente, Justiça, símbolos religiosos, reforma agrária, para citar poucos exemplos.

    Neles, o ator principal será a “sociedade civil” cuja representação será feita notadamente pelos “movimentos sociais”.

    Em outras palavras, os ativistas e agentes das ONGs ativistas a mando material e ideológico do petismo.

    A idéia não é nova. É até vetusta. Ela já gerou algumas das maiores aberrações da história. Trata-se do famigerado sistema dos sovietes da ex-URSS.

    Os sovietes ‒ literalmente “conselhos operários” ‒ apareceram durante os incêndios criminosos da Comuna de Paris (1871) e reapareceram na revolução comunista russa de 1905.

    Os sovietes ou “conselhos” foram teorizados pela marxista Rosa Luxemburgo e os chamados “comunistas de conselhos”.

    Neles “os trabalhadores se juntavam e discutiam regularmente no final da jornada de trabalho, ou continuamente, o dia inteiro” http://pt.wikipedia.org/wiki/Soviet.

    A discurseira dia e noite paralisava qualquer ambiente onde se instalava o câncer “conselhista” ou soviético.

    Mas, talvez fosse este um dos subprodutos mais desejados. Na paralisia, os agentes socialo-comunistas ideologicamente motivados impunham sua vontade previamente elaborada.

    A galáxia dos “conselhos” transformou-se em alavanca para implantar a socialismo russo governado pela “ditadura do proletariado” do Partido dominante: o PC.

    Fidel Castro e Hugo Chávez tentaram ou tentam repetir o esquema. O resultado é patente: a ditadura totalitária consumada em Cuba e em vias de instalação na Venezuela.

    Na América Latina, há uma outra “tradição conselhista” talvez mais venenosa e mais próxima ao PNDH-3. Ela passa pela esquerda católica e tem sua expressão mais conhecida nas CEBs (Comunidades Eclesiais de Base).

    D. Miguel Balaguer, bispo de Tacuarembó (Uruguai) esclareceu desinibidamente que o nome “comunidade de base” é “inspirado na terminologia marxista, equivalente a soviete.” http://www.lepanto.com.br/dados/NotTLnoPoder.html

    E qual é o regime interno da CEB-soviete?

    A autogestão socialista, meta final da falida URSS. A autogestão é também o cerne da Economia Solidária pregada pela Campanha da “Fraternidade” 2010!

    A Economia Solidaria da CNBB convoca os fiéis e as CEBs a se engajarem nos “movimentos sociais” como o MST, animadores dos “conselhos”-sovietes do PNHD-3.

    Por fora de discordâncias em certos pontos específicos, como o aborto e os símbolos religiosos, PNDH-3 e a Campanha da Fraternidade 2010 convergem espantosamente rumo à mesma meta: a utopia “conselhista” soviética!