Prisão e confisco do caminhão: a nova face da tirania socialista no Canadá?

0

É inacreditável que, numa democracia ocidental, o primeiro ministro invoque a Lei de Emergência, recuse o diálogo, confisque caminhões, ordene prisões e agora a venda dos trucks confiscados. Por quê? Passaporte sanitário para caminhoneiros transporem a fronteria Canadá-EUA. Naturalmente, o socialista Biden está de acordo.

Apelidados de “Comboio da Liberdade” [Freedom Convoy 2022], os caminhões começaram a chegar a Ottawa nos dias 28 e 29 de janeiro para realizar um protesto contra os mandatos federais de vacina contra a COVID-19 para caminhoneiros que viajam entre o Canadá e os Estados Unidos. Tornou-se um movimento muito maior depois que muitos canadenses de todo o país começaram a se juntar ou expressar seu apoio ao fim dos vários mandatos e restrições do COVID-19.

Os caminhoneiros pedem apenas liberdade de transpor a fronteira sem o Passaporte ditatorial

Lembramos, que o primeiro ministro Justin Trudeau, nunca quis dialogar com os caminhoneiros. Lançou mão da Lei de Emergências e se tornou ditador para reprimir, prender e agora confiscar e vender os trucks.

Confiscar os veículos e vendê-los

“O prefeito de Ottawa, Jim Watson, disse à CBC em 19 de fevereiro que sua cidade tem o poder de vender os veículos [dos caminhoneiros] devido à Lei de Emergências invocada pelo primeiro-ministro Justin Trudeau em 14 de fevereiro.”

“Na verdade, temos a capacidade de confiscar esses veículos e vendê-los”, disse ele, acrescentando que “quero vê-los vendidos. Não quero o retorno dessas pessoas que estão causando tanta frustração e angústia em nossa comunidade”.

Não sabemos como a chamada política de “inclusão” vai resolver essa decisão tirânica do prefeito de Ottawa. Ou será que inclusão vale apenas para as esquerdas?

O Episcopado canadense vai intermediar e pedir clemência? O Vaticano também?

Endurecimento socialista e ditatorial

Na coletiva de imprensa de 21 de fevereiro, Trudeau também disse que o governo federal continuará perseguindo a Lei de Emergências, embora os manifestantes tenham sido amplamente retirados do centro de Ottawa.

A polícia começou a intensificar sua operação contra os manifestantes em Ottawa em 18 de fevereiro, anunciando na tarde de 20 de fevereiro que havia feito 191 prisões, feito 389 acusações e rebocado 79 veículos. Outros 20 veículos foram rebocados naquela noite.

No contexto de bloqueios ou ocupações, a Lei de Emergências permite que o governo obrigue as empresas de caminhões de reboque a remover veículos que bloqueiam ruas ou pistas, o que essas empresas haviam se recusado a fazer em relação ao protesto em Ottawa.

A lei também dá ao Estado poderes adicionais para, sem ordem judicial, congelar as contas bancárias pessoais e corporativas dos manifestantes e cancelar a cobertura de seguro de veículos de empresas vinculadas aos protestos.

Watson disse que revisões independentes foram planejadas nos níveis federal e municipal para determinar como o protesto evoluiu e para evitar que outros semelhantes aconteçam novamente.

***

Ou seja, daqui para frente, qualquer protestos semelhante será ocasião de lançar mão da Lei de Emergências, rebocar, confiscar e vender os caminhões. Claro, prender os caminhoneiros.

E qual o crime desses profissionais do transporte? Eles pedem o fim do Mandato de vacinas a fim de poderem transpor a fronteira Canadá-EUA livremente …

Essa é a reação do socialista Trudeau; Biden, se tivesse a seu lado uma Suprema Corte subserviente teria feito o mesmo. No Brasil, vimos os prefeitos petistas e falso Centrão impondo lockdowns e mandato de vacinas … fechando igrejas.

Nossa Senhora nos livre e proteja o Brasil nesse ano eleitoral.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/after-ottawa-mayor-says-emergencies-act-gives-power-to-sell-towed-vehicles-to-cover-protest-costs-deputy-pm-affirms-cities-have-certain-powers-under-the-act_4292263.html?utm_source=newsnoe&utm_campaign=breaking-2022-02-21-4&utm_medium=email&est=%2Fwctuvk6OOChD89FOUd%2Be3lYbnJuJ%2FO%2Fo9WlDvcFkr77dNlQQk9Crw6QDaGQCNM%3D

Deixe uma resposta