putin-islamA invasão da Europa por ondas de imigrantes provenientes do Meio Oriente e da África, na sua maioria de religião muçulmana, está levantando muitas interrogações.

Para além dos problemas humanitários e emotivos focados pela mídia, em geral de modo sensacionalista, ouve-se falar de normas religiosas corânicas.

Mas essas exortações religiosas por vezes parecem exploradas numa engenhosa manobra de guerra híbrida, estilo de guerra que caracterizaria o início de uma III Guerra Mundial já em andamento.

Vejamos. A religião corânica prega a ocupação ‘pacífica’ das terras dos infiéis como uma forma de ‘guerra santa’ que abre as portas do ‘Paraíso’.

Mas se apertamos o raciocínio esta “invasão” muçulmana, constatamos a existência de muitas interrogações estranhamente silenciadas.

Por que as multidões de língua árabe e/ou de religião muçulmana não se dirigem a países árabes e/ou muçulmanos onde o dinheiro flui torrencialmente?

Por exemplo, o Qatar, o Bahrein, os Emirados, a Arábia Saudita, no mundo árabe. Ou o Cazaquistão e o Azerbaijão no próprio continente asiático?

Nesses países, sunitas e/ou xiitas encontrariam o ambiente religioso de sua preferência e poderiam se beneficiar da exuberância econômica local.

Esses países fornecem serviços públicos inteiramente gratuitos. Eles carecem de população e mão-de-obra, atraindo centenas de milhares de empregados de países remotos e de cultura e religião tão diversas como a Índia e as Filipinas.

Imigrantes islâmicos praticando seu culto numa estrada da Eslovênia REUTERS/Osman Orsal
Imigrantes islâmicos praticando seu culto numa estrada da Eslovênia REUTERS/Osman Orsal

Porém, os fluxos de migrantes não vão para lá. Eles entram em países europeus em crise, muitos deles incapazes de recebê-los e/ou de mantê-los.

Além do mais, migram para um continente de maioria cristã. Sim, do cristianismo apontado por Maomé como inimigo multissecular que deve ser exterminado.

Nada de mais apropriado a gerar conflitos culturais e religiosos, além de econômicos e políticos.

Dir-se-ia que isso não é um acaso, mas é o que querem.

Os países europeus, por sua vez, dividem-se entre si sobre o que fazer. As respectivas populações nacionais entram em conflito a respeito da atitude a ser tomada: uns querem receber, outros não, ou querem com certas restrições.

O desacordo é crescente e cada vez mais generalizado entre os europeus. A situação evoca o tempo das invasões bárbaras e do desfazimento do Império Romano numa imensa confusão étnica, cultural e religiosa.

Na confusão, é especialmente esclarecedora a velha pergunta do Direito: a quem aproveita o crime, que neste caso é uma formidável confusão?

Não aproveita nem aos imigrantes nem aos países nos quais eles procuram se instalar.

Há um só grande país europeu para onde não vão os afluxos invasores e onde não se ouve falar de confusão. Acresce que nesse grande país há muitos muçulmanos com os quais os migrantes poderiam tentar se entender: a Federação Russa.

As invasão da Europa por massas islâmicas está semeando a confusão no continente. Foto, em Gevgelija, pequena localidade da Macedônia, imigrantes tomam de assalto um trem. REUTERS/Osman Orsal
As invasão da Europa por massas islâmicas está semeando a confusão no continente. Foto, em Gevgelija, pequena localidade da Macedônia, imigrantes tomam de assalto um trem. REUTERS/Osman Orsal

Eles vão para a Europa, e ali se instalam gerando o caos, não para a Rússia.

A Rússia de Putin estava engajada num atrito generalizado com a Europa, notadamente após a invasão da Ucrânia e as sanções que o Ocidente lhe aplicou.

Agora, da noite para o dia, o chefe de Moscou aparece por arte de magia como um “salvador” dessa Europa, disposto a aplicar mão forte no Oriente Médio e liberar seus inimigos de há poucas horas.

Por sua vez, na Europa há socialistas profetas da mão mole face ao Islã, que durante décadas abriram as portas da França e da Europa aos adeptos do Corão, como o presidente François Hollande.

Esses mesmos se voltam para Putin e lhe estendem os braços e apelam para ele como para um “Carlos Magno” que pode libertá-los do pesadelo que eles nunca quiseram combater de frente.

Quem decifra a xarada?

No século XX socialistas e comunistas se voltaram para um outro “salvador” vindo das estepes russas: Joseph Stalin.

Algo cheira mal nessa reentrada triunfal de Vladimir Putin no grande cenário da comédia mundial.

EUA acusam a Rússia de atingir rebeldes sírios treinados pela CIA

2 COMENTÁRIOS

  1. O Islã é era a religião ideal nos tempos tribais, neste século se tornou bizarrice. Seria necessário uma reforma, caso contrário será impossível o conviver com outros ramos religiosos.

  2. Há um claro viés anti-russo neste artigo, não sou eurasiano e não acho que a Rússia é a salvação do ocidente, mas se existe um culpado pela invasão islâmica na Europa, esse culpado é a elite ocidental e seus agentes, leia-se ONU e União Européia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome