Barata-300x289

Invertendo valores

Ricardinho está em risco de vida. Pode morrer se não receber atendimento médico adequado, informa a grande manchete de um matutino paulista.

Lendo esses dizeres, pensei que se tratasse talvez de algum jogador de futebol, em campeonato internacional, talvez na Copa. Mas não: é um dos cães da linhagem desenvolvida por um, em si benemérito, instituto de pesquisas médicas.

O beagle Ricardinho, de sete anos, um dos patriarcas da linhagem de cães desenvolvida pelo Instituto Royal, pode morrer se não receber atendimento médico adequado, afirmam os cientistas da entidade. O animal tem insuficiência renal e descalcificação óssea decorrente da doença. Além disso, tem uma prótese no maxilar – o que deixa seus dentes caninos superiores colados aos inferiores”.1

Coitado! Psicologicamente, ouve-se de todas partes a sirene ou o quo-quo-quo das ambulâncias!

Na verdade, este cão é um serviçal do homem e merece por isso certa quota de interesse, pois faz parte de um Instituto de Pesquisa Médica. Nada contra que se tenha cuidado com ele, desde que não seja pelos motivos que abaixo constam. Reconheço que ele não é um vira-lata qualquer. Mas é um cachorro.

Os animais não existem para eles mesmos mas para servir”, já reconhecia o grego Epicteto. Isto eleva seu nível como criatura de Deus. João Pereira Coutinho narra na Folha de S.Paulo2 que o filósofo Roger Scruton escreveu um livro a respeito 3, que ajuda a explicar o tratamento dos cães como humanos, e a defender esta conduta. “O fenômeno explica-se com o declínio da religião nas sociedades ocidentais: quando os homens acreditavam que eram os seres superiores da criação, ninguém pensava nos ‘direitos’ ou nas ‘sensibilidades’ dos bichos. Nós, e apenas nós, tínhamos sido criados à imagem e semelhança do Pai. Não havia como confundir um ser humano com um batráquio.

A que absurdos chegaremos com o declínio da religião? E a coerência como fica?

Desafio um fanático dos direitos dos animais dizer se concorda ou discorda do seguinte silogismo formal: – Todo animal, dizem os ecologistas, tem direitos; – Ora, os insetos são animais – Portanto, não se pode matar mosquitos, baratas, pulgas etc, porque eles têm direito à vida. Se discorda, onde fica sua coerência? Se concordar., como ficam os princípios – se é que os têm – da proteção aos animais? Ou os insetos não são animais? Seriam vegetais ou minerais? Tudo se pode provar a partir de uma premissa errada.

Ó caro ecologista, se na tua casa tem baratas, não vou lá!

Eis o que em filosofia se chama redução ao absurdo.

Recentemente, a Anvisa decidiu analisar a legislação que trata do uso de cobaias, e a Câmara dos Deputados acelerou a votação de um projeto de lei que tipifica como crime todos os atos contra a vida, saúde ou integridade mental (sic) e física de cães e gatos…

Voltemos a Ricardinho. É claro que é melhor que sobreviva, mas colocamos este desejo em sua adequada hierarquia. E se morrer, será uma pena para a pesquisa mas enterre-se sem mais.

Convém esclarecer a esta altura: nada temos contra que o leitor ou a leitora alimentem em sua residência um fiel Totó ou uma graciosa Mimi. É apenas uma questão de bom senso, e repúdio ao igualitarismo. Pois é o igualitarismo que quer estabelecer a igualdade entre os homens e os animais.

Tudo o que á exagerado é insignificante, dizia um pensador francês. É o caso dos “direitos” dos animais. Apenas uma observação: falar em direitos não é um exagero, é um absurdo.

Atualmente, é possível encontrar no varejo variedades como panetones, mufins e até sorvete para cães e gatos, com sabores de morango, chocolate e bacon. O objetivo, segundo os responsáveis pelas inovações, é o de gerar espanto para, em seguida, arregimentar o interesse do consumidor — além de garantir espaço na concorrida gôndola dos petshops. Nessa mesma linha de negócios,[…] se inaugura no bairro do Tatuapé uma padaria para cães e gatos, a Gold Gourmet Pet.4

Nunca a simpática categoria dos gourmets foi tão rebaixada! Até onde chegarão seus patronos? Até onde chegará a falta de bom senso?

A essa altura alguém poderá perguntar-me: porque dar tanta importância a cachorros e insetos? Não seria melhor destinar este espaço para os grandes problemas do mundo e do Brasil?

Essa questão dos animais nada mais é que um capítulo de um problema chave: a Revolução das tendências, como a descreve Dr. Plinio em sua nunca por demais citada obra “Revolução e Contra Revolução”. Ele ensina que a Revolução tem três profundidades: as tendências, as ideias e os fatos. E a Revolução tendencial visa “modificar as mentalidades, os modos de ser e os costumes”, preparando o igualitarismo que existe, por exemplo, em tender a igualar no trato os animais e os homens. Um dos absurdos de nossa época!

____________
1 – FSP, 25/10/2013.

2 – FSP, 22/10/2013..

3 – Animal Rights and Wrongs, editora Continuum, 224 págs.

4 – O Estado de S. Paulo, 10 de junho de 2014.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome