Sacerdote Woo (Hong Kong) declara: temo mais o juízo de Deus se for omisso na defesa da Fé

0


HONG KONG (LifeSiteNews) – Um padre católico de Hong Kong revelou que se padres e bispos da ex-colônia britânica pregarem contra o Partido Comunista Chinês (PCC), que agora está apertando seu controle sobre a Igreja em Hong Kong, eles sofrerão “consequências tremendas”.

Pe. Vincent Woo fala da resistência da Igreja Clandestina, fiel à Roma: temo mais o julgamento de Deus se for omisso nessa hora

Pe. Vincent Woo, canonista e sacerdote da Diocese de Hong Kong, falou abertamente na EWTN sobre a crescente perseguição à Igreja Católica pelo regime comunista ateu da China. Woo disse que o PCC, “notório por quebrar suas promessas”, já “extinguiu” as liberdades que prometeu a Hong Kong no tratado de 1984 que Pequim assinou com o Reino Unido.

“Com a completa eliminação da liberdade de expressão, imprensa e reunião”, pe. Vincent disse que “a liberdade religiosa será o próximo alvo em Hong Kong porque o PCC quer controlar tudo na sociedade”.

“Sinicização” é conformar o Evangelho com o Socialismo

Nosso Site tem abordado a determinação do PCCh de sinicizar as religiões, ou seja, colocá-las a serviço do comunismo chinês.

Continua a noticia de LifeSiteNews: “Falando da obrigação dos padres e bispos de pregar corajosamente contra o mal, pe. Vincent disse: “Somos chamados para ser profetas. Somos chamados a falar contra a injustiça na sociedade (comunista), mas … esse exemplo do pastor protestante mostra aos padres e bispos de Hong Kong que se você pregar algo contra o governo, haverá tremendas consequências”.”

Quando perguntado sobre o clichê da propaganda comunista “sinicização”, Woo explicou que “o PCC quer confundir as duas ideias” de “inculturação e sinicização”. Sinicização, continuou ele, é “conformidade do ensino do Evangelho, ensinamentos cristãos” à “doutrina socialista”. O resultado é que qualquer coisa nas Escrituras ou no ensino da Igreja que não se alinhe com os princípios comunistas “teria que ser expulso …

Não há liberdade para a Igreja no Estado Comunista

O livro do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, A Liberdade da Igreja no Estado Comunista, toma especial relevância nessa investida do PCCh contra a Santa Igreja.

Distribuido a todos os Padres Conciliares (1963) esse estudo mostra que a Igreja Católica não pode aceitar um “modus vivendi” com o regime comunista que lhe impeça de pregar claramente a doutrina católica, nem pode silenciar sobre os Mandamentos que fundamentam a propridade privada (não furtar e não cobiçar as coisas alheias) e sobre o 6o. e 9o. Mandamentos que fundamentam a família monogâmica e indissolúvel.

O livro recebeu uma elogiosa carta do Cardeal Pizzardo, então Prefeito da Sagrada Congregação dos Seminários e Universidades: o congratulamo-nos com o “egrégio Autor, merecidamente célebre pela sua ciência filosófica, histórica e sociológica, e auguramos a mais larga difusão ao denso opúsculo, que é um eco fidelíssimo dos Documentos do supremo Magistério da Igreja…”

O Acordo Vaticano-Pequim

O Pe. Woo foi então questionado sobre a instrução do Vaticano aos padres e bispos para se registrarem no governo. “Seria bom lembrar o exemplo heróico do cardeal Kung, bispo de Xangai na década de 1950”, disse Woo. “Ele se recusou a se registrar [com] o governo. Ele se recusou a se juntar à Associação Patriótica porque sabia que, se o fizesse… ele está na verdade colocando a supremacia do PCC sobre a Igreja, colocando a supremacia da doutrina comunista sobre os ensinamentos da Igreja. Por essa razão, ele e seus padres em Xangai se recusaram a fazer isso. A consequência foi que ele foi preso por 33 anos em uma prisão chinesa.”

Elogiando a coragem dos padres e bispos clandestinos que se recusaram então e agora a se registrar no governo, Woo disse que eles sabem que, se se registrassem, estariam “realmente indo contra os ensinamentos da Igreja” e “contra sua própria consciência”.

“Ser registrado civilmente”, acrescentou, “não é apenas assinar um pedaço de papel”.

Ele explicou que, quando um padre se registra, ele se inscreve em um sistema em que “o governo emite uma licença para pregar, para exercer o ministério público”, e a renovação da licença pode incluir “assistir a algumas aulas de doutrinação ou sessões de educação”. Woo também disse que “se você pregar algo contra o governo … eles podem revelar você ou suspender sua licença a qualquer momento”.

“Então, ao serem registrados civilmente”, afirmou, os padres “realmente restringem a liberdade religiosa nesse sentido”.

Falando sobre o destino dos bispos da Igreja clandestina, dois dos quais foram presos no início de abril, pe. Vincent revelou que “a maioria dos bispos clandestinos … estão na prisão ou são muito velhos”. Ele alertou que, quando esses bispos morrerem, “não haverá bispos para a Igreja clandestina” e que, se “não houver bispo, não haverá padre”.

***

Quando perguntado sobre o perigo que pode trazer para sua própria de falar sobre o PCC, pe. Vincent declarou que temia mais o julgamento de Deus que enfrentaria se não falasse pela Igreja sofredora na China e em Hong Kong.

“Quando eu morrer, quando enfrentar o julgamento de Deus, eu teria que responder a Deus por que não falei em abril de 2022 para aqueles que não têm voz… não tenho escolha. Eu tenho que fazer… eu sou a única pessoa que pode fazer isso neste momento e eu tenho que ser responsável pela minha omissão se eu não fizer.”

A advertência do Pe. Vincent é grave quanto ao futuro da Igreja Católica na China.

Rezemos para que o Clero chinês, fiel à Roma, resista heroicamente às pressões de Xi Jinping como o fizeram os primeiros cristãos face à perseguição de imperadores romanos pagãos, como Decio, Nero e tantos outros.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/catholic-priest-says-chinese-communists-are-tightening-their-grip-on-the-church-in-hong-kong/?utm_source=top_news&utm_campaign=usa

Deixe uma resposta