A declaração do sacerdote católico: “Se ingressarmos na CPCA (Igreja Patriótica), nossa crença se tornará impura”, faz lembrar a fidelidade dos católicos sob a perseguição dos imperadores romanos durante os três primeiros séculos da Igreja.

A perseguição aos católicos na China

“Dois anos após a assinatura do Acordo Vaticano-China de 2018, a perseguição daqueles que se recusam a ingressar na Associação Católica Patriótica Chinesa (CPCA) continua inabalável.”

“Uma igreja católica não registrada na diocese de Mindong, na província de Fujian, sudeste do país, foi fechada à força em novembro passado porque seu padre se recusou a ingressar na CPCA. Desde então, a congregação continuou a se reunir em segredo em uma casa de chapas de ferro que construíram com seu dinheiro. Um membro da igreja disse ao Bitter Winter que, em 24 de janeiro, funcionários do governo invadiram sua igreja improvisada enquanto os crentes estavam cantando hinos e orando. Eles ameaçaram demolir a casa se a congregação se reunisse novamente.”

Polícia oferece recompensa aos denunciantes

“O fiel da igreja explicou que o padre teve que deixar a cidade e se esconder depois que a igreja foi fechada no ano passado. Ainda assim, a polícia local continuou a procurá-lo, oferecendo recompensas monetárias aos residentes para informar sobre ele durante o surto de coronavírus. Eles ameaçaram implicar as famílias daqueles que foram encontrados abrigando o padre.

“Eles atacam e acusam padres de vários crimes, alegando que desobedecem ao Estado, se recusam a cumprir leis e regulamentos. Os padres que se recusam a participar do CPCA certamente serão perseguidos. Estou enojado com o comportamento do governo. Eles instalaram câmeras de vigilância dentro e fora das igrejas administradas pelo governo. Somente os padres aprovados têm permissão para realizar missas, aqueles que não são proibidos de entrar nas igrejas. ”

“Estaremos sob o controle do governo se ingressarmos na CPCA”, continuou o fiel, “e os padres terão que pregar sobre políticas, leis e regulamentos nacionais (comunistas). A natureza de nossa fé será mudada completamente. Nunca houve uma unidade de governo e religião. O PCCh visa fazer-nos acreditar nisso, enquanto proíbe nossa fé em Deus. ”

“De acordo com a Declaração de Responsabilidade pelo Objetivo do Trabalho Religioso de 2019, emitida pelo governo de uma localidade em Fujian, as autoridades locais devem continuar intensificando os esforços para controlar e suprimir a Igreja Católica não registrada. Todas as atividades religiosas não devem ser apenas restringidas e proibidas, mas cada membro do clero nesses locais de culto deve ser “transformado através da educação” por pessoal especialmente designado.”

“Os católicos que se recusam a ingressar na CPCA na diocese de Yujiang, na província de Jiangxi, no sudeste, também são perseguidos de maneira semelhante.

“Em julho e agosto do ano passado, oficiais do governo da cidade de Fuzhou invadiram uma igreja católica não registrada, que a congregação disfarçou de salão ancestral – um local tradicional na zona rural da China, onde as famílias prestam homenagem e oferecem sacrifícios aos seus antecessores. Eles ordenaram esvaziar a igreja, ameaçando destruí-la se a congregação desobedecesse e se reunisse lá novamente. Os símbolos religiosos da Igreja foram substituídos pelo slogan “Não esqueça a intenção original; Mantenha a missão em mente ”e outros pôsteres de propaganda.

Um crucifixo em uma igreja da diocese de Yujiang foi substituído por um slogan de propaganda.
Um crucifixo em uma igreja da diocese de Yujiang foi substituído por um slogan de propaganda.

“Desde então, os membros da congregação têm se reunido em segredo nas casas dos fieis. Mas mesmo essas reuniões clandestinas foram proibidas depois que o governo local descobriu sobre elas. Os católicos ficaram apreensivos em organizar reuniões em casa porque as autoridades ameaçaram demitir seus familiares e privar seus filhos de oportunidades de ir à escola ou procurar emprego.”


Assim é a China comunista, controlada pelo PCC, cujo mandante supremo é Xi Jinping o verdadeiro algoz da Religião Católica.

E, no Brasil, o governador Doria, os governadores petistas trabalham para entregar nosso País nas garras do PCC. João Doria promete introduzir em São Paulo a vacina chinesa — na certeza de que ela será eficaz: “eu confio em Xi Jinping”, declarou.

Fonte: https://bitterwinter.org/persecution-of-rebellious-catholic-churches-intensifies/

Deixe uma resposta