O movimento punk teve a importância que teve por explorar uma tendência profunda no sentido do punkismo. Os teóricos e  os músicos vieram depois.

Aquela pessoa cujas palavras transcrevemos neste site, que afirmou não gostar de bom gosto, de bom senso, de bons modos, sem dúvida estava descrevendo uma tendência. E em sentido contrário, para o Bem, a Primeira Cruzada, pregada por Urbano II na Idade Média, resultou na partida de um milhão de homens para Jerusalém. Sem dúvida entrou uma graça sobrenatural, mas eles não teriam bradado “Deus o quer!” se previamente não tivessem certa tendência para o idealismo.

Diz Dr. Plinio que chamamos tendência tudo aquilo que não é o puro ato de inteligência, ou o ato de vontade inteiramente claro, consciente e definido. Tender a alguma coisa é um movimento, uma inclinação, uma direção que se toma em dado momento, para algo. “Quando não é claramente um ato de inteligência, ou quando não é um ato de vontade muito definido, perde-se na alma no lusco-fusco do subconsciente”.

Do ponto de vista do igualitarismo, o campo das tendências é muito importante e, como diz Dr. Plinio, constitui um lusco-fusco, um campo próprio, distinto da inteligência e da vontade. “A inteligência enquanto tal pode ser modelada por exposições, por explanações, podendo ser, portanto, guiada e movida por toda uma técnica própria, por todo um conjunto de processos próprios. Também a vontade pode ser determinada por um ato próprio e robustecida por um esforço próprio, que também é inteiramente definida e muito conhecida”.[1] Mas isso não acontece com as tendências.

Uma criança vive num casa onde se toca boa música o tempo todo. Compreende-  se facilmente que nasça nela uma tendência para escutar, ou mesmo para executar boa música.

Já viu um corretor de boa categoria, ou um vendedor experimentado de uma loja de roupas finas, no ato de conquistar um comprador? O corretor procurará consultar as tendências do interlocutor: o que ele busca numa casa, se é conforto, ou solidez, ou beleza, ou partes sociais apreciáveis ou, pelo contrário, bons dormitórios. Ou ‒ acontece ‒ se ele tem tendência a ser sensível ao canto de um sabiá, numa árvore próxima. O corretor dirige sua lábia nessa direção.

Quanto ao vendedor de roupas, sondará se o cliente em potencial tende a gostar principalmente do estilo, ou do tecido, ou da cor, ou do acabamento. Tudo isso influi na venda, eu ia dizer na conquista. Ou seja, na hora da decisão..

Essa tendência pode existir sem passar pela inteligência.

Assim, também as forças igualitárias, conscientemente ou não, vão procurando explorar as tendências da opinião pública para o igualitarismo. E uma vez conquistadas as tendências, vão para as ideias e para os fatos. Estas fases são distintas mas, adverte Dr. Plinio, “cronologicamente até certo ponto se interpenetram”.

Fluidas, indefinidas, impalpáveis, as tendências preparam o espírito para as decisões, quer em ordem ao Bem, quer em ordem ao Mal, movidas pelo jogo das simpatias ou das antipatias.

Não se pode considerar o igualitarismo apenas um fato sociológico. Antes de ser um fato, ou uma ideologia, ele foi uma tendência.

________________

[1] Conferência em 10-2-70.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

3 COMENTÁRIOS

  1. Leo, muito bom seus artigos sobre o igualitarismo. Acho que constituem uma espécie de catecismo contra esse mal. Peço que continue, mas poderia dar um exemplo da vida corriqueira ou histórico de como chegamos a gostar das coisas igualitárias? Teodoro Alves, 24-4-12

    Prezado Teodoro Alves
    Você pede um exemplo de como chegamos a gostar das coisas igualitárias. Sem esgotar o assunto, o que fica para outra vez para não extravasar o formato deste site, dou um exemplo muito conhecido, o caso de Caim e Abel. Houve ali um problema igualitário, pois Caim se indignou que a fumaça de sua oferenda não subisse ao Céu, ao contrário da de Abel. Abel estava dando mostras de ter um espírito superior ao dele, e Caim deveria alegrar-se com isso. Em poucas linhas, em vez disso, quis ser igual a Abel, se entristeceu e se revoltou. O desfecho é conhecido. Devemos sempre nos alegrar com o que for, ou tiver mais que nós.
    Outro exemplo bem de nossos dias. O professor é um qualquer, mas que estudou mais. É um igual, donde as liberdades que em relação a ele se tomam. Esta é uma tendência igualitária.

     
  2. Leo, muito bom seus artigos sobre o igualitarismo. Acho que constituem uma espécie de catecismo contra esse mal. Peço que continue, mas poderia dar um exemplo da vida corriqueira ou histórico de como chegamos a gostar das coisas igualitárias?

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome