Artigo de es.panampost.com, 23 de março, Orlando Avendaño, “USD 2 milhões por dia para Cuba: uma relação que a miséria não impede”, mostra que a maior tragédia humanitária da América, nos últimos tempos, não impediu nem demoveu Maduro de continuar enviando petróleo à Cuba.

    “Segundo o especialista da Universidade do Texas, Jorge Piñón, do Wall Street Journal, hoje o regime de Nicolás Maduro envia cerca de 40 mil barris de petróleo por dia para Cuba.Essas remessas têm um valor de mais de US $ 800 milhões por ano“”.

    Continua Avendaño: “E não por acaso, mas porque todos os esforços das duas tiranias são organizados de modo que essa relação permaneça intacta. Venezuela não abandonará Cuba e Cuba não abandonará a Venezuela. A morte de mais de 300.000 venezuelanos devido à desnutrição pode estar no horizonte; ou a expulsão de quase quatro milhões de cidadãos que não podem mais suportar a tragédia; também a aguda crise sofrida pelos hospitais e a mega-super-hiperinflação que transformou o poder de compra em poeira na Venezuela (…) mas nada impede o fluxo diário de dinheiro – ou barris de petróleo – para a pequena ilha (Cuba) que domina o outrora grande país americano (Venezuela)”.

* * *

    A notícia de panampost.com prossegue : “a Venezuela deu a Cuba mais dinheiro do que a União Soviética em quase trinta anos”. “É um acordo degradante, que sangra a Venezuela, e que permanece sob uma dinâmica de submissão voluntária. De servidão voluntária”.

     A ONU, o Vaticano, a Comissão de Direitos Humanos e o chamado “Centrão” nada fazem para libertar o povo venezuelano dessa tirania socialista de Maduro. E uma certa esquerda brasileira censura nossas relações com os EUA e querem implementar um maior “diálogo” com a China comunista. Essa China e Rússia que sustentam Maduro no poder.

       https://es.panampost.com/orlando-avendano/2019/03/23/usd-2-millones-diarios-a-cuba-una-relacion-que-la-miseria-no-entorpece/?cn-reloaded=1

Deixe uma resposta