Busto relicário de Santo Aniceto, Papa .

Segundo o Liber Pontificalis, Santo Aniceto nasceu na Síria em data desconhecida, e foi Papa depois de São Pio, provavelmente entre os anos de 157 e 168. Durante seu pontificado, numerosos orientais ilustres como São Justino, Taciano e Hegesipo – o primeiro historiador cristão cujos escritos são de grande valor porque viveu muito perto do tempo dos Apóstolos – foram a Roma para beber, em sua fonte, a pureza da doutrina apostólica, como diz esse historiador.

Outro oriental ilustre que esteve com Santo Aniceto foi São Policarpo, bispo de Esmirna, e discípulo de São João Evangelista. Apesar da idade avançada, ele foi a Roma tratar com Santo Aniceto pontos da controvérsia a respeito da celebração da Páscoa. São Policarpo defendia, apoiado na prática do Oriente e no magistério de São João, que esta devia ser celebrada dia no 14 da lua do mês de março, independente do dia da semana em que caía. Santo Aniceto, pelo contrário, seguindo a tradição de Roma e da África, e alegando o exemplo de São Pedro, defendia que ela deveria ser comemorada no domingo a seguir à lua cheia da primavera, precedida na sexta-feira pela comemoração da morte de Nosso Senhor.

Houve muita discussão, mas nada foi resolvido. De acordo com Eusébio: “Policarpo não conseguiu persuadir o Papa, nem o Papa persuadir a Policarpo. A controvérsia não teve um fim, mas os laços da caridade não foram quebrados”. Santo Aniceto permitiu a São Policarpo de continuar a celebrar a Páscoa no dia em que estava acostumado a fazer em Esmirna.

Hegesipo, pondo ênfase na bem clara dignidade e autoridade dos Romanos Pontífices, afirma que, a par dos ilustres visitantes que iam a Roma nesse período, que também alguns hereges foram à Cidade Eterna, como Marcião, Marcelino, Valentino e Cordo, perturbando a Igreja por seu maniqueísmo. O escritor escreveu um livro em defesa do papa no qual provava que este seguia a correta doutrina cristã, diferente da dos integrantes das seitas paralelas.

Santo Irineu narra o trabalho de São Policarpo com estas ovelhas tresmalhadas enquanto esteve em Roma, obtendo que muitos voltassem ao redil do Bom Pastor graças ao seu zelo e prudência. Ele relata o encontro do santo com o herege Marcião, que lhe perguntou: “Não me conheces?”. “Sim, disse Policarpo, conheço-vos como o primogênito de Satanás”.

O Libert Pontificalis atribui a Santo Aniceto um decreto proibindo aos clérigos o uso do cabelo comprido.

O Martirológio Romano afirma que o santo pontífice sofreu o martírio na perseguição de Marco Aurélio Antonino e Lúcio Vero. Isto ter-se-ia dado no ano 161 ou 166, em dia incerto. Entretanto, embora ele tenha morrido num período de perseguição aos cristãos, a Igreja não cita a sua morte como a de um mártir. Mas, pelo sofrimento que teve ao enfrentar durante todo o seu governo os inimigos do cristianismo e da Igreja de Roma, explica por si só o porquê da reverência a seu nome como mártir.

Santo Aniceto foi enterrado no Vaticano, mas seus restos mortais foram depois trasladados para a catacumba de São Calisto, na cripta papal.

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.