2022: os delírios do Metaverso ou a Civilização Cristã?

3

Nosso programa para 2022?: “Ide, construí um mundo novo!”. Esse Mundo Novo será a Civilização Cristã oposta a todos os planos da Revolução mundial, — usando como pretexto a Pandemia –, que se materializam no Metaverso.

“A civilização não mais está para ser inventada nem a nova Cidade para ser construída nas nuvens. Ela existiu, ela existe: é a civilização cristã, é a Cidade católica” (São Pio X na Carta Apostólica “Notre charge”).

Eis porque “os verdadeiros amigos do povo não são nem revolucionários, nem inovadores, mas tradicionalistas”, conclui o Pontífice.

***

“Foi Deus que criou o tempo, e quis que, para os homens, fosse ele dividido em anos. Esta duração anual, unidade sempre igual a si mesma, é admiravelmente proporcionada à extensão da existência humana e ao ritmo dos acontecimentos terrenos.”

Continua o Prof. Plinio: “Conformando-nos com esta disposição da Providência, escrita na própria ordem natural [Lei natural] das coisas, entreguemo-nos ainda uma vez, sob o olhar de Maria, a esta tarefa de medir, pesar e prognosticar.

“Prognosticar, sim. Pois se habitualmente Deus a ninguém revela o futuro, à mente alguma deu o dom de fazer por si mesma prognósticos infalíveis, quis entretanto que o intelecto do homem tivesse o lume suficiente para estabelecer conjeturas prováveis, que podem servir de elemento precioso para a direção das atividades humanas.” https://www.pliniocorreadeoliveira.info/1959_097_CAT_Ide_e_constru%C3%AD.htm

Não!, ao Great Reset

Entretanto, para 2022, não necessitamos de prognósticos. A Revolução universal, pela trombetas da midia alinhada, pelos seus novos “deuses” já indicou, está impondo e quer levar a termo a grande ditadura da Nova Ordem Mundial.

Claro, estamos falando do Great Reset, que repete o velho sonho da República Universal, replica os erros de todos os ditadores dos séculos passados, incluindo Hitler e Stalin.

O Foro Econômico Mundial não tem genialidade, nem inovação: são roupagens novas, usando as armas potentíssimas da era digital, repetem o sonho do grande omniarca que dominaria a face da Terra. Soros, Bill Gates e outros têm os holofotes próprios ou comprados, mas sua filosofia é essencialmente anticristã.

O aspecto totalitário da chamada “Nova Ordem Mundial” tem sido posto em foco e abordado por comentaristas, escritores e sites de renome. https://ipco.org.br/nova-ordem-mundial-velho-plano-para-uma-desordem-generalizada-contra-a-qual-se-multiplicam-as-reacoes-conservadoras/

O caráter ateu de tais planos é evidente. São realmente ateus ou pregam uma nova religião?

Metaverso uma visão metafísica e religiosa anticatólica

John Horvat II, vice-presidente da TFP americana, publicou um excelente e elucidativo artigo em (LifeSiteNews):

“– O próximo passo na revolução cibernética é o chamado metaverso, uma plataforma de computação poderosa que vai além de qualquer coisa conhecida. Está sendo comercializada como sendo a próxima geração da Internet, facilitando intensas experiências individuais e abrindo novos mercados. (…)

“No entanto, ninguém considera as implicações morais do projeto. O metaverso prejudicará as almas. (…)

“Porém, o problema está aí. O metaverso é um ataque metafísico à cosmovisão da Igreja. Ele oblitera a natureza de um universo criado por Deus e tornará possíveis atos imorais que ofenderão gravemente o Criador.

Um processo de imaginação e destruição

“O metaverso deve ser entendido no contexto de um processo de esforço contínuo da modernidade para colocar a humanidade, e não Deus, no centro de todas as coisas.”

Os erros do Humanismo, acrescentamos, agravados pelo poder tecnológico dessa era digital:

” … o Humanismo e a Renascença tenderam a relegar a Igreja, o sobrenatural, os valores morais da Religião, a um segundo plano. O tipo humano, inspirado nos moralistas pagãos, que aqueles movimentos introduziram como ideal na Europa, bem como a cultura e a civilização coerentes com este tipo humano, já eram os legítimos precursores do homem ganancioso, sensual, laico e pragmático de nossos dias, da cultura e da civilização materialistas em que cada vez mais vamos imergindo.”

Prossegue John Horvat II: “Na verdade, é uma obsessão da modernidade imaginar novos mundos sem Deus. O Iluminismo introduziu maneiras de levar a realidade ao limite, desenvolvendo novas tecnologias, filosofias e estilos de vida.

“Os tempos modernos deram início à glorificação do indivíduo. (…)

“Assim, o individualismo moderno tendeu a destruir as estruturas externas – tradição, costume ou comunidade – que incomodavam o interesse próprio. Destruiu muitos mecanismos morais que facilitavam a prática da virtude em comum. Criou uma ordem (antiordem) acelerada em que o homem se tornou o centro de tudo e a religião foi relegada a um assunto privado.” https://ipco.org.br/como-o-metaverso-criara-um-inferno-virtual-na-terra/

A Civilização não está para ser inventada

Contra a utopia malsã do Metaverso existe a Civilização Católica.

“Não se deve inventar a Civilização, nem se deve construir nas nuvens a nova sociedade. Ela existiu e existe: é a Civilização Cristã, é a sociedade católica. Não se trata senão de a instaurar e restaurar incessantemente nas suas bases naturais e divinas, contra os ataques sempre renascentes da utopia malsã, da revolta e da impiedade: Omnia instaurare in Christo (Ef. I, 10)” (1).

Ensina São Pio X que a civilização “é tanto mais verdadeira, mais durável, mais fecunda em frutos preciosos, quanto mais puramente cristã; tanto mais decadente, para grande desgraça da sociedade, quanto mais se subtrai à idéia cristã. Por isto, pela força intrínseca das coisas, a Igreja torna-se também de fato a guardiã e protetora da civilização cristã”. (2)

Escreveu o Prof. Plinio: “Com efeito, a ordem de coisas que vem sendo destruída [e que o Metaverso leva ao delírio] é a Cristandade medieval. Ora, essa Cristandade não foi uma ordem qualquer, possível como seriam possíveis muitas outras ordens. Foi a realização, nas circunstâncias inerentes aos tempos e aos lugares, da única ordem verdadeira entre os homens, ou seja, a civilização cristã.” (3)

A Restauração da Ordem

“Se a Revolução é a desordem, a Contra-Revolução é a restauração da ordem. E por ordem entendemos a paz de Cristo no reino de Cristo. Ou seja, a civilização cristã, austera e hierárquica, fundamentalmente sacral, antiigualitária e antiliberal.”

“Entretanto, por força da lei histórica segundo a qual o imobilismo não existe nas coisas terrenas, a ordem nascida da Contra-Revolução deverá ter características próprias que a diversifiquem da ordem existente antes da Revolução. Claro está que esta afirmação não se refere aos princípios, mas aos acidentes. Acidentes, entretanto, de tal importância, que merecem ser mencionados.”

* * *

Quais são essas características próprias da Civilização Cristã opostas às teorias despersonalizantes do Metaverso? Como afirma o Prof. Plinio não existe o “imobilismo histórico”: “a ordem nascida da Contra-Revolução deverá ter características próprias que a diversifiquem da ordem existente antes da Revolução.”

Os princípios da Sociedade Católica, da Civilização Crista (em oposição à Revolução gnóstica e igualitária) foram amplamente tratados e expostos em artigos publicados no Legionário, no mensário Catolicismo, em reuniões de formação doutrinária para sócios e cooperadores da TFP.

É o que pretendemos ir publicando nesse Site, com a graça de Deus e a intercessão maternal de Maria Santíssima.

(1) S. Pio X, Carta Notre Charge Apostolique, de 25 de Agosto de 1910, cit., p. 612.

(2) Encíclica Il Fermo Proposito, de 11-VI-1905 – Bonne Presse, Paris, vol. II, p. 92

(3) https://www.pliniocorreadeoliveira.info/RCR01.pdf

3 COMENTÁRIOS

    • Rodrigo, boa tarde. Obrigado pela postagem. Outros amigos têm feito pedidos no mesmo sentido. Vamos sim, essa é uma meta para 2022. Marcos Machado

Deixe uma resposta