Almirante fala sobre Amazônia Azul, para auditório lotado do Clube Homs, Av. Paulista.

“Após esta palestra sobre a Amazônia Azul, não veremos mais o assunto como pessoas à pé, mas aportados na nau capitânia de um dos maiores conhecedores do assunto”. Com essas palavras, o presidente do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, Dr. Adolpho Lindenberg, passou a palavra ao Vice-Almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão, que então proferiu a interessante palestra Amazônia Azul – Importância e defesa deste rico patrimônio brasileiro. O evento ocorreu no Clube Homs, da Avenida Paulista, em 9 de agosto último.

O Alm. Gusmão mostrou como 72% dos brasileiros desconhece o conceito de Amazônia Azul, apesar de sua imensa importância para o presente e sobretudo para o futuro do Brasil. Amazônia Azul é o termo que designa o conjunto dos recursos naturais, econômicos e estratégicos contidos na área de mar sob a jurisdição do País: 3,6 milhões de km². Em 2004, o Brasil pleiteou o aumento dessa área. Quando a proposta for aceita, essa área contará com mais de 4,5 milhões de km², uma área maior do que a Amazônia Verde.

Animada conversa após a conferência, durante um coquetel.

Durante a palestra, o Almirante destacou as diversas vertentes da Amazônia Azul. Do ponto de vista de recursos naturais, ela possui uma biodiversidade ainda maior do que a Amazônia Verde (sic!).

Do ponto de vista econômico, ela controla 95% de nossas exportações, que somam mais de US$180 bilhões por ano. O potencial de pesca é estarrecedor, e até hoje pouco explorado. Nessa faixa o Brasil prospecta mais de 85% de seu petróleo.

Do ponto de vista da soberania, o conferencista mostrou o grande papel que a Marinha tem desempenhado. Ela fiscaliza todo o mar territorial, pois não há como construir barreiras físicas como é o caso das fronteiras. Realiza o controle da marinha mercante, e combate a pirataria, o contrabando e o despejo de material poluente.

Do ponto de vista estratégico, o Almirante mostrou o projeto de submarino de propulsão nuclear que está sendo posto em prática, com tecnologia genuinamente brasileira. Trata-se de construir um sistema mais rápido e que não dependa de subir à superfície para recarregar as baterias. É essencial inibir a ação de possíveis invasores em nossa plataforma continental, tarefa própria dos submarinos.

O príncipe Dom Bertrand de Orléans e Bragança proferiu as palavras finais, mostrando como as riquezas contidas na Amazônia Azul são um presente da Providência em vista de um futuro glorioso que nos aguarda, futuro este que depende em larga medida da ação de nossas Forças Armadas.

2 COMENTÁRIOS

  1. O nosso país é riquíssimo,não ponderando aqui a diversidades da fauna e da flora, nesta imensidão oceânica, margeando nosso continente, há riquezas incontáveis, pena que não é tão valorizada assim como deveria ser. Encontramos diversas degradações ecológicas e todo lixo jogado nos rios vão parar no mar . E os inescrupulosos e irracionais , não se deparam com esta visão devastadora do que está acontecendo com os nossos rio e mares.Até quando?

  2. Deus nos abençoou com um solo riquissimo, mas ao mesmo tempo nos castiga permitindo que o poder seja tomado por politicos corruptos e sem principios verdadeiramente cristãos.
    Isso pode ser reverido, basta o nosso povo passar a depender mais das promessas de Deus do que das promessas desses homens corruptos, que por natureza são corruptos, egoistas, blasfemos, e outras coisas ruins mais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome