Biden, ditadura e obrigatoriedade da vacina

0

“WASHINGTON, DC (LifeSiteNews) – O recente decreto do governo Biden de que os trabalhadores federais que recusarem uma vacina COVID-19 estarão sujeitos a testes regulares de coronavírus e uma série de outras restrições é uma “ameaça às liberdades civis” e uma violação da lei federal, diz o ex-funcionário de direitos civis do governo Trump, Roger Severino.”

Cororavírus é pretexto, confessa Biden

Nosso Site havia publicado: “Acho que agora temos uma oportunidade de mudar significativamente a mentalidade do povo americano”, disse Biden – “coisas que eles não estavam prontos para fazer nem dois, três anos atrás”.

Também Joe Biden havia afirmado, na campanha presidencial, que o pânico midiático do coronavírus cria condições para a esquerda. https://ipco.org.br/coronavirus-a-ponta-do-iceberg-joe-biden-soros-vem-a-ocasiao-para-esquerda/

Hitler, Stalin, Castro revivem … nos novos ditadores da pandemia.

***

Continua LifeSiteNews: “Os funcionários federais e contratados no local que não estão totalmente vacinados ou se recusam a fornecer seu status de vacinação devem usar uma máscara, a distância física e cumprir uma exigência de teste de triagem semanal ou duas vezes por semana, e estão sujeitos a restrições governamentais viagens oficiais”, de acordo com um anúncio de 29 de julho da Força-Tarefa da Força de Trabalho Federal Mais Segura do Presidente Joe Biden.

Tornar onerosa a não-vacinação

“O objetivo da exigência, disseram os assessores de Biden, é tornar a não-vacinada tão onerosa que aqueles que não receberam as injeções terão pouca escolha a não ser obtê-las”, relatou a CNN. O anúncio recebeu uma recepção negativa de sindicatos de funcionários federais “representando policiais federais, gerentes de IRS e membros da Patrulha de Fronteira dos EUA, entre outros”.

Esta política “vingativa” é “totalmente ilegal”, argumentou Severino, o ex-diretor do Office for Civil Rights (OCR) no Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos EUA que agora lidera o Projeto de Responsabilidade HHS no conservador Ethics and Centro de Políticas Públicas.

Vacinas em aprovação emergencial

Severino explicou que a lei federal e o precedente judicial protegem “a opção de aceitar ou recusar a administração” de vacinas que não receberam aprovação total da US Food & Drug Administration (FDA), e as vacinas COVID-19 atualmente disponíveis nos Estados Unidos são aplicadas sob uma Autorização de Uso de Emergência. No entanto, a administração Biden argumenta, no que ele chama de “memorando legal de má qualidade”, que isso não impede “consequências graves para o opt-out, como ser sumariamente demitido por seu empregador governamental”.

Severino prossegue, observando que o Ato Federal dos Americanos com Deficiências (ADA) estabelece que os empregadores “não devem exigir um exame médico … a menos que tal exame ou investigação seja comprovadamente relacionado ao trabalho e consistente com a necessidade do negócio”, independentemente de ser um exame está especificamente relacionado a deficiências. A Casa Branca “alegará que tem uma necessidade comercial legítima, mas será tarde demais porque já admitiu que seu propósito real é o bullying”.

“O memorando do DOJ e o anúncio de ontem são apenas ensaios gerais para o objetivo final de impor um mandato nacional de vacina ”, advertiu Severino. “Quando questionado ontem sobre se ele tem o poder de fazer tal coisa, Biden disse que ainda é uma questão em aberto. Na verdade, a resposta se resume a uma coisa – se Biden pensa ou não que pode escapar impune. Como o proverbial sapo de fervura lenta, se não houver uma forte reação agora, estaremos todos cozidos em breve. “

Vacinação de porta em porta

A promoção da vacinação COVID-19 pelo governo Biden tem se tornado cada vez mais agressiva desde que assumiu o cargo, anunciando anteriormente que pretende enviar representantes de porta em porta para exortar os americanos a fazê-lo. Ao mesmo tempo, os críticos dizem que a Casa Branca minou a confiança na vacina com sua recusa em divulgar quantos de seus próprios funcionários contraíram COVID-19 após a vacinação, bem como a recente falsa alegação do presidente de que “você não vai receber COVID se você tiver essas vacinas. ”

Justas e fundadas apreensões

Muitos americanos continuam preocupados com o fato de as vacinas não terem sido suficientemente estudadas para efeitos negativos, devido aos seus testes clínicos acelerados, e alguns guardam reservas éticas sobre o uso de células de bebês abortados em seu desenvolvimento. Outros ainda os consideram desnecessários, dada a alta capacidade de sobrevivência de COVID-19 entre a maioria dos grupos, baixo risco de disseminação assintomática e pesquisas indicando que a imunidade natural pós-infecção é igualmente protetora contra reinfecção.

Tem o Estado o direito de obrigar os cidadãos à vacinação compulsória? Seria imitar Hitler, Stalin e os modernos ditadores como Xi Jinping. Está, cientificamente provado, que a vacinação obrigatória é a única solução para salvar a Humanidade? O Estado não é anterior ao homem. Onde fica a Lei Natural, a tão proclamada liberdade de escolha? A mulher decide se mata seu filho e nós não podemos decidir se queremos ou não ser vacinados?

Nossa Senhora Aparecida livre o Brasil dessa ditadura-vacinas que certamente seria implantada se o PT e assemelhados estivessem no Poder.

Fonte: Former HHS Civil Rights director: Biden’s vaccine or COVID test mandate violates Americans with Disabilities Act – LifeSite (lifesitenews.com)

Deixe uma resposta