Início Artigos Acordo Vaticano-China renova o calvário dos católicos

Acordo Vaticano-China renova o calvário dos católicos

Essa semana foi marcada por três fatos, acontecimentos na esfera religiosa que amargaram profundamente o coração dos católicos. Nosso Calvário se tornou mais nítido e tudo isso nos faz lembrar os Passos da Paixão: a renovação do Acordo Vaticano-Pequim, o endosso da união civil homossexual, o incêndio criminoso de igrejas no Chile.

Como deve portar-se um católico face a esses três acontecimentos?

Acordo Vaticano-China renova o calvário dos católicos

***

O artigo de James Bascom mostra:

— “Nos últimos dois anos, porém, o PCCh empreendeu a pior perseguição religiosa desde a Revolução Cultural. Sob o programa de “Sinicização” do presidente Xi Jinping, o PCCh tentou substituir a religião pelo marxismo e pelos valores “socialistas”. A China está demolindo igrejas, prendendo milhares de clérigos e fiéis e colocando severas restrições e proibições diretas à liberdade de culto.

— “Como a China usa seus cidadãos como ratos de laboratório
Muitos clérigos e leigos católicos permanecem na prisão por se recusarem a se filiar à Igreja Patriótica, em alguns casos por décadas. O bispo James Su Zhimin, da Diocese de Baoding, foi preso em 1997 e não é visto desde 2003. As prisões de padres e bispos aumentaram desde que o acordo entrou em vigor.”

Renovar o Acordo Provisório, com cláusulas secretas até para o Cardeal Zen, após dois anos de “experiência” nos quais os católicos, padres e bispos fieis à Roma são perseguidos, configura uma intenção e determinação do Vaticano difícil de entender.

A China é, seguramente, campeã na violação dos direitos humanos. O maior dos direitos é conhecer e praticar a verdadeira Fé Católica.

Nossa obrigação é rezar ardentemente por esses mártires da Fé em território chinês e pedir aos Céus a sua libertação.


Vaticano endossa a união civil homossexual?

LifeSiteNews 22 de outubro de 2020 (CardinalBurke.com) – “Os meios de comunicação mundiais têm noticiado com grande ênfase, como uma mudança de curso, a notícia de que o Papa Francisco declarou que as pessoas na condição homossexual, como filhos de Deus, “têm o direito de ter uma família” e que “ninguém deve ser expulso ou ficar infeliz por causa disso ”. Além disso, escrevem que ele declarou: “O que temos que criar é uma união civil. Desta forma, eles serão legalmente cobertos. Eu tenho defendido isso”.

“As declarações foram feitas em entrevista a Evgeny Afineevsky, diretor do documentário “Francesco”, estreado em 21 de outubro de 2020, por ocasião do Festival de Cinema de Roma (Festa del Film di Roma).

“Tais declarações geram grande perplexidade e causam confusão e erro entre os fiéis católicos, na medida em que são contrárias ao ensino da Sagrada Escritura e da Sagrada Tradição, e do recente Magistério pelo qual a Igreja guarda, protege e interpreta todo o depósito de fé contido na Sagrada Escritura e Sagrada Tradição. Eles causam admiração e erro em relação ao ensino da Igreja entre as pessoas de boa vontade, que desejam sinceramente saber o que a Igreja Católica ensina. Eles impõem aos pastores de almas o dever de consciência de fazer os esclarecimentos adequados e necessários.”

Como observou o Cardeal Burke: “Em primeiro lugar, o contexto e a ocasião de tais declarações tornam-nas desprovidas de qualquer peso magisterial. Eles são corretamente interpretados como simples opiniões privadas da pessoa que os fez. Estas declarações não vinculam de modo algum as consciências dos fiéis, antes obrigados a aderir com submissão religiosa ao que ensinam sobre a matéria a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição e o Magistério ordinário da Igreja. Em particular, o seguinte deve ser observado.”


Ódio à Fé incendeia igrejas no Chile. Qual o motor desses anarquistas?

“Pelo menos duas igrejas no centro de Santiago do Chile foram queimadas neste domingo após a massiva manifestação que reuniu dezenas de milhares de pessoas para comemorar o primeiro aniversário da onda de protestos, a mais grave desde o fim da ditadura militar (1973-1990 )

“O primeiro santuário a queimar foi a Igreja de São Francisco de Borja, usada regularmente pela polícia dos Carabineros para cerimônias institucionais, e horas depois foi a Igreja de Assunção, uma das mais antigas da capital, com mais de um século e meio de idade.”

Fonte: https://www.efe.com/efe/america/sociedad/dos-iglesias-quemadas-y-varios-saqueos-tras-multitudinaria-marcha-en-chile/20000013-4371138


Deixe uma resposta