Foto do "Foro de São São Paulo" realizado em 1990. Projeto antigo causa a insatisfação atual do brasileiro pacato que tomou as ruas do Brasil.
Foto do “Foro de São São Paulo” realizado em 1990 (Lula à esquerda). Projeto antigo do socialismo petista causa a insatisfação atual do brasileiro pacato que tomou as ruas do Brasil.

Destaque Internacional – Muitos manifestantes parecem ser sobreviventes que resistiram meritoriamente, durante quase 15 anos, a uma guerra mental, tendenciosa e ideológica neo-revolucionária, gestada nos laboratórios do Fórum Social Mundial de Porto Alegre (FSM) a partir de 2001.

1. O que ocorreu nas profundidades do Brasil real no domingo 15 de março de 2015, dia das manifestações anti-governamentais que levaram mais de um milhão de brasileiros às ruas? As interpretações talvez sejam tantas quanto o número de analistas que tentaram explicar esses fatos que marcaram a fundo a vida do gigante sul-americano e tiveram grande repercussão internacional.

2. Os motivos pelos quais as multidões teriam se lançado às ruas, segundo o instituto de pesquisa Datafolha, seriam protestar contra a corrupção (47%), pedir o impeachment da presidente Dilma (27%), manifestar-se contra o governante Partido dos Trabalhadores (PT, ao qual pertence a presidente Dilma – 20%) e repudiar a classe política (14%). Há quem chegou a ver no meio das multidões que tomaram as ruas, germes de uma espécie de contra-revolução cultural nascente.

3. De qualquer maneira, seja pelo motivo que for, muitos manifestantes parecem ser sobreviventes que resistiram meritoriamente, durante quase 15 anos, a uma guerra mental, tendenciosa e ideológica neo-revolucionária, gestada nos laboratórios do Fórum Social Mundial de Porto Alegre (FSM), a partir de 2001. Por exemplo, foi nos conchavos do FSM, com a participação de dezenas de milhares de ativistas do Brasil e América Latina, que se reciclou as bases do Partido dos Trabalhadores (PT), de sua eficaz aliada, a “esquerda católica” e de outras correntes de esquerda, para lançar o projeto de um neo-Lula gradualista, moderado na estratégia mas igualmente radical nas metas, que passou a esquerdizar o Brasil no plano mais cultural, mais do que nas estruturas econômicas. Foi por causa dessa nova estratégia gradualista que um reciclado Lula conseguiu chegar ao poder em 2002, com o Partido dos Trabalhadores (PT).

4. Os novos conceitos de “transversalidade”, “revolução intersticial”, “diversidade” e de ideologia de gênero, debatidos no FSM de Porto Alegre, foram sendo aplicadas no Brasil para revolucionar gradualmente as mentalidades dos brasileiros até essa ocasião refratários às esquerdas, através de um gigantesco trabalho de desconstrução mental.

5. Dezenas de artigos publicados na ocasião por repórteres de Destaque Internacional, presentes no FSM de 2001 e nos seguintes, descrevem esse processo de reciclagem das bases da esquerda brasileira em função das novas estratégias de desconstrução mental.

6. Apesar desses planos do FSM postos em prática, houve no Brasil os que resistiram a esse embate de revolução “cultural”, conseguiram sobreviver psicologicamente e fizeram aflorar sua inconformidade nas manifestações de 15 de março pp. Eles são sobreviventes e ao mesmo tempo órfãos, porque quase não houve lideranças à altura no Brasil para denunciar esse processo de desconstrução das mentalidades e da sociedade.

7. As manifestações de 15 de março sem sombra de dúvida fizeram pôr as barbas de molho, não somente ao governo brasileiro e seu desprestigiado Partido dos Trabalhadores (PT), mas também a outros governos de esquerda da região que também estão metidos em confusões não pequenas.

______________
Apontamentos de Destaque Internacional. Sábado, 20 de março de 2015. Responsável: Javier González. E-mail: destaque2016@gmail.com.

Tradução: Graça Salgueiro

2 COMENTÁRIOS

  1. Inacreditável …realmente pensei que não viveria para assistir manifestações tão pontuais contra o modelo gestado pelo PT e pelos Foros de PoA e São Paulo para o Brasil. Ainda há esperança. Vamos acreditar!

  2. Eu considero que a denúncia e a descrição de método da Revolução – tal como Dr. Plínio Corrêa de Oliveira a caracteriza na sua obra-mestra “Revolução e Contra Revolução” – é da mais alta importância.
    Não devemos perder de vista a meta da Revolução. Neste sentido, o aviso de “colocar as barbas de molho” vale para a Contra-Revolução também.
    Na minha ótica, dada a situação como ela se encontra presentemente, o confronto físico é inevitável.
    Os dados já foram lançados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome