Cardeal Müller condena a ideologia transgênero

0

Cardeal Müller: A ideologia transgênero é ‘automutilação’, promovê-la é um ‘pecado grave’.

As declarações do Cardeal Müller vêm muito a propósito em resposta a um programa infantil da TV alemã que glorifica a transição de gênero.

Pecado grave

(LifeSiteNews) – O cardeal Gerhard Müller criticou o movimento LGBT em comentários recentes, descrevendo a ideologia transgênero como “automutilação da mente, alma e corpo” que os apoiadores deram uma “posição totalitária” na sociedade às custas dos jovens e religiosos e liberdade científica.

O cardeal alemão e ex-prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé do Vaticano (anteriormente a Congregação para a Doutrina da Fé) fez os comentários em uma declaração de 30 de março à revista alemã Tichys Einblick.

Programa infantil glorifica a transição de gênero

O cardeal Müller estava respondendo à controvérsia sobre um episódio de um programa de TV infantil alemão que provocou indignação dos pais por glorificar a “transição de gênero”. O episódio, lançado antes do chamado “Dia da Visibilidade Transgênero” na semana passada, apresentou um personagem chamado Erik ressurgindo no programa como uma “mulher trans” travestida chamada “Katja”.

“Uma pessoa trans é uma pessoa que nasceu menina, mas na verdade é menino, ou o contrário”, disse um apresentador, que abriu com episódio com bandeiras do “orgulho” LGBT, ao público infantil.

Questionado sobre sua opinião sobre a controvérsia, o cardeal Müller não poupou palavras, criticando a promoção do transgenerismo como um “pecado grave” contra crianças e jovens.

“Quando a automutilação da mente, alma e corpo é vendida ideológica e politicamente como uma suposta ‘autodeterminação’, isso é nada menos que um pecado grave contra o bem-estar e a salvação de crianças e jovens que são em um processo de amadurecimento e de descoberta de sua identidade”, disse. “Espero que eles tenham bons pais e amigos que os encorajem a se aceitarem como seres humanos à maneira de homens e mulheres.”

A natureza humana é dada por Deus

“De acordo com a fé cristã, os batizados se entendem em Jesus Cristo como filhos e filhas de Deus, seu Criador, Redentor”, acrescentou.

O eminente prelado alemão explicou que a natureza de uma pessoa como homem ou mulher é imutável e serve como pré-condição para o amor genuíno e o futuro da humanidade.

“O homem nasce como homem, e não como animal, planta ou matéria-prima, sem que ninguém peça seu consentimento de antemão”, disse. “Como a sexualidade masculina ou feminina faz parte da expressão de nosso corpo individual, não podemos mudá-lo essencialmente, mas desenvolver nele positivamente ou nos rebelar contra ele em nosso detrimento.”

Até que a morte os separe

“A distinção entre homem e mulher é positiva”, continuou ele, “tanto para o indivíduo quanto para a comunidade (também para a sucessão de gerações)”. Os dois sexos são “a pré-condição para que duas pessoas se amem e se digam: você só e para sempre, até que a morte nos separe. Desta forma, eles se tornam marido e mulher um para o outro; e então, se Deus quiser, também pai e mãe para seus filhos comuns”.

A agenda do movimento LGBT rejeita fundamentalmente a natureza imutável e dada por Deus ao homem, observou o Cardeal Müller.
“A ideologia LGBT não é sobre a dignidade de indivíduos que se sentem do sexo oposto, mas sim sobre a negação da natureza do ser humano como masculino e feminino em geral, como Deus o inscreveu na criação”, disse ele.

“Rebelião final contra Deus”

Essa ideologia anticristã e anticientífica, acrescentou o cardeal, “conseguiu transformar uma minoria perseguida em perseguidora”. “Ela recebeu uma posição totalitária de poder na política, no judiciário, nas universidades e na mídia que está destruindo a liberdade religiosa, minando o estado de direito e atropelando a liberdade científica”.

Os comentários do cardeal Müller refletem os do arcebispo Charles Chaput, arcebispo emérito da Filadélfia, que caracterizou o transgenerismo no ano passado como “a rebelião final contra Deus”.

As “questões de gênero” de hoje, disse o arcebispo Chaput a Tucker Carlson da Fox News em junho, são “o principal exemplo” de pessoas que buscam assumir o papel de Deus, “onde nem estamos satisfeitos com o corpo com o qual nascemos , que achamos que temos o poder de nos tornar algo que não fomos criados, que eu posso me tornar uma mulher ou uma mulher pode se tornar um homem”.

“Isso é algo que Deus faz, não algo que fazemos. Mas, de certa forma, essa é a rebelião final contra Deus”, disse ele.

Declarações muito oportunas que visam orientar os católicos e preneni-los contra a agenda de gênero.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-muller-promoting-transgender-self-mutilation-is-a-a-serious-sin/?utm_source=top_news&utm_campaign=canada

Deixe uma resposta