China: incutir “pensamentos de Xi” no cérebro dos alunos

O novo Führer: Xi Jinping impõe seus pensamentos nas escolas

1

O líder (ditador) chinês Xi Jinping deseja incutir lealdade em todos os cidadãos chineses – começando com os alunos do ensino fundamental.

Lealdade é uma virtude: lealdade medieval, lealdade nas relações sociais, nos negócios, na família. Entretanto, a “lealdade” que o PCCh quer incutir na mente das crianças se chama fanatismo e culto a Xi Jinping.

Nazismo e comunismo: verso e reverso da mesma medalha

Fanatismo é adesão cega a falsos valores, no caso, adesão ao ateísmo, ao hegelianismo, base do comunismo.

Como veremos, na China Ateísmo e Estado estão numa união que é uma caricatura da união Igreja-Estado, na Idade Média.(1)

Livro obrigatório: “Pensamento de Xi Jinping

Conforme os alunos de todo o país voltam das férias de verão em setembro, eles encontrarão mais um curso em seu currículo: “Pensamento de Xi Jinping”.

O novo impulso para o controle ideológico vai da escola primária até a faculdade. O livro didático obrigatório, intitulado “Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas na Nova Era”, terá cinco edições, a serem ensinadas aos alunos da terceira, quinta, oitava e décima série semanalmente.

O livro tem como objetivo “moldar gradualmente o apoio dos alunos à liderança do Partido e ao sistema socialista”, diz um aviso recente do Ministério da Educação.

Em qualquer país livre isso se chama ditadura, controle das mentes, lavagem cerebral.

Controlar a educação para controlar as mentes

“Se você controla a educação, você, na verdade, controla os pensamentos de toda a população”, disse Li Yuanhua, ex-professor associado da Faculdade de Educação da Capital Normal University em Pequim, ao Epoch Times.

O Pensamento de Xi Jinping, alternativamente conhecido como “Xism”, foi escrito na carta do Partido Comunista Chinês durante o importante Congresso Nacional do Partido em 2017. Desde então, as autoridades chinesas e instituições apoiadas pelo estado criaram 18 centros de pesquisa dedicados a estudar o ideologia.

À medida que o novo ano letivo se aproxima rapidamente, as autoridades educacionais locais aumentam o treinamento para atualizar seus professores com o novo material, enquanto os meios de comunicação estaduais lançam propaganda preparando o cenário para o lançamento dos livros didáticos.

Em Hebei, uma província do norte da China que circunda Pequim, 20 especialistas em um seminário virtual em 3 de agosto explicaram os princípios-chave por trás do livro para cerca de 44.000 professores de toda a província e os orientaram sobre como ministrar suas aulas.

Incutir Xi Jinping no cérebro dos alunos

Huang Qiang, chefe da People’s Education Press, que publica o livro, descreveu o lançamento do livro como “outra tarefa política importante”, acrescentando que foi um “passo concreto” para incutir o pensamento de Xi Jinping “nos cérebros dos alunos. ”

A descrição mais detalhada do curso veio de Ding Lili, uma professora de escola primária pública de Xangai que fez um teste do material com seus alunos. Depois de elogiar o “apelo magnético” do livro, Ding ofereceu uma anedota que revelou como o livro pode desempenhar um papel em espalhar hostilidade em relação ao Ocidente enquanto reforça o nacionalismo, de acordo com um artigo de 1º de agosto no China Education Daily, um jornal administrado pela editora.

Em uma palestra intitulada “tamanho grande não é igual a força”, em uma citação tirada de um discurso de 2014 de Xi sobre a importância da inovação tecnológica nacional, Ding segurou um telefone da gigante chinesa de telecomunicações Huawei, cujo negócio de smartphones foi devastado por Sanções dos EUA por questões de segurança nacional, que cortaram o acesso da empresa à tecnologia vital dos EUA, incluindo chips de processador de ponta.

“Quando as crianças ouviram que uma marca nacional tão excepcional está em apuros porque seus chips estão sujeitos a outras pessoas, eles ficaram surpresos, confusos e irritados”, disse Ding, acrescentando que ela fez uma série de perguntas para levar para casa a ideia de que o povo chinês deve ter “tecnologia central em nossas próprias mãos”.

***

A Igreja ensina a verdade, o PCCh impõe o ateísmo

O PCCh com seu método totalitário, incute o ateísmo, ou seja, a “religião” oficial do comunismo. Podemos tomar os 10 Mandamentos ao revés e daria a Cartilha do PCCh.

Pelo contrário, na "Encíclica Immortale Dei, Leão XIII descreveu nestes termos a Cristandade medieval:
“Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados. Nessa época, a influência da
sabedoria cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos,
todas as categorias e todas as relações da sociedade civil. Então a Religião instituída por Jesus
Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era
florescente, graças ao favor dos Príncipes e à proteção legítima dos Magistrados. Então o
Sacerdócio e o Império estavam ligados entre si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa
de bons ofícios. Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda a expectativa,
cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício
algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer”. (Encíclica “Immortale Dei”, de 1º-XI-1885, Bonne Presse, Paris, vol. II, p. 39)
                                                                   ***
Também Hitler estabeleceu os mandamentos do nazismo e um deles afirmava: O Führer sempre tem razão. O novo Führer ,Xi Jinping, segundo o PCCh, sempre tem razão, até para fanatizar as crianças com seu credo ateu. Nazismo e comunismo são irmãos siameses, sempre afirmou o Prof. Plinio, em mais de 1 mil artigos, para a Imprensa.
Contra essa fanatização de jovens chineses levantar-se-á a ONU? O Vaticano? A UE que se mostra tão apressada em fazer cobranças ao Brasil?

Nossa Senhora, imperatriz da China, apresse a conversão dessa Nação. É o que mais desejamos.

Fonte: CCP Moves to Indoctrinate School Children With ‘Xi Jinping Thought’ (theepochtimes.com)

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta