A China de Xi Jinping não sabe o que é transparência. Puniu médicos que deram o alarme — ainda nos fins de dezembro  … quando tudo poderia ser evitado.

Uma advertência em 30 de dezembro

“Dra. Ai Fen, diretora do departamento de emergência do Hospital Central de Wuhan, disse à revista chinesa People que postou uma imagem de um relatório de diagnóstico na rede social WeChat em 30 de dezembro, mostrando que a paciente tinha uma infecção por pneumonia causada por um Sars-like Coronavírus”.

E soou o alarme. Sua entrevista, sugerindo que uma oportunidade para as autoridades emitirem aviso prévio tinha sido perdida, foi mais tarde excluída

As informações sobre o novo coronavírus nas redes sociais foi compartilhado pelo falecido denunciante Dr Li Wenliang, ele também foi punido e forçado a se retratar

Dra. Ai Fen,  quebrou seu silêncio, dizendo que ela foi amordaçada pelas autoridades por levantar o alarme, sem sua permissão, no início do Surto.

Falta de transparência, falta de sinceridade, falta de retidão: nada pode prejudicar a imagem da China

“A entrevista de Ai sugere que as autoridades locais de saúde em Wuhan, o centro da epidemia, perderam a oportunidade de emitir um alerta sobre um surto iminente antes que o vírus se espalhasse e infectasse mais de 117.000 pessoas em todo o mundo e causasse mais de 4.200 mortes”.

A mensagem “foi publicada na terça-feira, mas depois excluída da conta da revista WeChat, levando os internautas irritados a repostar o artigo em outras plataformas. A revista é publicada pela estatal People’s Publishing House”.

Como foi a alerta

Dra. Ai Fen disse à revista que alertou o centro de saúde comunitário do hospital e o departamento de controle de doenças infecciosas imediatamente.

“”Até peguei o diretor do departamento respiratório do hospital, que passou pelo meu consultório, e disse a ele que um de seus pacientes foi confirmado ter sido infectado por um vírus semelhante ao Sars”, disse ela”.

Memorial em homenagem ao médico chinês Li Wenliang, que alertou seus colegas em dezembro sobre o coronavírus em Wuhan, mas foi punido pelo governo chinês por estar divulgando notícias falsas O oftalmologista Dr. Li, 34, que seria repreendido por agentes de segurança pública por “espalhar boatos”, estava entre os que compartilharam a foto de Ai com outros.

Ele morreu em 6 de fevereiro depois de contrair o vírus. A morte de Li provocou um desabafo de tristeza e raiva sobre o tratamento da crise, e um mês em pessoas ainda estão deixando comentários em seus posts no Weibo. (foto)

A diretiva da Comissão de Saúde de Wuhan: silenciar os casos e “não espalhar boatos”

“De acordo com a revista, Ai disse que foi informada por superiores no dia em que soou o alarme de que a comissão de saúde de Wuhan havia emitido uma diretiva de que os médicos não deveriam divulgar nada sobre o vírus, ou a doença que causou, para evitar provocar pânico. Logo depois, o hospital lembrou a todos os funcionários que a divulgação pública relacionada à doença era proibida”.

“Dois dias depois, um funcionário encarregado do departamento de supervisão do hospital deu a Ai um curativo (repreensão) por “espalhar boatos” – uma referência à fotografia que ela havia postado online.

O funcionário disse a Ai para notificar todos os funcionários de seu departamento para não divulgar nada sobre a doença – e não dizer nada sobre isso a ninguém, nem mesmo para seu marido, de acordo com a revista.

Agi de acordo com a Ética Médica: discuti o caso específico com outros médicos

Minha mente ficou em branco”, disse Ai. “Ele não estava me criticando por não trabalhar duro… ele me fez sentir que eu sozinha tinha arruinado o futuro de Wuhan. Eu estava em desespero.

Ai disse que Hu Ziwei, uma enfermeira do hospital, foi infectada cerca de uma semana depois. Mas enquanto o hospital notou originalmente em seu relatório de diagnóstico que ela estava sofrendo de “pneumonia viral“, mais tarde mudou a descrição de sua doença para “infecções“.

“Notifiquei meu hospital e nunca revelei os dados pessoais da paciente quando discuti um caso específico com outros médicos”, disse ela.

Como eu poderia me abster de discussões com meus colegas médicos sabendo que um novo e significativo vírus havia surgido? Segui minha intuição como médico – então que erros eu cometei?”

Outro erro fatal das autoridades comunistas: afirmar que o virus não se transmitia pessoa-a-pessoa

“Se não há transmissão de pessoas para pessoas, por que os pacientes continuaram a aumentar depois que o mercado huanano foi fechado?” Ai disse à revista.

“O Hospital Central de Wuhan se tornaria uma das instalações médicas mais atingidas da cidade, com quatro médicos, incluindo Li, sucumbindo ao Covid-19. Outros dois médicos do hospital estão em estado crítico.

“Se esses médicos pudessem ter sido avisados [sobre a doença] mais cedo, eles não teriam morrido. Então eu realmente lamento [por não ter avisado mais pessoas]”, disse ela.

“Se eu soubesse [como seria o surto] eu teria contado a todos, mesmo tendo sido avisada”, disse ela. “Pensei muitas vezes – se ao menos o tempo pudesse voltar atrás.”

  • * * *
  • Talvez seja difícil ao ocidental “atualizar-se” quanto à moral que governo o PCCh, como aliás, a própria doutrina comunista: os interesses do comunismo acima de tudo.
  • São vários os indícios de que o coronavirus chinês poderia ter sido combatido e circunscrito a um pequeno círculo. Os médicos que fizeram a alerta foram punidos e alguns deles vitimas mortais do virus.

 

Fonte: https://www.scmp.com/news/china/society/article/3074622/coronavirus-wuhan-doctor-says-officials-muzzled-her-sharing

2 COMENTÁRIOS

  1. […] “ENCOBRIMENTO — Desaparecido: Médico denunciante de Wuhan que alertou colegas sobre o vírus CCP” Nosso site já abordou a denúncia — abafada pelo PCC — da Dra. Ai Fen, juntamente com outros médicos chineses, dos primeiros casos de Coronavírus em Wuhan. https://ipco.org.br/china-silenciou-mais-um-medico-que-denunciou-o-coronavirus-e-nao-faz-o-mea-culpa… […]

Deixe uma resposta