David Gelernter, o renomado cientista da computação de Yale, afirma que está abandonando a teoria da evolução de Charles Darwin.

Oferecemos aqui a nossos leitores um resumo do artigo de TOM CICCOTTA, 22 de agosto, no site Breitbart. Deixamos de lado o estudo das Mutações, Biologia Molecular, DNA, Proteinas que fica para os especialistas.

“Desistindo de Darwin”

Diz o artigo: “A coluna, intitulada “Desistindo de Darwin”, fornece os argumentos de Gelernter contra o darwinismo. A teoria de Darwin prevê que novas formas de vida evoluam gradualmente das antigas em uma árvore de vida que se ramifica constantemente. Essas bravas novas criaturas cambrianas devem, portanto, ter tido predecessores pré-cambrianos, semelhantes, mas não tão extravagantes e sofisticados”.

“Eles não poderiam ter explodido de repente, como um bando de gêiseres. Cada um deve ter tido um predecessor intimamente relacionado, que deve ter tido seus próprios predecessores: a evolução darwiniana é gradual, passo a passo.

“Todos esses predecessores devem ter se juntado, mais para trás, em uma série de galhos que desciam até o tronco (há muito tempo).

Falta achar os “elos perdidos” que nunca existiram

“Mas aqueles antecessores das criaturas cambrianas estão faltando. O próprio Darwin ficou perturbado com a ausência do registro fóssil.

“Alguns de seus contemporâneos (como o eminente biólogo Louis Agassiz, de Harvard) afirmaram que o registro fóssil já estava claro o suficiente e mostrou que a teoria de Darwin estava errada.

Uma conversa, no verão, na Universidade de Stanford Hoover Institution

“Um grupo de cientistas, incluindo Gelernter e Meyer, sentou-se para discutir a evolução neste verão em uma conversa que foi organizada pela Universidade de Stanford Hoover Institution”.

“De fato, o registro fóssil como um todo carecia da estrutura de ramificação ascendente que Darwin previu.

“Gelernter argumenta que o design inteligente, a noção de que a vida na Terra foi projetada por um poder superior, é um “argumento absolutamente sério“. Gelernter adverte seus colegas na academia contra o uso de fanatismo anti-religioso para justificar sua rejeição da teoria do design inteligente”.

***

A corrente criacionista (que tem Deus como criador do Universo) é forte nos EUA e conta com um escol de professores, cientistas. À medida que a Ciência progride novas complexidades se tornam conhecidas, por exemplo, no ser humano. A conclusão de Gelernter: a noção de que a vida na Terra foi projetada por um poder superior, é um “argumento absolutamente sério“.

Fonte: https://www.breitbart.com/tech/2019/08/22/yale-computer-scientist-david-gelernter-abandons-darwinism/

 

 

Deixe uma resposta