Grupo homossexual da Bahia tenta atrapalhar caravana católica, mas não consegue…

Salvador, 1 de Fevereiro de 2011.

Prezados Participantes,

Tenho a alegria de informar que, chegando perto do fim da Caravana, já atingimos todas nossas metas, e nosso roteiro foi cumprido! Graças a quem?

Graças a Deus e à Santíssima Virgem, em primeiríssimo lugar. Em segundo lugar, àqueles que rezaram e contribuiram para que esse objetivo fosse alcançado. Percorremos 7 dos 9 estados nordestinos, alertando a população para os perigos do PNDH-3 e coletando assinaturas contra esse iníquo programa.

Hoje quero mostrar o que aconteceu na última sexta-feira:

Estávamos, como de costume, iniciando a campanha, os jovens formados em V, ou em “farpa”, como mostram muitos vídeos já publicados. Quando rezávamos a Ave-Maria para começar a coleta de assinaturas… o GGB (Grupo Gay da Bahia) posicionou-se em frente dos jovens. Para quê? Talvez para arranjar algum pretexto, para provocar algum “caso” que lhes fosse favorável…

Que engano! Os jovens responderam com altaneria e firmeza, mas sem qualquer tipo de provocação ou agressão. Resultado? O GGB foi embora, e os jovens continuaram a coleta de assinaturas, com mais entusiasmo ainda!

O que esse fato nos ensina? A meu ver, duas coisas:

1 – A força dos maus está na fraqueza e na imprudência dos bons. Quando os bons agem com altaneria, firmeza e prudência, os maus fogem, pois ficam sem força e sem pretextos.

2 – O movimento homossexual é inexpressivo no Brasil. O que lhe dá expressão é a guarida da mídia (depois se quiserem conto o papelão que fez o jornal de Salvador) e polpudas verbas nacionais e internacionais.

Veja o vídeo abaixo e dê sua opinião.

Novamente, muito obrigado.

Atenciosamente

Daniel Martins – Coordenador da Caravana