Notícia de lifesitenews, 23 de abril, STEVEN MOSHER, nos fornece novos elementos sobre a cruel perseguição religiosa movida por Xi Jinping contra os católicos chineses.

     Diz lifesitenews: “Agora está claro para todos – até para os diplomatas do Vaticano, presumivelmente – que as coisas estão indo de mal a pior para os católicos na China”.

      Em decorrência do “acordo provisório” Vaticano-China, “as autoridades comunistas estão dizendo aos bispos, sacerdotes e leigos (da igreja clandestina, fiel à Roma) que o novo acordo não só exige que eles se registrem no governo, mas que se unam à chamada “Associação Patriótica Católica”. Isso quase todos se recusam a fazer, já que sabiam que a Associação Patriótica não está em comunhão com Roma”.

     “Como punição, os comunistas começaram a prender os resistentes e demolir suas igrejas e santuários. A Diocese Subterrânea de Fengxiang, na província de Shaanxi, foi particularmente atingida. Em 4 de abril de 2019, uma igreja recém-construída na diocese, ainda em construção, foi destruída enquanto os paroquianos olhavam horrorizados”.

Igreja demolida, cabeça da Virgem Maria decepada

    Tome, “a Igreja Católica Qianwang na cidade de Jinan, província de Shandong, por exemplo, que data de 1750. Apesar de ser uma paróquia aprovada em uma diocese dirigida por um bispo “Patriótico”, a igreja foi demolida em agosto passado. A cabeça decepada da Abençoada Mãe olha desolada para os escombros, que é tudo o que resta”.

    “O cardeal Parolin, secretário de Estado do Vaticano, que, segundo todos os relatos, é o autor do acordo, continua a aconselhar paciência”. 

Novas restrições: proibidos acampamentos católicos e menores frequentarem a igreja

  “O Partido Comunista impôs severas novas restrições a todas as religiões em fevereiro de 2018. Os novos regulamentos exigem que todas as atividades religiosas sejam realizadas em locais aprovados pelo estado. Qualquer atividade religiosa realizada em outro lugar, como acampamentos católicos de verão ou estudos bíblicos em casas particulares, são “reuniões ilegais”, declaram os novos regulamentos, estritamente puníveis por lei’.“Os novos regulamentos também proibiam estritamente os menores de frequentar a missa, receber instrução de catecismo ou participar de qualquer outra atividade religiosa. Todos os sacerdotes, pastores e religiosos são obrigados a se registrar no órgão oficial” e os sacerdotes “que se recusam a se unir à Associação Patriótica Católica são forçados a deixar o ministério ativo”.

Xi Jinping determinado a extinguir a fé católica. Culto à personalidade.

    “Isto é apenas o começo. O líder comunista Xi Jinping, como o presidente Mao Zedong antes dele, parece determinado a extinguir toda a fé religiosa dentro de seu país, substituindo-a pela fé no Partido Comunista Chinês e em seu líder, que é o próprio Xi”.“Quando os católicos recentemente questionaram por que eles estavam sendo forçados a estudar os trabalhos de Xi Jinping, um funcionário disse claramente a eles: “É porque você acredita em Deus que você é obrigado a estudar e responder as perguntas. Isto é para mudar o seu pensamento”. O funcionário acrescentou que, porque eles agradeciam a Deus em vez do Partido, eles precisavam “estudar Xi ” mais.

·* * *·

       Essa é a China de 2019, esse é o presidente vitalício (ditador) que persegue a religião católica e promove um culto à sua personalidade, com um aplicativo que pontua os cidadãos na sua fidelidade à Xi; é preciso “estudar Xi“. Nosso colaborador León de la Torre já tratou desta matéria, mostrando como é imposta na China o culto à personalidade do ditador. 1

https://www.lifesitenews.com/blogs/after-vatican-agreement-chinas-communist-leader-is-still-trying-to-stamp-out-religion

1 https://ipco.org.br/o-diatatorialismo-e-o-culto-a-personalidade-de-xi-jinping-na-china/#.XMEFmOhKguU

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here