A esquerda e a mídia devem ter suas razões … que a razão não conhece…

“22 de julho de 2020 (American Thinker) – Em 9 de julho de 2020, a maior e mais densa favela da Ásia chocou o mundo ao anunciar apenas um novo caso positivo de COVID-19, apesar de ser um cluster e um ponto de acesso.”

Dharavi não é uma favela comum. É uma das mais densas do mundo, abrigando mais de um milhão de pessoas. Enquanto NY tem 95.600 pessoas em 2.5 km2 Dharavi tem 650.000

“A Índia temia o pior quando um surto de COVID-19 foi registrado em Dharavi. Poderia ter se tornado a maior zona de desastre da COVID-19 do mundo. Mas, usando medidas proativas, Dharavi continha o vírus.”

“A mídia em todo o mundo, como o Los Angeles Times, relatou o sucesso. Até a Organização Mundial da Saúde elogiou Dharavi.”

Hidroxicloroquina

“Os relatórios creditam a enorme reviravolta a vários fatores. A maioria se concentrou no uso generalizado de testes e rastreamento de contatos por Dharavi. Mas eles ignoraram a política mais responsável. Médicos indianos usaram a hidroxicloroquina (HCQ) para tratamento profilático (preventivo) – a mesma droga que a mídia americana politizou.”

A taxa de infecção por COVID-19 de Dharavi caiu drasticamente de abril a junho. Em julho, as novas infecções foram muito baixas, chegando a zero em 9 de julho.

As autoridades creditaram essa reviravolta à “[uma] combinação de hidroxicloroquina, vitamina D e comprimidos de zinco junto com medicamentos homeopáticos”.

A HCQ tem sido amplamente utilizada na Índia para tratar o COVID-19 em estágio inicial. Também é prescrita para profilaxia entre aqueles que entraram em contato com pessoas que testaram positivo.

Conselho Indiano de Pesquisa Médica recomenda HCQ

“Na Índia, o HCQ sempre foi legal. A força-tarefa oficial COVID-19 do governo, o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR), o recomenda para pessoas de alto risco, como médicos. As diretrizes do ICMR recomendam o uso profilático do HCQ para as seguintes categorias:

“todos os profissionais de saúde assintomáticos envolvidos na contenção e tratamento de COVID19 e profissionais de saúde assintomáticos que trabalham em hospitais não-COVID / áreas não-COVID de hospitais / blocos COVID”;
“trabalhadores sintomáticos da linha de frente, como trabalhadores de vigilância implantados em zonas de contenção e pessoal paramilitar / policial envolvido em atividades relacionadas ao COVID-19”; e
“contatos domiciliares sintomáticos de casos confirmados em laboratório”.
Em outras palavras, o HCQ é para qualquer pessoa com a menor chance de contrair o COVID-19.”

Também lá tentaram bloquear a HCQ

“Quando os médicos começaram a usar o HCQ em Dharavi, os advogados do anti-HCQ entraram em contato com o tribunal de Bombaim. Mas o tribunal decidiu a favor da HCQ”

“O tribunal poderia ter informado o desafiante sobre o histórico de eficácia do HCQ. O estudo observacional do ICMR com 334 profissionais de saúde no hospital AIIMS (a 10 minutos da minha casa em Délhi) revelou que 248 que fizeram profilaxia com HCQ tiveram menor incidência de infecção do que aqueles que não fizeram. Um estudo semelhante em três outros hospitais em Delhi teve resultados semelhantes.”

A linguagem dos números: fatos

A Índia tem 41,638 por coronavírus enquanto a tuberculose mata 440 mil anualmente naquele País.

Enquanto Itália tem 582 mortes por milhão de habitantes, França 464, Espanha 610, Estados Unidos 491, a Índia tem 30. Falam os números.

Politização ideológica

“A HCQ pode estar economizando milhões em todo o mundo, exceto nos países onde permanece controverso. O diretor do Departamento de Comércio e Política de Manufatura da Casa Branca, Peter Navarro, destacou o mesmo na semana passada:

“É a politização deste medicamento pela grande mídia e porções da comunidade médica que, de alguma forma, fizeram disso uma batalha entre o Presidente Trump e eles e criaram esse medo e histeria indevidos por uma droga, um medicamento que é usado há mais de 60 anos com relativa segurança e é prescrito regularmente para mulheres grávidas se estiverem indo para uma zona de malária.

“A Índia exportou toneladas de HCQ para os EUA, Canadá e dezenas de outros países nos últimos meses. Apesar de ter estoques, essas nações resistiram ao seu uso. A mídia e as burocracias americanas devem ir além de sua obsessão com a política e considerar honestamente a eficácia do HCQ.”

***

Aqui também, no Brasil, há uma “guerra” midiática contra o uso preventivo da HCQ no tratamento do vírus chinês. Não se sabe por quê razão a esquerda está sendo a furiosa propulsora da campanha contra o uso da HCQ. A esquerda deve ter suas razões … que a razão não conhece.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/opinion/this-indian-slum-contained-a-possible-covid-19-disaster-with-hydroxychloroquine (Publicado com permissão do American Thinker)

Deixe uma resposta