Me ajude a encontrar minha família: apelo de uma jovem uighur

0

A Mídia costuma fazer propaganda de uma adolescente que entenderia mais de física, meteorologia, futurologia e outras especialidades que os próprios cientistas. ONU e assemelhados ai estão para direcionar os holofotes para essa jovem. Entretanto, não estão interessados no genocídio do povo uighur, um milhão de confinados em campos … de reeducação, afirma Xi Jinping.

Vejamos o depoimento de outra adolescente … esquecida pela Midia.

Dilnaz Kerim (uma adolescente uighur) e sua família estão fartos de mentiras e enrolações. Eles estão implorando ao governo britânico que leve o desaparecimento de seus entes queridos a sério e se reúna com ela para discutir um caminho a seguir.uih

“Jonathan Gibson (camiseta azul) líder do Burst The Bubble UK, ao lado de Dilnaz Kerim (à sua esquerda) segurando um pôster da campanha “Free Ekpar”. A irmã de Ekpar, Rayhan Asat, residente nos Estados Unidos, tem feito uma campanha de destaque de cinco anos para sua libertação desde que ele desapareceu em 2016 (na China). Mas eles ainda não estão mais perto de desvendar o mistério de seu desaparecimento.”

Encontrem a minha família

Reunindo-se fora de Downing Street, em Londres, na semana passada, a adolescente uigur e seus partidários chamaram o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, para se encontrar com ela e ajudá-la a encontrar sua família. O movimento “Find My Family“(Encontre minha família) dos 18 anos está ganhando impulso com o apoio adicional do movimento de defesa dos adolescentes “Burst The Bubble UK”, cujo líder Jonathan Gibson implorou às portas fechadas do Número 10 para ouvir e enfrentar o Governo chinês sobre o desaparecimento da família de Dilnaz e centenas e milhares de outras pessoas que desapareceram.

Ben Rogers, bem conhecido dos leitores de Bitter Winter, divulgando o perfil do especialista em folclore uigur, Rahile Dawut, que desapareceu em dezembro de 2017. “Não vamos descansar até encontrarmos a família de Dilnaz”, disse ele.

Dilnaz, cuja defesa chegou aos ouvidos da BBC, atraiu mais de meio milhão de seguidores no Twitter após sua transmissão no horário nobre na semana passada. Os políticos Iain Duncan Smith, Lord David Alton, a personalidade Stephen Fry, líderes de ONGs e grupos ativistas deram suas vozes à onda de apoio à estudante, que logo entrará na universidade para estudar matemática, mas cuja adolescência despreocupada foi marcada por traumas e pesar sobre o destino de seus parentes em sua terra natal.

Questionada por Adina Campbell no programa Radio 4 Today da BBC se ela se sentia como “uma garota comum de 18 anos”, Dilnaz respondeu que em vez de aproveitar novos hobbies, explorar coisas novas e “viver sua vida melhor”, seu sono é temperado com pesadelos e suas horas de vigília repletas de planejamento de novas maneiras de aumentar a conscientização para que seu povo pudesse ser livre.

Ou seja, o povo Uighur, duramente perseguido na China de Xi Jinping. Os campos de confinamento de Xinjiang talvez sejam o maior exemplo e o mais nefasto dos genocídios no século XXI que a China tentou esconder e por fim chamou-os eufemisticamente de campos de reeducação …

Parlamento do Reino Unido confirma genocídio do povo uighur

Dilnaz ficou animada com a votação do parlamento do Reino Unido que confirmou o crime de genocídio contra o povo turco do noroeste da China, mas está frustrada com a falta de ação contra o PCCh. Pequim continuou a negar até a existência de sua família e continua até hoje implacável em sua perseguição ao seu grupo étnico.

“Minha família inteira está em Xinjiang”, disse ela. “Estas são pessoas reais, não apenas estatísticas.” “Não sei onde estão minhas tias, tios, primos e avós. O governo chinês se recusa a me dizer ”, acrescentou ela, perguntando“ onde eles estão? Eles estão na prisão, em campos de concentração, em fábricas? ” Desde que as cortinas caíram na comunicação com o mundo exterior em 2017, as conexões de mídia social com aqueles que viviam no exterior tornaram-se muito perigosas e muitas linhas telefônicas foram simplesmente cortadas ou tornaram-se impossíveis de obter. Um grande vazio existe agora para a família Kerim cheio de perguntas, incertezas e medo.

Ela queria dar um rosto e personalidade a um dos “desaparecidos”, e descreveu seu primo Imran cujo senso de humor e travessura ela amava quando visitou sua terra natal aos sete anos de idade. “Agora ele tem 18 anos como eu”, ela disse perguntando, “o que aconteceu com suas esperanças e sonhos? Talvez ele quisesse viajar pelo mundo. Talvez ele quisesse começar um negócio, talvez ele quisesse se tornar um filantropo. Agora, quaisquer que fossem suas esperanças, elas foram esmagadas pelo PCC, as mesmas pessoas que me disseram que ele não existe. ”

Dilnaz's father Kerim. Rumors many of his relatives have been sentenced to draconian prison terms are as yet unconfirmed by the Chinese government. Kerim is demanding proof of life.

Kerim, o pai de Dilnaz, está parado na extremidade da manifestação segurando uma placa que diz: “Onde estão meus parentes?” Um desejo desesperado nubla seu rosto. Por mais sinceros que fossem os manifestantes adolescentes e por mais sinceros que fossem seus discursos, eles sempre seriam voyeurs.

Ninguém conseguia sondar as profundezas da tristeza vivida por um homem, exilado de seus entes queridos e agonizando com o destino de cada um.

“Vou me encontrar com qualquer parlamentar que queira discutir isso mais detalhadamente”, disse ela. “Temos a oportunidade de ajudar essas pessoas inocentes que são perseguidas por sua etnia pelo Partido Comunista Chinês. Juntos, podemos aumentar a conscientização sobre esse genocídio, mas, o que é mais importante, fazer algo a respeito. Por favor, me ajude a encontrar minha família ”, implorou Dilnaz.

***

A Midia ocidental, que dá tanto destaque a uma adolescente (Greta) se moverá ante denúncias tão mais graves do genocídio do povo uighur? Se calar é porque teme ou é cúmplice do PCCh.

Nossa Senhora, imperatriz da China, liberte o povo uighur das mãos do PCCh.

Fonte: An 18-Year-Old Uyghur Girl Started a Mass Protest Movement (bitterwinter.org)

Deixe uma resposta