Blinken acusa China de genocídio e crimes contra a humanidade

0

Será a China de Xi Jinping tão poderosa, tão forte, tão estável quanto a midia alinhada procura divulgar? Por que não faz eleições livres desde 1949?

O Tribunal Yughur continua suas sessões em Londres com as denúncias contra o genocídio levado a cabo pelo PCCh. https://ipco.org.br/pequim-no-banco-dos-reus-tribunal-uigur-julgara-denuncias-contra-a-china/.

Nosso Site publicou recentemente notícia sobre o lockdown de Shangai que gera um grande descontentamento naquela cidade chinesa, com repercussões por todo o País. https://ipco.org.br/e-a-china-venceu-a-covid-xangai-em-lockdown/

Centenas de milhares de caminhoneiros bloqueados por causa da covid-19 na China. https://www.theepochtimes.com/china-blocks-highways-to-curb-covid-19-30-million-truckers-stranded_4398010.html

Artigo publicado por BitterWinter mostra os 5 fatores de descontentamento na China. https://bitterwinter.org/the-chinese-communist-party-is-really-scared/

Secretário de Estado, Blinken, denuncia o PCCh por genocídio

Informa TheEpochTimes: “O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acusou o Partido Comunista Chinês (PCC) em 12 de abril de realizar genocídio e crimes contra a humanidade ao longo de 2021.“O governo chinês continua cometendo genocídio e crimes contra a humanidade em Xinjiang, contra uigures predominantemente muçulmanos entre outros grupos minoritários”, disse Blinken.”

Blinken fez as observações em um briefing para marcar o lançamento da mais nova edição do Country Reports on Human Rights Practices, um relatório anual publicado pelo Departamento de Estado que cobre questões de direitos humanos em 198 países em todo o mundo.

Blinken disse que o mundo estava enfrentando uma “recessão da democracia” e chamou a campanha em massa de repressão e genocídio do PCC como um exemplo chave do crescente autoritarismo.

Da mesma forma, o relatório descreveu o regime do PCC como um “estado autoritário” e disse que minorias étnicas e religiosas de todos os tipos continuam sendo perseguidas na China continental e nos territórios ocupados pelo regime.

Genocídio e crimes contra a humanidade na China

“Genocídio e crimes contra a humanidade ocorreram durante o ano contra uigures predominantemente muçulmanos e membros de outros grupos étnicos e religiosos minoritários em Xinjiang”, disse o relatório.

“Esses crimes continuaram e incluíram: a prisão arbitrária ou outra privação severa da liberdade física de mais de um milhão de civis; esterilização forçada, abortos forçados e aplicação mais restritiva das políticas de controle de natalidade do país; estupro; tortura de um grande número de detidos arbitrariamente; trabalho forçado; e restrições draconianas à liberdade de religião ou crença, liberdade de expressão e liberdade de movimento”.

Notavelmente, o relatório descobriu que o ataque do PCC a oponentes políticos e minorias religiosas se estendeu muito além das fronteiras da China e incluiu um esforço transnacional para pressionar governos estrangeiros a enviar indivíduos que fugiram de volta para a China.

Especificamente, o relatório disse que o regime estava abusando do sistema de aviso vermelho da Interpol, usado para emitir mandados de prisão internacionais, enviando acusações falsas à polícia internacional na esperança de que as nações repatriassem à força oponentes políticos de volta à China, onde poderiam ser presos.

Relatos de espancamentos e torturas

Ainda segundo a notícia, “o relatório também citou um estudo separado da Anistia Internacional de 2021 que descobriu que o PCC provavelmente executou milhares de indivíduos somente em 2020. Além disso, afirmou que o regime estava sistematicamente envolvido em detenções arbitrárias, desaparecimentos forçados e assassinatos.”

“Vários ex-prisioneiros e detentos relataram que foram espancados, estuprados, submetidos a choque elétrico, forçados a sentar em bancos por horas a fio, pendurados pelos pulsos, privados de sono, alimentados à força, forçados a tomar medicamentos contra sua vontade e de outra forma submetidos a abusos físicos e psicológicos”, disse o relatório.

“Embora as autoridades prisionais tenham abusado de prisioneiros comuns, eles teriam escolhido dissidentes políticos e religiosos para um tratamento particularmente severo”.

Entre os grupos mais visados, segundo o relatório, estavam os praticantes do Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, uma prática espiritual enraizada em exercícios de meditação e nos princípios morais de veracidade, compaixão e tolerância.

A disciplina cresceu em popularidade na década de 1990, resultando em estimativas de até 100 milhões de pessoas praticando. Mas o regime comunista, considerando isso uma ameaça, lançou uma ampla campanha de perseguição contra os adeptos do Falun Gong em 1999, que continua até hoje.

***

A notícia se refere especialmente aos grupos religiosos e “particularmente praticantes do Falun Gong” foram caçados pelo PCC e frequentemente detidos sem causa declarada e torturados.

Sabemos, perfeitamente, que o Acordo Vaticano-China não contribuiu para aliviar a perseguição dos comunistas chineses ao catolicismo fiel a Roma.

As declarações do cardeal Zen são contundentes mostrando a perseguição aos católicos, a sacerdotes e bispos que se recusam a filiar-se à igreja patriótica, criada por Pequim

Onde está o clamor internacional para derrubar o regime genocida de Xi Jinping?

Nossa Senhora, imperatriz da China, liberte aquela Nação das garras comunistas do PCCh.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/china-continues-to-commit-genocide-and-crimes-against-humanity-blinken_4399482.html

Deixe uma resposta