Nesta época de um omnímodo relativismo religioso, moral, político, social, cultural, etc., certezas científicas tidas como incontestes – quase as chamaria de “dogmas” – têm sido brandidas para justificar a necessidade imperiosa de uma revolução radical na sociedade, nas relações políticas e sócio-econômicas, nas formas culturais e até nos modos de ser e de comportar-se dos indivíduos. Tudo na linha de um crescente estatismo – de uma governança mundial, sugerem alguns – de cunho altamente socialista e nivelador, de um estranho “decrescimento” rumo a uma sociedade eufemisticamente designada como “sóbria” (melhor talvez fosse designá-la de miserabilista).

“Dogmas” espantalhos

Assim como outrora, nas propriedades rurais, os espantalhos eram colocados para afugentar os pássaros que vinham assolar os campos cultivados, esses “dogmas” científicos – como, por exemplo, o “aquecimento global” e sua plêiade de hipotéticas desgraças futuras – se tornam verdadeiros espantalhos a atormentar nossa existência diária e a condicionar nossos comportamentos.

Como muitos de nós não possuímos formação científica suficiente para discernir acertos ou erros de tantas dessas “certezas”, corremos o risco de nos tornarmos joguetes nas mãos de homens e de teorias muito extremadas… e pouco científicas.

Cuidado com os falsos profetas

Por este motivo quis hoje trazer ao conhecimento dos leitores uma matéria estampada no New York Times e reproduzida no caderno de Ciência da Folha de S. Paulo (27.jul.2015). O título é sugestivo: “Relação entre mais calor e doenças não é clara”. E o subtítulo completa a ideia:“No que se refere à saúde, ainda não se sabe se aquecimento global de fato é uma ameaça”.

Na verdade, o “aquecimento global” antropogênico, ou seja, fruto da ação humana, é muito contestado em meios científicos. Diante de certas evidências incômodas, os “aquecimentistas”, jeitosamente, foram mudando seu discurso para “mudanças climáticas”, o que lhes dá um campo de manobra bem mais amplo, pois tudo em tese justifica suas “certezas”.

A história do mundo regista muitas mudanças climáticas, aliás, inerentes ao ciclo vital do Universo. O problema para os “aquecimentistas” é provar que a ação humana gerou tais mudanças. Para evitar comprovações, agitam eles espantalhos de males futuros (secas, doenças, pragas, mortes, etc.). Entretanto, uma vez mais, pesquisas científicas desmentem seus modelos hipotéticos.

Tenhamos, pois, cuidado com aqueles falsos profetas que, em nome de pretensos “dogmas” científicos, nos tentam impingir mudanças sociais, políticas, culturais e até espirituais.

Vamos, então, à leitura do mencionado artigo:

Mudanças climáticas são uma ameaça à saúde humana?

A lógica poderia sugerir que a resposta é sim: o presidente dos EUA, Barack Obama, usa isso para conseguir apoio para tornar as mudanças climáticas o ponto central de seus últimos meses de governo.

Na lista da Casa Branca, os casos de asma vão piorar, as mortes ligadas ao calor aumentarão e o número de insetos transmissores doenças, antes confinadas aos trópicos, também. Mas esses pontos expressam uma certeza que muitos cientistas dizem ser ainda inexistente.

Climas quentes têm efeito na saúde, mas a temperatura é só parte de um conjunto muito complexo de forças.

Por exemplo, as viagens pelo globo e o comércio –e não mudanças climáticas– trouxeram os primeiros casos dechikungunya para a Flórida.

As temperaturas podem estar subindo, mas a quantidade de mortes pelo calor, não. O progresso ajuda na adaptação –o fato de o ar-condicionado estar mais comum e os tratamentos para doenças do coração, por exemplo.

Como afirma Patrick Kinney, diretor do programa de clima e saúde da Universidade Colúmbia, ainda é difícil estabelecer causalidades.

Um estudo comparando Laredo, no Texas, e uma cidade do outro lado da fronteira do México descobriu que a incidência de dengue era muito maior no México, apesar de os mosquitos que transmitem a doença serem mais abundantes no Texas. No Texas, há ar condicionado e janelas que fecham bem, dizem os pesquisadores.

No Canadá, o número de áreas com carrapatos subiu de duas para treze desde 1997. Insetos como carrapatos e mosquitos não podem regular sua temperatura corporal, por isso são muito sensíveis às temperaturas. Mas o número de carrapatos tem aumentado mais ao sul também, como na Virgínia e na Carolina do Norte, e isso parece ter pouco a ver com o clima.

Ben Beard, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, diz que o reflorestamento e o aumento da população de veados e pessoas podem ser mais preponderantes. “Provavelmente não é o clima.”

Mas mesmo falar sobre o calor é complicado. Uma revisão recente da mortalidade por calor nos EUA descobriu que a taxa de mortes relacionadas às altas temperaturas diminuiu para menos da metade dos anos 1987 a 2005.

Em maio, um estudo do “The Lancet” analisou 74 milhões de mortes de 1985 a 2012 em mais de dez países e descobriu que cerca de 8% das mortes foram causadas por temperaturas anormais. Dessas, a taxa de mortes pelo frio (mais de 7%) é muito maior do que a de calor (0,42%).

Riscos para a saúde por causa da mudança climática são fundamentalmente locais. Os perigos do calor são maiores em Nova Deli do que em Nova York, não porque é mais quente na Índia, mas porque menos gente tem eletricidade, casas resistentes e cuidados médicos modernos. O que torna difícil tirar conclusões.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito interessante essa matéria, remete-nos à avaliação da importância do conhecimento e de como a massa ignorante torna-se facilmente objeto de manobra nas mãos de poderosos. Por isso mesmo, no Brasil o conhecimento e todos os que a ele se dedicam são tratados com total desprezo pelo Estado que manipula informações, verdades, mentes e ideologias.

     
  2. O aquecimento global faz parte de um leque de políticas cujo objetivo é que os paises provedores de materias primas e detentores de recursos naturais NÃO PROGRIDAM. O modelo é buscar manter esses paises atrasados e se possivel destruidos. Essas politicas são entre outras a reforma educativa para que as pessoas não pensem e não tenham discernimento. As politicas de freio da natalidade com o planejamento familiar as bodas gay os alimentos hormonados para atrofiar as glandulas sexuais de homens e mulheres e se possivel a gaysificação do feto no ventre da mulher gravida. A destruição dos paises com guerrillas etnicas ou guerrilas de controle de narcoregiões. E manter esses paises como inensas reservas indigenas com a religião ecológica onde a terra é o deus dos homens e muitos outros artificiais inculturamentos ou inculturações promovidos por esses paises desenvolvidos para atrasar e destruir os paises detentores de materias primas

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome