Um milhão de pessoas estão presas em Gulags da China. “Consegui escapar e vou relatar o que realmente acontece nos chamados “campos de re-educação” de Xinjiang” afirma Sayragul Sauytbay, uma professora que conseguiu fugir da China e recebeu asilo na Suécia.

As denúncias sobre os campos de confinamento na China são numerosas (1).

Numa primeira fase, o governo de Xi Jinping negou a existência deles. Numa segunda fase, após a publicação de fotos via satélite, e denúnicias de organizações de direitos humanos, Pequim reconheceu a existência de “campos de re-educação” (sic).

Uma professora nos “campos de re-educação” de Xinjiang

O testemunho de Sauytbay é ainda mais extraordinário, porque durante o seu encarceramento ela foi obrigada a ser professora no campo de re-educação.

“Estocolmo – vinte prisioneiros vivem em uma pequena sala. Eles são algemados, suas cabeças raspadas, cada movimento é monitorado por câmeras de teto. Um balde no canto da sala é o seu banheiro. A rotina diária começa às 6h. Eles estão aprendendo chinês, memorizando canções de propaganda e confessando pecados inventados. Eles variam na idade desde adolescentes até idosos. Suas refeições são escassas: sopa turva e uma fatia de pão”.

“Poucos prisioneiros conseguiram sair dos acampamentos e contar sua história. A China quer passar ao mundo a ideia que seus acampamentos são lugares de programas educacionais e de Retraining vocacional, mas Sauytbay é uma de poucas pessoas que podem oferecer o testemunho documentado, sobre o que realmente acontece nos acampamentos”.

Ela tem 43 anos, uma muçulmana de ascendência cazaque, que cresceu no Condado de Mongolküre, perto da fronteira China-Cazaque. Como centenas de milhares de outros, a maioria deles Uyghurs, um grupo étnico, também caiu vítima da repressão chinesa na província Noroeste de Xinjiang.

 Estimativas ocidentais indicam mais de 1 milhão de confinados

Um grande número de acampamentos foi estabelecido nessa região ao longo dos      últimos dois anos, como parte da luta do regime contra o que é o termo “três males”: terrorismo, separatismo e extremismo. De acordo com estimativas ocidentais, entre um e dois milhões dos residentes da província foram encarcerados nos acampamentos durante a campanha de repressão movida por Pequim.

Relata o entrevistador, David Stavrou: “Eu me encontrei com Sauytbay três vezes, uma vez em uma reunião organizada por uma associação sueca Uyghur e duas vezes, depois que ela concordou em contar sua história para Haaretz, em entrevistas pessoais, que tiveram lugar em Estocolmo e durou várias horas.”

“Sauytbay falava apenas cazaque, e assim nos comunicamos através de um tradutor, mas era evidente que ela falava de uma forma credível. Durante a maior parte do tempo falamos, ela foi composta, mas no auge de seu relato do horror, lágrimas brotou em seus olhos. Muito do que ela disse corroborou o testemunho prévio de prisioneiros que haviam fugido para o Ocidente”.

“A Suécia concedeu o seu asilo, porque, na sequência do seu testemunho, a extradição para a China tê-la-ia colocado em perigo mortal.

Acrescentamos que esse é um dos motivos dos protestos em Hong Kong: uma extradição para a China continental constitui perigo mortal.

* * *

A China tem seus calcanhares de Aquiles. Os protestos em Hong Kong, a repressão à religião, e os campos de confinamento ou re-educação são uma prova de que o governo de Pequim ocupa lugar privilegiado na violação dos direitos humanos.

Se a nossa grande midia nacional fala pouco ou nada sobre isso … desconfie da sua objetividade e seu compromisso com o leitor. É politicamente incorreto noticiar sobre algum fato que possa desgostar Xi Jinping. Afinal, ele é presidente vitalício (ditador,) promove o culto à sua personalidade, e não gosta de ser contrariado. https://ipco.org.br/o-diatatorialismo-e-o-culto-a-personalidade-de-xi-jinping-na-china/

O sequestro e encarceramento de Sayragul Sauytbay no campo de re-educação em Xinjiang, seus “deveres” como professora, sua libertação ficam para outra ocasião.

Por ora, tiremos a lição dos fatos: a China não vive sem os alimentos e a matéria prima brasileira. E a mídia sabe disso … sabe de todas as violações dos direitos humanos, das perseguições (encarceramentos) à leigos, padres e bispos, sabe da destruição recente de igrejas, cruzes, monumentos religiosos … mas não pode dizê-lo.

Fonte: https://www.haaretz.com/world-news/.premium.MAGAZINE-a-million-people-are-jailed-at-china-s-gulags-i-escaped-here-s-what-goes-on-inside-1.7994216

 

(1) Entre outras, as mais recentes

Uyghur refugee describes horror inside Chinese camps – CNN Video

Uyghur refugee tells of death and fear inside China’s Xinjiang camps – CNN

China Is Trying to Silence Uighurs in Europe – The Atlantic

A Secretly Filmed Documentary Exposes A Dystopian Nightmare for Uighur Muslims in China | UN Dispatch

Families of Uighurs Abroad Increasingly Targeted by China | Voice of America

China’s police state goes global, leaving refugees in fear – The Straits Times

China – Silenced . Interview With Serene Fang: Secret Meetings and an Unexpected Arrest . Part 2 | PBS

2 COMENTÁRIOS

  1. […] Nosso site já tratou dos Gulags de Xi Jinping, localizados na região de Xinjiang. Estima-se mais de um milhão de uighures nos “campos de re-educação”.  Agora, a restrição da liberdade política vale, também, para Hong Kong. https://ipco.org.br/os-gulags-revivem-em-campos-de-confinamento-na-china/ […]

  2. […] Nosso site já tratou dos Gulags de Xi Jinping, localizados na região de Xinjiang. Estima-se mais de um milhão de uighures nos “campos de re-educação”.  Agora, a restrição da liberdade política vale, também, para Hong Kong. https://ipco.org.br/os-gulags-revivem-em-campos-de-confinamento-na-china/ […]

Deixe uma resposta