A morte do Pe. Comblin, sacerdote belga residente no Brasil, foi ocasião para um vasto noticiário na imprensa. Considerado um dos pró-homens da teologia da libertação – hoje em franco declínio – interessa conhecer a seu respeito alguns dados históricos relevantes. Nesse sentido, reproduzimos aqui entrevistas e comentários que já fazem parte da história, trazidos à tona pela Agência Boa Imprensa (ABIM) e que lançam luz sobre a personalidade e a atuação do recentemente falecido sacerdote.

***

ComblinO Estado de S. Paulo”, on line (27-3-2011), com o título “Morre padre belga José Comblin, da Teologia da Libertação”, assim inicia o anúncio fúnebre: “Morreu hoje cedo em Salvador o padre belga José Comblin, 88 anos, um dos mais importantes e polêmicos teóricos da Teologia da Libertação, e autor de vários livros, entre os quais A Teologia da Enxada, sobre a vivência cristã e teológica nas comunidades rurais”.

Por sua vez a “Folha de S. Paulo” (30-3-2011), com o título “O padre belga expoente da Teologia da Libertação”, assim inicia artigo sobre o Pe. Comblin: “Em 1968, uma campanha da TFP (Tradição, Família e Propriedade) juntou, de Norte a Sul, um milhão de assinaturas pedindo a expulsão do padre Joseph Comblin”.

Aproveitamos o ensejo para republicar uma entrevista concedida a esta Agência em 1992 por esse expoente da Teologia da Libertação, das Comunidades Eclesiais de Base e da Reforma Agrária no Brasil. O texto foi extraído com base em fitas magnéticas, pertencentes à Agência Boa Imprensa (ABIM), à qual o Padre Comblin, então com 69 anos, prestou declarações confessando o fracasso das Comunidades Eclesiais de Base.

Pe. Comblin (à direita) ao lado de Dom Helder Câmara, em Serra Redonda (PB)

As CEBs estão marginalizadas, fustigadas, fulminadas em todas as partes. Hoje, elas constituem minorias sem projeção no conjunto das igrejas locais. Aqui, todo mundo odeia o PT”.

Serra Redonda [foto ao lado] é um lugarejo no agreste sertão da Paraíba, a 90 km de João Pessoa. Em 1981, sob os auspícios de D. José Maria Pires, Arcebispo dessa capital, e financiado por agências católicas internacionais, lá se instalou o Centro de Formação Missionária (CFM), encarregado de formar “líderes rurais” para as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) de todo o Nordeste.

Excetuada a antena parabólica, que capta sinais de TV via satélite, à primeira vista nada chama a atenção no CFM, um aglomerado de edifícios espalhados, sem muita ordem, por um terreno árido e acidentado. Na casa principal, o parco mobiliário é rústico e de mau gosto. Alguns motivos indígenas enfeitam a sala de visitas. Um ar de melancolia domina o ambiente, não obstante o dardejar inclemente do sol nordestino.

Pe. ComblinA certa distância da entrada desse conjunto de edifícios, seguindo uma trilha no meio da campina, encontra-se um barracão de alvenaria, [foto] que bem poderia servir de garagem para dois automóveis. Rodeado por estantes de livros empoeiradas, ali mora, desde 1983, o teólogo belga Pe. Joseph Comblin, um dos mentores intelectuais da “Teologia da Libertação” na América Latina.

Em 1968, o Pe. Comblin, então professor no Instituto Teológico do Recife, tornou-se tristemente célebre no Brasil, quando um documento de sua lavra, não destinado à publicidade, caiu nas mãos da grande imprensa brasileira. Até hoje não se sabe de que modo isso se deu. Porém, uma vez conhecido, estarreceu a opinião pública.

Tratava-se de estudo reservado, que deveria servir de subsídio à Conferência do Celam, realizada em Medellin naquele mesmo ano. Em linguagem clara e sem rodeios, o Pe. Comblin preconizava, como meios válidos para derrubar as estruturas sociais vigentes, a revolução na Igreja, a subversão de todos os poderes constituídos no País: a derrubada do Governo, a dissolução das Forças Armadas, a instituição de uma ditadura socialista férrea, esteada em tribunais de exceção, e aparelhada para reduzir ao silêncio –– pelo terror –– os descontentes.(1)

Pe. Comblin pregando para membros de uma CEBs, num palanque maior que a parte ocupada pelo público

Um quarto de século após aquele evento, a Agência Boa Imprensa (ABIM) foi entrevistar, com exclusividade para Catolicismo, esse propugnador de uma revolução marxista radical. Encontrou-o cético em relação ao trabalho das CEBs e desiludido com os atuais rumos da Igreja, embora continue aferrado aos velhos chavões marxistas, sobreviventes na “Teologia da Libertação”.

ABIMNa década de 80, falava-se muito das CEBs. Hoje quase já não se fala delas. O que houve? Diminuiu a sua influência?

Pe. COMBLIN – As massas populares dos anos 80 se orientaram para a ilusão da democracia, mas as suas reivindicações sociais e econômicas se enfraqueceram e continuam se enfraquecendo, porque o peso das massas populares está diminuindo em todos os países da América Latina, inclusive no Brasil. As CEBs também sofreram o impacto deste enfraquecimento geral.(2)

A desindustrialização arrefeceu muito a força da classe operária, que cedeu lugar ao setor de economia informal. Neste mundo da economia informal, em que cada um se arranja por si, as CEBs se enfraqueceram, pois foram elaboradas para atuar junto às massas operárias.

ABIMMas os desempregados que ingressaram na economia informal não seriam mais sensíveis às reinvidicaçóes sociais, justamente porque estão desempregados? Isso não aumentaria o campo de atividade das CEBs?

Pe. COMBLIN – Não! Estes desempregados se identificam com o Collor de Mello! Eles têm outra perspectiva da sociedade. Para eles, o clientelismo é a solução. Não é a reinvindicação. Quer dizer, o trabalhador, uma vez sindicalizado e trabalhando numa fábrica, identifica-se com o Partido dos Trabalhadores (PT). Este mesmo operário, uma vez desempregado, vira do Collor. O paulista então se transforma em malufista… Hoje, a imensa maioria da população é clientela do malufismo! E é claro que este não é o pessoal que as CEBs visam atingir.

ABIMHá na Igreja oposição doutrinária à atuação das CEBs?

Pe. COMBLIN – No campo doutrinário não existe oposição. O problema é que as CEBs são re-absorvidas dentro do sistema paroquial. Com o tempo, se transformam em sucursais das paróquias, tornam-se inofensivas e perdem sua identidade. Vira reunião de velhinhas, que não leva a nada.

No plano original, as CEBs foram concebidas para ser um fermento, um fator de transformação social e econômica. Se elas se contentam apenas em fazer o trabalho paroquial –– a catequese das crianças, a preparação para a primeira comunhão, para o Batismo, etc –– elas perdem a força. Este tipo de trabalho não cria nenhum problema, não leva a nada. Para isso não precisa haver CEBs, que é a expressão socializada e politizada da Igreja.

Mesmo nas dioceses mais comprometidas, se verifica hoje um menor interesse pelo social. Roma não está preocupada com estas coisas, mas sim com os problemas de disciplina interna, coisas de terceira ou quarta categoria.

Ao lado das reivindicações sociais, as questões ligadas à ortodoxia e ao catecismo são bem secundárias. Como resultado disso, as CEBs estão marginalizadas, fustigadas, fulminadas em todas as partes. Hoje, elas constituem minorias sem projeção no conjunto das igrejas locais.

ABIM Por que o senhor mora em Serra Redonda, quando poderia ser professor na Europa?

Pe. COMBLIN – Eu poderia ensinar num seminário tradicional, mas não vejo muita saída por aí, porque lá só se repetem coisas já sabidas, e não adianta dedicar meus últimos anos de vida para repetir as coisas de sempre.

Aqui pelo menos gozo de liberdade para criar o novo, coisas que podem ser de pouca importância a curto prazo, mas que poderão trazer elementos novos para tempos novos.

No mundo rural, tem-se mais liberdade de buscar e experimentar como será o futuro. Se fosse na cidade, os vigários se sentiriam feridos nos seus direitos, pois alguém viria mexer no feudo deles.

Porque o sistema clerical da Igreja Católica é um sistema medieval, que persevera pela rotina de um atavismo, mas não tem futuro. Forma uma classe que dispõe de todos os poderes, uma classe privilegiada, um verdadeiro sistema feudal. Isso não pode ter futuro. Onde compensar isso? Onde gerar o futuro? Só num lugar onde este sistema feudo-clerical é tão fraco ou quase inexistente!

Pe. Comblin é autor do livro “A Teologia da Enxada”

ABIMComo seria uma Igreja “não-feudal”?

Pe. COMBLIN – As comunidades deviam ter participação na escolha de seus dirigentes. Atualmente tudo é de cima para baixo. Por que o povo não pode participar da escolha dos Párocos, dos Bispos e do Papa? Por que o Papa tem de ser escolhido apenas por alguns Cardeais?

Se há um Bispo que não convém, que se faça um processo de impeachment para tirá-lo do cargo! Por exemplo, lá no Recife por que não abrir um processo de impeachment contra D. José Cardoso Sobrinho, que de tal maneira se mostrou incapaz de governar a igreja local?

Seria, portanto, a democratização total da Igreja para se eliminar os estigmas feudais que na sociedade civil já foram eliminados. A soberania, mesmo dentro da Igreja, reside no povo.

ABIME como fica o dogma da infalibilidade do papa?

Pe. COMBLIN – Infalibilidade! Esta palavra não é muito feliz [sic!]. Mas que seja algo de última instância, último recurso, levando-se em conta, por exemplo, uma Câmara de Deputados: quando há empate, o Presidente então desempata. A infalibilidade é um desempate final…

ABIME Pio IX proclamando sozinho o dogma da Imaculada Conceição?

Pe. COMBLIN – Pois é … Isso é um ato de autoritarismo! Tem-se de conhecer primeiro o que o povo deseja. Se não há unanimidade, deve-se esperar que ela se forme. A história não tem pressa! Atualmente, todo governo é plural. Uma pessoa só para tomar as decisões nunca dá certo.

ABIM Quais as experiências em gestação no Centro de Formação Missionária?

Pe. COMBLIN – Temos várias. Esta casa forma missionários leigos, que se dedicam à organização de Comunidades Eclesiais de Base. Aqui, eles têm dois anos de formação básica. Depois, em grupos de quatro, passam a conviver nas comunidades rurais para adquirir os costumes, os modos de ser e de pensar do povo. Do contrário, provoca rejeição.

Trata-se de mostrar que se é inofensivo, que não se vem para destruir nem roubar. Se logo utilizarmos nosso vocabulário, que o povo não entende, cria-se resistências e se afasta o povo. Este foi o erro do PT. Aqui, todo mundo odeia o PT por isso. As massas populares têm medo do PT. Dizem: “Esses do PT são ladrões! Vêm para roubar a terra dos donos”.

Justamente por falta de inculturação.

ABIM Tem havido sucesso nesse trabalho?

Pe. COMBLIN – Bem, o sucesso é naturalmente pequeno porque somos poucos. Mas nos lugares em que os missionários estão trabalhando se nota que o povo se transforma e se dinamiza.

***

NOTAS:

1. O “Documento Comblin” deu ensejo a que a TFP brasileira desencadeasse a campanha a que nos referimos em quadro abaixo. Denunciada pela TFP, de modo tão eficiente e com tamanho impacto, essa ameaça clérico-marxista que pesava sobre a Nação, a corrente progressista radical teve que encolher as garras. O Pe. Comblin,após a campanha promovida pela Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade –– não encontrando clima para prosseguir seu trabalho no Instituto Teológico do Recife, passou vários anos no Exterior.

2. O Pe. Comblin, ao explicar as razões do declínio das CEBs em nossa Pátria, omite uma que se reveste de grande importância. Trata-se da pujante campanha –– de âmbito nacional, promovida pela Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade –– que difundiu a obra “As CEBs… das quais muito se fala, pouco se conhece –– a TFP as descreve como são” (ver quadro no final).
______________________

Mensagem da TFP a Paulo VI

No dia 21 de junho de 1968, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, na qualidade de Presidente do Conselho Nacional da TFP, dirigiu carta pública ao então Arcebispo de Olinda e Recife, D. Helder Câmara, pedindo medidas enérgicas contra as atividades subversivas do Pe. Joseph Comblin, na época professor do Instituto Teológico daquela Arquidiocese.

A referida carta foi publicada em 16 jornais e distribuída à população de 25 cidades, de Fortaleza a Porto Alegre, causando forte impacto na opinião nacional. Até então, o público brasileiro desconhecia a profundidade da infiltração comunista nos meios eclesiásticos.

O “Documento Comblin” deu ensejo a que a TFP brasileira desencadeasse, a partir de 17 de julho de 1968, uma campanha de coleta de assinaturas para uma Mensagem a Paulo VI, pedindo respeitosamente medidas eficazes contra tal infiltração. Em 58 dias de campanha, 1.600.368 brasileiros de 229 cidades de 21 Unidades da Federação haviam assinado as listas apresentadas pela TFP.

O abaixo-assinado da TFP teve repercussão internacional. A conhecida revista norteamericana “Time” comentou na ocasião: “A facilidade com que a TFP coletou as assinaturas reflete o fato de que a maioria dos latino-americanos aprova ou pelo menos tolera o conservadorismo católico” (“Time”, 23-8-68).

As TFPs co irmãs da Argentina, do Chile e do Uruguai promoveram abaixo-assinados semelhantes ao da TFP brasileira. Depois de meticulosa recontagem, o impressionante total de 2.025.201 assinaturas colhidas nas quatro nações pôde ser entregue, em microfilmes, ao Vaticano, no dia 7 de novembro de 1969. Causando grande perplexidade aos signatários da Mensagem, Paulo VI não respondeu.
____________________________
Contra o V poder emergente, a denúncia da TFP

As CEBs (Comunidades Eclesiais de Base) são pequenos grupos de caráter religioso geralmente engajados no empreendimento de “reformar a Igreja e o Brasil”. Constituem elas uma “cruzada política” –– uma cruzada sem Cruz –– que lança uma minoria fanática de prosélitos em agitações de rua, em invasões de propriedades rurais e urbanas. Seu objetivo é a luta de classes e a instauração do “modelo cubano” em nosso país, através de uma revolução comunista.

No início dos anos 80, a mídia vinha apontando as CEBs como a grande potência emergente no campo eleitoral brasileiro, a qual iria levar de roldão as eleições de novembro de 1982. Por isso, dizia-se que, ao lado dos três poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) e do chamado IV poder (a mídia), surgira um V poder paralelo que visava instrumentalizar o Estado brasileiro: as CEBs!

Contra este novo Leviatã encastelado no seio da Igreja, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, e os irmãos Gustavo e Luiz Solimeo escreveram a obra As Cebs… das quais muito se fala, pouco se conhece –– a TFP as descreve como são (Editora Vera Cruz, São Paulo, 6 ediçóes, 72 mil exemplares).

A divulgação do livro começou em agosto de 1982, e rapidamente se estendeu em diversas capitais e 1.510 cidades de todos os Estados da Federação. Desde então, as CEBs, vulneradas a fundo, nunca mais se restabeleceram do impacto esclarecedor causado na opinião pública pela campanha da TFP.

Neste sentido, vem a propósito aduzir pronunciamento insuspeito do próprio sacerdote belga, Pe. Joseph Comblin, por ocasião do Congresso “Fé e Secularismo”, realizado no verão do corrente ano no palácio do Escorial, em Madri: Entre 1972 e 1982 as CEBs estavam no seu auge, mas a partir deste último ano começou o seu declínio, que se consumou em 1985”!
____________________________
A Igreja Católica foi fundada diretamente pelo Divino Salvador.

Tudo aquilo que nela foi instituído por Ele, sendo de origem divina, não pode ser modificado pelos homens. E esses elementos não sofrem a variação do tempo e podem se modificar com as tanssformações sociais, culturais ou políticas da sociedade civil. “Cristo quis que a Igreja, que é unida pela caridade, em sinal e como penhor dessa unidade, fosse uma monarquia e designou a São Pedro (e seus sucessores) como detentor dessa suprema potestade” (Pe. Ludovico Lercher, S. J., Institutiones Thologiae Dogmaticae, Herder, Barcelona, 1945, t.1, p. 163).

A Igreja, portanto, não pode deixar de ter uma forma monárquica, e o Papa deverá ser seu chefe supremo. As correntes igualitárias protestantes, e mais tarde a dos modernistas (hereges condenados por São Pio X, no começo deste século) quiseram abolir essa monarquia papal, contrariando assim, de forma expressa, os desígnios de Nosso Senhor, O qual disse a São Pedro: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt. 16, 18).

Fonte: http://agenciaboaimprensa.blogspot.com/

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTrês representações e uma extravagância
Próximo artigoHoje se troca criança por cachorro… e amanhã?
Agência Boa Imprensa
A Agência Boa Imprensa — orientada pelo ideal evocado pela cruz de seu logotipo — envia seus boletins noticiosos a jornais de norte a sul do Brasil e do exterior desde 1953. Com um jornalismo diferente, a ABIM procura apontar aquilo que muitas vezes é ocultado ou interpretado tendenciosamente.Além de análises e apreciações, nosso noticiário pretende despertar apetências do Brasil profundo, ou seja, daquele setor de nosso público que pauta sua vida nas expressões culturais da tradição cristã e procura repouso em meio às agitações modernas.

8 COMENTÁRIOS

  1. LI os comentários infundados de alguns leitores acerca da Teologia da Libertação. Bem se ver q nunca leram as obras de Leonardo Boff,Clodovis Boff e Frei Beto,pois são recheadas de um humanismo contagiante. Sobretudo Igreja, Carisma e Poder em q o autor coloca em xeque a hierarquia católica q,muitas vezes,não leva em consideração a Igreja Povo de Deus.Percebe-se claramente q muitos não leram Puebla,Medellín e o Vaticano II,documentos q foram essenciais para refrescar o clero católico. Acusar a Teologia da Libertação de marxista ,é no mínimo desconhecer a opção preferencial pelos pobres os quais hj parece ter sido colocada em segundo plano pela hirarquia de nossa Igreja. Movimentos conservadores q têm transformado as missas em cultos protestantes nada tem de renovadores. Na verdade ao se intitularem renovação transformam-se num grande paradoxo.

  2. Passemos por muitas mudanças dentro e fora Igreja, como disse Gamaliel, devemos esperar, porque o que é de Deus subsiste e o que é do mundo dissipa. Onde está a Cebs e onde está alguns movimento que surgiu e sumiu. Agora perguntamos aos contrários a RCC, como vai a RCC? Vitoriosa e propagadora do Evangelho. A RCC só não cresceu mais, devido a resistência de alguns padres…

  3. Ja foi tarde, prestou um desserviço à Igreja Católica, um herético de carteirinha, acho até que ja era apóstata, minha amiga ouviu da boca dele que a Virgem Maria não era virgem. Nunca pensei que esse instituto fosse da espaço para propaganda desse apóstata.

  4. Pe. Comblim foi um profeta atual. Da mesma forma que o mestre Jesus Cristo foi incompreendido, censurado, caluniado. Um homem inspirado pelo Espírito de Deus. Basta ver sua vida, suas obras, seu testemunho. Imbatível – um João Batista de nossos tempos.
    Castel

  5. QUANDO NA MATERIA O PE. COMBLIN FALA QUE A IGREJA VIROU REFUGIO E ENCONTRO DE VELHINAS… A CULPA PODE SER DA PROPRIA IGREJA. NA MINHA EPOCA OS PADRES VISITAVAM AS ESCOLAS,TINHA PADRES PROFSSORES,IRMÃNS PROFESSORAS. HOJE JA NÃO SE VE MAIS ISSO.SERÁ QUE É PROIBIDO ELES EXERCEREM ESTAS ATIVIDADES,HOJE EM DIA? TALVEZ SERIA A SOLUÇÃO PARA DIMINUIR A VILOENCIA NAS ESCOLAS,ENTRE ALUNOS E PROFEESSOREES.QUANTO AO PT; SEM COMENTARIO,É TEMPO PERDIDO. POIS DIZER QUE ANARQUIA É DEMOCRACIA E O POVO ACEITAR,AH ! PARA SÔ ! É O CUMULO !!!!!

  6. Teologia da Libertação
    É um nome impróprio para se propagar o ideal Comunista Revolucionário. Concordo num ponto, que realmente dever-se-ia celebrar o Santo Sacrifício da Missa para homenagear, louvar e adorar nosso Deus que gosta disso. E depois reunirem-se as pessoas para se conhecerem e fazerem algo pelo local e outros grupos se reunirem para propor ações mais abrangentes. Esta é uma profecia de Cristo em S.Jo 17, 20ss que é o Seu Último desejo antes de entrar no Horto das Oliveiras, que nós sejamos uma UNIDADE PERFEITA!

    JESUS quer sim que dialoguemos, discutamos e reivindiquemos nossos direitos, mas não puxar o saco do PT como se ele fosse a única solução e depois falar mal de bispos, de papas porque erraram nisto e naquilo! E entrou no campo da infabilidade papal questionando o papa Pio IX que não deveria ter proclamado o dogma da Imaculada Conceição como se uma verdade de fé deva ser aplaudida, discutida e votada pela maioria! É um coitado. Não foi um verdadeiro padre, nem revolucionário e não sendo confuncionista criou foi é muita confusão, mas nada de bom efetivamente!

    O cristão que fala em luta armada não conhece o significado dos ensinamentos do próprio Cristo que se quisesse revolução e a apoiasse teria feito em sua época e não ao contrário se insurgido contra a violência de São Pedro ao defendê-lo com uma espada. Em outra ocaisão ensinou-nos a perdoar, a dar a outra face. Temos que lutar pelos nossos direitos e muito, mas não fazer revolução social como fez a sra. digníssima presidenta da. Dilma Roussef do PT e seus correligionários.

  7. Uma página da história da luta anticomunista no Brasil. De um lado o reformador Pe. Comblin apoiado pelo arcebispo vermelho D. Helder de outro a maior força anticomunista de todos os tempos a TFP fundada por Plinio Corrêa de Oliveira. Vitória indiscutível das ações deste
    último. Mas, o erro maior, penso eu, é a reforma sugerida pelo falecido Pe. Comblin que é a democratização da Igreja contrária à forma instituida por Nosso Senhor Jesus Cristo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome