Por que a China não vacinou os médicos? Nem a população?

0

A China exporta suas vacinas e fechou acordo com o Instituto Butantan. O governador João Doria é fogoso propagandista da CoronaVac. Fica sempre a pergunta: por que a China não vacinou seu corpo médico, sua populaçao e prefere exportar suas vacinas?

Police and workers arrange buses to evacuate all residents from a neighborhood in Huangpu district to quarantine centers in Shanghai, on Jan. 21, 2021. (STF/AFP via Getty Images)

Além disso, as notícias vão sinalizando novos focos de contágio. Apesar da China ter um rigoroso controle sobre notícias … que possam prejudicar sua imagem internacional, não há mais como esconder a realidade.

Xangai, o centro financeiro da China anunciou um novo surto de vírus de Wuhan em 21 de janeiro que inclui dois funcionários de hospital.

“Enquanto os dois hospitais onde os funcionários trabalham foram temporariamente fechados, todos os hospitais da cidade foram obrigados a realizar testes de ácido nucléico para COVID-19 em todos os seus funcionários.”

Por que a China não vacina o seu corpo médico? A notícia informa que todos vão realizar o teste covid-19 e repetir a operação semanalmente. Se a vacina é eficaz por que a China não a aplica em seus médicos, enfermeiros e funcionários hospitalares?

Observe o leitor que a China tem um índice de recuperação abaixo da média mundial e abaixo do Brasil. Nosso Recovery Rate é 97,26% enquanto a China apresenta 94,68%. https://www.worldometers.info/coronavirus/country/china/

***

Embora todos os funcionários do hospital tenham sido testados para COVID-19 pelo menos uma vez por mês, aqueles que cuidam de pacientes com COVID-19 devem ser testados semanalmente.

“Enquanto isso, a província de Shanxi, no norte, anunciou um novo surto na cidade de Jinzhong. As autoridades locais indicaram que os pacientes haviam visitado recentemente a província de Hebei, marco zero do mais recente ressurgimento do vírus na China.”

Volta o bloqueio severo e centros de quarentena

“As regiões do norte de Heilongjiang, Jilin, Hebei e Pequim continuaram a detectar novas infecções.”

Em 21 de janeiro, as autoridades bloquearam o bairro e transferiram todos os residentes para centros de quarentena. A maior área onde o composto está localizado foi designada como de “risco médio” para contrair o vírus.

Os residentes da área não estão autorizados a viajar para outras partes do país. Caso necessite de viagem para atendimento de emergência, deverá apresentar resultado negativo do teste COVID-19 realizado nos sete dias anteriores.

O governo local não disse por quanto tempo as restrições durariam.

Pessoas que vivem em complexos residenciais vizinhos também foram obrigadas a fazer os testes COVID-19.

“A polícia e os trabalhadores providenciam ônibus para evacuar todos os residentes de um bairro no distrito de Huangpu para centros de quarentena em Xangai, em 21 de janeiro de 2021.”
“A província de Shanxi, no norte da China, anunciou novas infecções nos municípios de Jinzhong e Yuncheng.”

Pretexto contra a Religião

“A mídia estatal Xinhua citou o vice-premiê chinês Sun Chunlan em um relatório de 19 de janeiro que afirma que o surto em Hebei foi devido a um encontro religioso. Ele ordenou que as autoridades de Hebei persuadissem as pessoas a mudar seus costumes religiosos.”

Embora as especulações recentes nas redes sociais chinesas se concentrem nas alegações de que padres católicos da Europa e dos Estados Unidos trouxeram o vírus para Hebei, o diretor do escritório de assuntos religiosos e étnicos de Shijiazhuang, Li Zhanling, disse em uma entrevista coletiva em 9 de janeiro que o surto não tinha conexão com atividade religiosa.”

***

Deixe uma resposta