A Inglaterra deve voltar à Casa Paterna, ou seja, à Igreja Católica

“De vez em quando, alguém de uma relação sanguínea mais próxima ou mais distante da rainha Elizabeth se torna católica e, ao fazê-lo, é removida da “linha de sucessão””.

“Recentemente, foi a vez da princesa Alexandra de Hannover, que aos 19 anos adotou a religião católica de sua mãe. A princesa Alexandra tem uma relação muito mais próxima com as casas de Hannover e Mônaco do que com a Casa de Windsor da Grã-Bretanha.

Lord Nicholas Windsor, converteu-se em 2001

“Um pouco mais próximo do trono britânico estava Lord Nicholas Windsor, que foi recebido na Igreja em 2001; ele deu uma entrevista ao LifeSiteNews em 2011. Os católicos são excluídos da linha de sucessão pelo Ato de Assentamento de 1701”. (1)

***

A ilha dos Santos – Comentários do Prof. Plinio

“Antes de Henrique VIII, a Inglaterra era um dos mais sólidos baluartes da Igreja Católica. Em toda a vida intelectual, artística, política e social, a influência dos princípios católicos era profunda. O número de Santos nascidos em território inglês foi tão grande que a Inglaterra chegou a chamar-se a “Ilha dos Santos”.

“Características particularmente salientes desse vigoroso espírito católico eram exatamente o apego profundamente sincero do povo à autoridade do Rei e, ao mesmo tempo, a altivez com que o mesmo povo se insurgia contra todas as tentativas da Coroa tendentes a transformar a monarquia em tirania.

Respeito à autoridade e amor à justiça

“A luta dos ingleses por suas liberdades, luta que foi tão desfigurada pelos historiadores acatólicos, traz o estigma característico do espírito católico: um grande respeito à autoridade e um grande amor à justiça. Amantes da autoridade, os ingleses, antes de Henrique VIII, nunca chegaram a tentar a destruição da monarquia, mesmo quando lutavam pela sua liberdade. Amigos da justiça, sempre reivindicaram seus direitos sem que seu respeito à autoridade lhes tolhesse a liberdade de ação.

“A História medieval inglesa não conhece a maior parte das abominações que conheceu a História da França, da Alemanha ou da Itália no mesmo período (abominações que, seja dito de passagem, são insignificantes perto das que assiste o mundo contemporâneo).

O Feudalismo inglês

As “jaqueries”, em que os camponeses queriam exterminar os senhores feudais, as revoluções em que os nobres queriam exterminar a realeza, e as lutas em que a realeza procurava aniquilar os direitos do povo e da nobreza, tiveram na Inglaterra um aspecto imensamente mais benigno e mais razoável. O feudalismo inglês, modelo admirável de inteligência administrativa, foi o mais perfeito regime político da Europa medieval. É nele que se deveria estudar a verdadeira história do feudalismo.

Nas lutas dos barões e do povo com os reis, as desinteligências existentes a respeito do governo da Inglaterra acabaram por se resolver definitivamente. E surgiu, com o bafejo da Igreja, a estrutura política mais firme que a Europa tenha conhecido até hoje”. https://www.pliniocorreadeoliveira.info/LEG361213_OCasodeEduardodeWindsor.htm

Os católicos são os alvos da lei de exclusão aprovada após a Revolução Inglesa de 1688 (chamada por seus apoiadores de Revolução “Gloriosa”), que viu a derrubada do rei católico James II (foto).

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/princess-becomes-catholic-loses-her-place-in-britains-line-of-succession

Deixe uma resposta