Um dos fatos mais importantes, no cenário internacional — silenciado pela Midia — é o gradual despertar da letargia ocidental face ao perigo do comunismo chinês (leia-se PCCh).

A desconfiança generalizada, no Mundo Livre, em relação ao PCCh (que não se confunde com o povo chinês) tomou corpo com o mau gerenciamento do surto inicial do vírus de Wuhan. As interrogações permanecem profundas com a origem do vírus e a culpabilidade da China.

A isso se somam as constantes denúncias de violação dos direitos humanos, perseguição religiosa, campos de treinamento forçado entre outros.

Escreve BitterWinter: “Ingenuidade, ignorância e passividade têm sido as marcas do Ocidente em suas negociações com a China ao longo dos séculos, e isso deve parar, de acordo com especialistas que se reuniram recentemente para construir uma estratégia para negociações futuras com a superpotência.”

Sobre a reação, na maior superpotência, havíamos publicado:  “Os EUA não serão mais passivos em relação à China, afirma um conselheiro da Casa Branca Robert O’Brien: “Os dias de passividade e ingenuidade americana em relação à República Popular da China terminaram””.

***

Advertências de Rahima Mahmut, no Congresso Mundial Uighur

A Representante do Reino Unido no Congresso Mundial Uighur, Rahima Mahmut, ela mesma uma Uighur exilada, advertiu “as democracias ocidentais de que elas deveriam estar atentas à “mentalidade e estratégia” do PCCh. Ela citou o ditado chinês: “se você conhece seu inimigo como você, você vencerá uma guerra de 100 anos.”

“Os pensamentos e a filosofia de Sun Tzu, juntamente com os da antiga coleção chinesa de artifícios e estratégias para lidar com o conflito conhecido como os “36 estratagemas”, permearam a cultura chinesa na política, negociações e comportamento empresarial desde tempos imemoriais. A mentalidade do mundo democrático ocidental e a do PCC não poderiam ser mais distantes, ela aconselhou.”

Bem exatamente o que pensamos: são duas mentalidades opostas, a do PCCh, que governa ditatorialmente a China e de outro lado o Mundo Livre, especialmente o Ocidente Cristão que deveria pautar-se pelos princípios de Nosso Senhor.

Lembra o Prof. Plinio: o comunismo é “uma seita filosofica atéia, materialista e hegeliana, a qual deduz dos seus errôneos princípios toda uma concepção peculiar do homem, da economia, da sociedade, da política, da cultura e da civilização;
uma organização subversiva mundial: o comunismo não é apenas um movimento de caráter especulativo. Pelos imperativos de sua própria doutrina quer ele tornar comunistas todos os homens, e amoldar inteiramente segundo os seus princípios a vida de todos os povos. Considerada neste aspecto, a seita marxista professa o imperialismo integral, não só porque visa a imposição do pensamento e da vontade de uma minoria a todos os homens, mas ainda porque essa imposição atinge o homem todo, em todas as manifestações de sua atividade.” (baixe o pdf gratuitamente)

Continua BitterWinter: “Nunca pode haver muita decepção na guerra”, disse Sun Tzu, observou ela, acrescentando que os “36 estratagemas” eram “baseados em trapaças e enganos” e recomendou que os políticos que desejam lidar com a China os leiam e estudem . Ela citou a acadêmica chinesa Rosalie Tung dizendo que o engano era tradicionalmente uma parte aceita das práticas de negócios asiáticas. “Um dos doze princípios que norteiam as práticas de negócios asiáticas é se envolver em engano para obter uma vantagem estratégica”, disse ela.”

China Daily e os “36 estratagemas”

Cover of a modern edition of the “36 Stratagems.”
Capa de uma edição moderna dos “36 Estratagemas”

O artigo de BitterWinter comenta o “impulso online do China Daily em meados de novembro, para promover os próprios “36 estratagemas” referidos por Rahima Mahmut, em formato de vídeo, usando o “poder brando do Kung Fu” para atrair o público ocidental.”

“Esconda uma adaga com um sorriso”,

“mate com uma faca emprestada”,

“roube as vigas e as substitua por madeira podre”

e “prepare-se para avançar por um caminho enquanto toma outro”

são uma amostra de algumas das táticas que aguardam os desavisados ​​ocultos no arsenal do PCC.”

Conselhos de ordem prática

“Só quando você entende seu rival, sua mentalidade muito profunda e suas estratégias, você pode ter uma estratégia melhor para combatê-lo”, concluiu Rahima.

Continua o artigo: “O relatório CRG (Grupo de Pesquisa da China) visa, em essência, fornecer um “kit de ferramentas de opções políticas” para responder a um Partido Comunista Chinês mais assertivo e despertar a discussão sobre algumas das diferentes ações que democracias liberais como a Grã-Bretanha podem tomar, individual ou coletivamente, a fim de para encorajar o governo chinês a se curvar à ordem internacional baseada em regras.”

“O relatório exorta as nações democráticas a recuarem (no modo ingênuo) ao lidar com a China e a combater de forma robusta as violações dos direitos humanos e do direito internacional. Deve haver incentivos e dissuasores, que “devem incluir repercussões substantivas para incursões à democracia e aos direitos humanos”. O combate às violações dos direitos humanos universais internacionais, em particular em Hong Kong e Xinjiang, não deve ser evitado.”

“As nações democráticas não têm sido pró-ativas no enfrentamento desse desafio à ordem internacional baseada em regras”, lamentou o relatório, que apresentou uma série de propostas gerais para lidar com serviços financeiros, direito internacional, comércio, cadeias de suprimentos, infraestrutura investimentos e sistemas de informação em face do crescente poder econômico e político da China.”

A Coalizão D10 contra violação de direitos humanos, trabalho escravo, hardware

O Relatório “discute uma série de idéias, a chave para as quais seria a formação de uma coalizão D10 de democracias para contrabalançar e desafiar a influência chinesa.

“Eles incluem sanções contra violadores dos direitos humanos, medidas postas em prática para garantir que as cadeias de abastecimento estejam livres de trabalho escravo ou infantil de prisioneiros políticos e minorias étnicas perseguidas na China, proibição de exportação de produtos e serviços de países democráticos como o Reino Unido para a China provavelmente serão usados ​​para vigilância em massa e violações dos direitos humanos pelo PCCh, e para a implementação de verificações mais rígidas na compra de hardware chinês e maior monitoramento de empresas que poderiam ter ligações com o governo ou o exército chinês.”

Aqui entram de cheio as constantes denúncias contra a Huawei 5G por suas ligações com o Exército do Povo. Só a Huawei?

Ex ministro das Relações Exteriores da Austrália: libertar-se da dependência doentia

Alexander Downer, ministro das Relações Exteriores da Austrália de 1996–2007 disse que a conduta da China “nos últimos dois anos foi lamentável , mas estava tendo o efeito positivo de unir os países ocidentais. Ele pediu que se unissem, entendessem a estratégia da China e se libertassem da dependência doentia da superpotência.”

“O Ocidente deve defender seus valores”, disse ele, pressionando por declarações conjuntas sobre Hong Kong e outras questões de direitos humanos, para envergonhar a China a reconsiderar sua posição. Ele disse que a chamada “Era de Ouro” das negociações com a China acabou e o tempo para negócios como de costume e simplesmente vê-lo como um “mercado conveniente para vender Landrovers” deve parar.

Nathan Law um dos jovens ativistas pela democracia mais proeminentes de Hong Kong, agora exilado na Grã-Bretanha, apontou a experiência do PCC em dividir para conquistar e inclinação para buscar pontos fracos em alianças. À luz disso, o Ocidente deve “aumentar a colaboração”, implorou. “Precisamos de engajamento, mas não de apaziguamento.”

O PCCh tem o comando das grandes empresas chinesas

“O CCP tem o comando de cada uma de suas instituições e grandes empresas que lidam com o Ocidente, disse Law. “Seu controle é avassalador e domina tudo”, destacou, exortando o mundo a despertar para sua tática e para o final do jogo que é a supremacia. Ele avisou que o PCCh abre seu caminho insidiosamente em infraestruturas, negócios e educação. “A Frente Unida da China está tentando silenciar o debate”, aconselhou.

Uma justa queixa contra governos ocidentais

A líder uighur, “Rahima deu as boas-vindas ao relatório do CRG e espera que seja um incentivo global à ação. “Durante anos, ninguém nos defendeu. O governo Obama: nada. O governo David Cameron: nada. Angela Merkel: nada. Theresa May: nada ”, lamentou. Mas o governo Trump, disse ela, deu esperança aos uigures. “Sob Trump, o secretário de Estado, Mike Pompeo, seguiu uma linha agressiva na China, o que nos deu esperança. Pela primeira vez, nossos opressores estavam sendo sancionados e ações reais estavam sendo tomadas para impedir que as empresas adquirissem bens feitos com trabalho escravo uighur.”

Um genocídio contra o Uighures

“Em um artigo de opinião no jornal The Independent na semana passada, citando documentos de alto nível do governo chinês que vazaram no ano passado, citando o próprio Xi Jinping dizendo que (com) os uigures deveriam ter “absolutamente nenhuma misericórdia”. “A mídia estatal da China é ainda mais explícita sobre o que deve ser feito aos uigures”, disse Rahima, conclamando o governo a “romper sua linhagem, romper suas raízes, romper suas conexões e romper suas origens”. Ela apontou para o The Washington Post, que concluiu em um editorial: “É difícil ler isso como outra coisa senão uma declaração de intenção genocida.”

“Mas, disse Rahima severamente, “é uma questão de trauma severo para nós que a comunidade internacional não esteja disposta a agir sobre isso, apesar das evidências claras de que o PCCh quer destruir nosso estilo de vida.””

***

A conclusão da uighur exilada, Rahima, afirmando que a omissão da comunidade internacional constitue “um trauma severo para nós” deveria ser objeto de mea culpa da ONU, dos governos europeus, do mundo livre. E o Vaticano? A Sé de Pedro é a guardiã da Moral, dos Mandamentos, da boa ordem internacional reinante durante a Cristandade. A recente renovação do Acordo Vaticano-Pequim, por mais dois anos, apesar da cruel perseguição movida pelo PCCh contra os católicos, infelizmente não autoriza esperar da Sé de Pedro uma condenação, ou pelo menos uma grave advertência ao regime de Xi Jinping.

Lembramos o ensinamento do Prof. Plinio: “a seita marxista professa o imperialismo integral, não só porque visa a imposição do pensamento e da vontade de uma minoria a todos os homens, mas ainda porque essa imposição atinge o homem todo, em todas as manifestações de sua atividade.”

E o Brasil? Alinhar-se às Potências ocidentais, fazer valer nossa soberania, nossa independência, nossas riquezas ante as cobiças do PCCh ou suas empresas fantoches.

Fonte: https://bitterwinter.org/how-sun-tzu-and-the-36-stratagems-inspire-chinas-deceptive-diplomacy/

Deixe uma resposta