Conversa vai, conversa vem, lei que vem

Sem esperanças de fazer aprovar leis em favor do “casamento” homossexual através do Congresso, a senadora Marta Suplicy (PT-SP), apesar de ocupar lugar de destaque no Senado como primeira vice-presidente, preferiu sair do âmbito de atuação que lhe é próprio e recorrer ao Poder Judiciário para criar leis(!).

Segundo a coluna Poder Online do site IG (11/10/2011), na reunião marcada para o próximo dia 26 com o presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Cezar Peluso, “Marta vai tratar de requerimento que apresentou ao CNJ – ainda no início de setembro – pedindo que o procedimento para converter a união estável entre homossexuais em casamento seja padronizado. Hoje, cada estado segue sua própria regra.”

Padronizar equivale a forçar a que todos os Estados da Federação aceitem converter a união estável entre homossexuais em “casamento”. Tudo arranjado numa “conversa”.