EUA-Austrália e os mísseis cruise hipersônicos: segurança no Indo-Pacífico

0

Os mísseis cruise hipersônicos, que viajam cinco vezes a velocidade do som, dão mais um passo e vêm para fortalecer o arsenal da Austrália.

“Na semana passada, a Austrália e os Estados Unidos assinaram um novo acordo para colaborar no desenvolvimento e teste de protótipos de mísseis de cruzeiro hipersônicos.”

Quando concluídos, os mísseis serão capazes de atravessar a distância de Sydney a Melbourne em apenas sete minutos.

Avanço tecnológico dos cruise hipersônicos

An artistic rendition of DARPA’s Hypersonic Technology Vehicle (HTV-2). The Air Force wants to develop a new hypersonic vehicle. (DARPA)
“Os mísseis são difíceis de serem interceptados não apenas por causa de sua velocidade, mas por sua capacidade de deslizar pelos sistemas de radar.” Eles também podem alterar sua rota no meio do vôo.

As armas devem ser instaladas em aviões de combate australianos.

“Os compromissos para desenvolver as armas vieram depois que o primeiro-ministro Scott Morrison lançou uma atualização estratégica renovada em julho para preparar o país para uma região indo-pacífica “que é mais pobre, que é mais perigosa e que é mais desordenada.”

Southern Cross Integrated Flight Research Experience (SCIFiRE)

“A Ministra da Defesa, Linda Reynolds, disse que manter a vantagem tecnológica da Austrália é a chave para a Atualização Estratégica.

“Estou satisfeita em ver este acordo se concretizar depois de minhas discussões com o então secretário Esper durante minha visita aos Estados Unidos em julho deste ano”, disse Reynolds.

“Continuamos comprometidos com a paz e estabilidade na região, e um Indo-Pacífico aberto, inclusivo e próspero”, disse a ministra.

Michael Shoebridge, do Australian Strategic Policy Institute, disse que os últimos passos foram “profundamente encorajadores” e que o processo está “avançando rapidamente para o desenvolvimento e produção de mísseis reais”.

“Os mísseis hipersônicos são uma arma militar muito poderosa porque as contra-medidas contra essas armas de movimento rápido são muito difíceis. Os tempos de resposta para se defender ou manobrar para longe dos mísseis são muito curtos ”, disse ele ao Epoch Times.

“Junto com isso, o simples efeito cinético de um míssil é muito destrutivo (com ogivas apenas aumentando o dano)”, disse ele.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/australia-us-begin-hypersonic-weapons-collaboration-amid-arms-race-with-russia-china_3604578.html

***

As pretensões da China (PCCh) criando ilhas artificiais militarizadas

Nosso Site publicou: As crescentes sanções que os EUA têm imposto ao PCCh se ampliam agora às empresas que colaboraram na expansão militar, criando ilhas artificiais bélicas, no Mar da China.

Ilhas artificiais militarizadas internacionalmente contestadas

“O governo dos Estados Unidos impôs sanções a dezenas de empresas chinesas por ajudarem Pequim a avançar em suas reivindicações territoriais no Mar da China Meridional – a primeira ação punitiva desse tipo nas águas disputadas e que quase certamente aumentará as tensões entre os países.”

Ilhas artificiais militarizadas condenadas internacionalmente

“Em um comunicado na quarta-feira, o Departamento de Comércio dos EUA disse que as 24 empresas estatais – incluindo várias subsidiárias da China Communications Construction Company (CCCC) – desempenharam um “papel em ajudar os militares chineses a construir e militarizar as ilhas artificiais condenadas internacionalmente em o Mar da China Meridional “e” deve ser responsabilizado. ”

***

As Nações Livres agem corretamente reforçando suas alianças em face do dragão vermelho, governado ditatorialmente pelo PCCh.

Diplomacia e firmeza, é preciso que os comunistas saibam que a era da ingenuidade, que dominou o Ocidente na detente iniciada por Nixon, passou.

Quanto a nós, brasileiros, façamos nossas Alianças dentro do Mundo Livre. “América para americanos” nunca foi tão atual. O Brasil tem estatura para se afirmar no concerto internacional como líder dos Valores Morais e da Civilização Cristã.

Deixe uma resposta