“O Departamento de Educação dos EUA iniciou uma investigação sobre as universidades de Harvard e Yale suspeitas de não reportar centenas de milhões de dólares em presentes e contratos estrangeiros da China e de outros países”, conforme exigido por Lei.

Hanban, “um braço de propaganda do governo chinês”. Institutos Confúcio

“O relatório de 2019 também constatou que as escolas dos EUA inicialmente relataram receber US$ 15,4 milhões diretamente de Hanban, descrito como “um braço de propaganda do governo chinês”.

“Hanban supervisiona os Institutos Confúcio da China, que oferecem programas de língua e cultura chinesas. Os institutos, localizados em campi em todo o mundo, enfrentam acusações de que mantêm o controle sobre os estudantes chineses e minam a liberdade editorial pressionando os professores a seguir a linha de Pequim sobre Taiwan, Tibete, Xinjiang e outras questões sensíveis.

Quanto mais cavarmos, mais descobrimos. 6,5 bilhões (dólares) em três décadas

“Trata-se de transparência”, disse a secretária de Educação dos EUA, Betsy DeVos (foto), em um comunicado. “Infelizmente, quanto mais cavarmos, mais descobrimos que muitos estão sub anunciando ou não reportando. Continuaremos responsabilizando faculdades e universidades.”

O Departamento de Educação disse que os recentes esforços de execução resultaram em faculdades e universidades americanas relatando aproximadamente US$ 6,5 bilhões em financiamento estrangeiro não revelado anteriormente que se estende por três décadas.

Preso Prof. de Harvard

“As investigações seguem a recente prisão de alto perfil de um professor de química de Harvard, Charles Lieber (foto), por não revelar seus laços com a China. Eles também vêm na esteira do lançamento em 2018 pelo governo Trump de uma agressiva “Iniciativa China” destinada a conter a transferência de tecnologia para a China da academia, da indústria e de outras fontes.

“Muitos desses “presentes” foram ativamente solicitados de países “conhecidos por serem hostis aos Estados Unidos”, segundo o Departamento de Educação.

“Isso inclui nações que podem estar buscando “projetar “soft power”, roubar dados confidenciais e proprietários de pesquisa e desenvolvimento e outras propriedades intelectuais, e espalhar propaganda beneficiando governos estrangeiros”, acrescentou”.

  • * * *
  • Para os ingênuos que acreditam na transparência da China aí está mais uma grave advertência.
  • A China é controlada pelo PCCh e sua “moral” é tudo aquilo que favorece o Partido.
  • Harvard tem 60 dias para apresentar informações detalhadas
  • “O relatório do Senado constatou que dois terços das instituições que receberam mais de US$ 250.000 de Hanban não relataram adequadamente as entradas. Depois que o comitê solicitou mais informações, cerca de 100 escolas dos EUA relataram ter recebido US$ 113,4 milhões, mais de sete vezes o valor relatado inicialmente.”Se informações sobre presentes e contratos não forem apresentadas a partir de Harvard, Yale e outros, os casos podem ser encaminhados ao Departamento de Justiça para aplicação e o custo de investigar o caso, de acordo com uma carta no site do departamento.A carta dizia que Harvard tem 60 dias para fornecer informações detalhadas sobre presentes estrangeiros em 14 categorias de acordo com a investigação, relatada pela primeira vez pelo Wall Street Journal.

    Huawei, ZTE e outras chinesas na mira

    “Não só o departamento quer todos os presentes e contratos provenientes do governo chinês desde 2013 e a identidade daqueles que os enviaram. Também pediu presentes da Huawei Technologies, ZTE Corp. e do Thousand Talents Program, um programa iniciado por Pequim em 2008 para recrutar talentos estrangeiros”.

  • Mas a Midia não vai divulgar … porque isso pode prejudicar a imagem da China e nossas relações comerciais, culturais, científicas … na base da “sinceridade” e “reciprocidade”.
  • Fonte: https://www.scmp.com/news/world/united-states-canada/article/3050348/harvard-and-yale-under-us-investigation-over

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta