Macron e Papa Francisco: aborto, ditadura sanitária, reeleição

1


CIDADE DO VATICANO (LifeSiteNews) – O presidente Emmanuel Macron da França divulgou amplamente a visita ao Papa Francisco na última sexta-feira, durante a qual – para surpresa e choque dos observadores franceses – ele usou a conhecida forma “tu” ao falar com o chefe da Igreja Católica.

“Agendas políticas têm muitos pontos em comum”, observa LifeSiteNews. Macron e sua agenda para as eleições de abril 2022 tiram o proveito político dessa visita ao Vaticano.

Ditadura sanitária

O encontro “fraterno” aconteceu no momento em que a França está aumentando suas restrições ditatoriais COVID. Foi no início da semana passada que os requisitos de mascaramento – mesmo em locais ao ar livre – mesmo para os “vacinados” – foram implementados. A partir de 15 de dezembro, idosos com apenas duas doses do jab experimental perderão o passe sanitário, e a mesma regra será aplicada para pessoas de 18 a 64 anos a partir de 15 de janeiro.

Os não “vacinados” também enfrentam restrições mais severas: passes sanitários associados a um teste COVID-19 negativo agora são válidos por apenas 24 horas após o teste, em vez das 72 horas permitidas anteriormente, o que significa um teste PCR negativo – necessário para viagens aéreas e entrada um hospital.

Aborto e procriação artificial

“Mas este não foi o único elemento de um contexto que mostra a França afundando cada vez mais na apostasia completa. Recentemente, legalizou a procriação artificial 100 por cento financiada pelo Estado para casais de lésbicas e mulheres solteiras, e mesmo enquanto o Papa Francisco e Macron falavam juntos na manhã de sexta-feira, a Assembleia Nacional da França se preparava para votar no prolongamento do período de aborto legal de 12 para 14 semanas de gestação.

“Esse debate ocorreu na segunda e terça-feira desta semana. Na noite de terça-feira, o punhado de legisladores presentes (de um total de 577) votou a favor da extensão por 79 votos a favor e apenas 36 contra. Nenhum som saiu de Roma após o encontro de Francisco Emanuel para alertar a França contra o aperto da cultura da morte na sociedade francesa.”

Agenda de Macron é anticristã

Macron – sob cuja supervisão as leis de aborto, liberdades pessoais, educação em casa, secularismo, apoio à família tradicional e outros temas católicos têm sido tratados de forma consistente contrariamente à lei natural – está ansioso por ter o apoio católico.

As imagens de vídeo cuidadosamente selecionadas provenientes da reunião do Vaticano, cortesia do serviço de Notícias do Vaticano, permaneceram no Papa e no abraço envolvente do presidente e linguagem corporal calorosa. Correspondentes do Vaticano francófonos que assistiam à cena filmada na sala de imprensa mal puderam acreditar no que ouviram quando notaram que Macron, que falava francês, dizia “tu” e “toi” (ou seja, para “tutoyer”) ao se dirigir o Papa.

Na reunião, Macron e o Papa Francisco teriam discutido “proteção do meio ambiente na sequência da recente reunião da COP26 em Glasgow”, maternidade substituta que é a próxima etapa da campanha LGBT na França e, claro, a vacina COVID“.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/why-did-the-french-president-speak-to-the-pope-in-such-intimate-terms/?utm_source=top_news&utm_campaign=catholic

***

Para alento de nossos leitores lembramos aqui as palavras de São Pio X sobre o futuro da França.


“Dia virá, e esperamos que não esteja muito distante, em que a Franca, como Saulo no
caminho de Damasco, será envolta por uma luz celeste e ouvirá uma voz que lhe dirá novamente:
‘Minha filha, por que me persegues?’ E à resposta: ‘Quem és tu, Senhor?’, a voz replicará: ‘Sou
Jesus, a Quem persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão, porque em tua obstinação te
arruinas a ti mesma’’. E ela, trêmula e atônita, dirá: ‘Senhor, que queres que eu faça?’ E Ele:
‘Levanta-te, lava as manchas que te desfiguraram, desperta em teu seio os sentimento adormecidos
e o pacto de nossa aliança, e vai, filha primogênita da Igreja, nação predestinada, vaso de eleição,
vai levar, como no passado, meu nome diante de todos os povos e de todos os reis da terra”
(Alocução consistorial Vi ringrazio de 29 de novembro de 1911, Acta Apostolicae Sedis, Typis
Polyglottis Vaticanis, Roma, 1911, p. 657).

Peçamos a Nossa Senhora a conversão da França; que Ela livre a nação eleita das garras do socialismo, da ditadura sanitária, do aborto, da agenda lgbt e do indiferentismo religioso.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta