Um estupro seguido de aborto provocado em uma criança de 10 anos vem pronto e emoldurado para chocar a opinião pública. Se por um lado o fato é chocante e odioso, de outro foi entregue na bandeja aos despiedados abortistas para que façam avançar a sua agenda sanguinária.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, classifica de “ilegal” e “absurda” a Portaria do Ministério da Saúde, editada recentemente, segundo a qual alterar as normas da realização do ‘aborto legal’ nos casos de estupro é incompreensível.

O referido dispositivo governamental do dia 28 de agosto último determina que a equipe médica seja obrigada a notificar à polícia os casos de acolhimentos com indícios ou confirmação do crime de estupro e que seja oferecida à vítima visualização do feto por meio de ultrassonografia [foto acima].

Maia afirma que tal medida interfere na legislação sobre o aborto por estupro ou por anencefalia. Mais. A legislação brasileira permite o aborto além desses casos, ainda quando a mãe corre risco de morte. Ele exige que o governo revogue a Portaria, pois, caso contrário, diz ter votos suficientes contra a medida, ou ainda, recorrerá ao STF.

A decisão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi tomada em meio à repercussão do caso da menina que se engravidou de um tio monstruoso. Sobre a questão, cingiremos ao que recomenda os livros inspirados, aos quais devemos obedecer. Declarações como a de Maia não passam de uma perversidade. Como matar uma criança inocente e indefesa no ventre materno?

O Senhor dá o castigo a quem faz o mal segundo a sua malícia. O sangue do inocente cai sobre sua cabeça e sobre essa casa e sobre a sua descendência por semelhante ato. O Rei Davi diz a Joab, após este matar traiçoeiramente Abner, que não falte na casa dele quem padeça de blenorragia, quem seja leproso, quem pegue no bordão, quem seja morto a espada e quem esteja privado de pão.

Forte? Quem pratica ato tão ignominioso atrai sobre si e sobre os seus os castigos de Deus, pois se trata de um pecado que brada a Deus por vingança. Ele, por ser autor da Lei Maior, é infinitamente mais rigoroso em relação aos infratores dela — como os que atentam contra um inocente no ventre materno, santuário tão violado hoje por quem deveria defendê-lo.

Como um assassino desses poderá ter paz de consciência? A Escritura Sagrada traz preciosas e indispensáveis lições para a vida. Diante da desobediência de Saul às ordens de Deus, Samuel afirmou que vale muito mais a obediência às ordens divinas do que oferecer vítimas e sacrifícios. A desobediência é como o pecado de magia, não se submeter à Lei de Deus é como o crime de idolatria.

Não existem leis humanas capazes de revogar as leis divinas. Se Deus determinou que não é lícito derramar o sangue inocente, por constituir um grave pecado, não há autoridade na Terra que possa obrigar alguém a fazer o mal, pois vale mais obedecer a Deus do que aos homens.

Samuel foi firme diante de um rei que não teve escrúpulo em transgredir a ordem do Senhor e as suas palavras. Ele não aceitou justificativas nem explicações, pois a palavra do Senhor é sagrada. Honra o Senhor e O adora por meio da obediência às suas determinações e às suas leis.

Qual o crime que uma criança inocente poderia ter cometido no ventre materno para ser ali trucidada? Como a iniquidade de um ato jamais se expia com vítimas nem oferendas, a mão do Senhor descarrega pesadamente sobre quem a praticou e pratica.

“Raças de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que vos ameaça? Fazei, portanto, os frutos dignos de penitência, e não comeceis a dizer: ‘Temos Abraão por pai’, porque eu vos digo que Deus é poderoso para suscitar dessas pedras filhos de Abraão.

“O machado já está posto à raiz das árvores. E toda árvore que não der fruto bom será cortada e lançada ao fogo”. (Lc 3, 9) Não façais violência a ninguém, nem denuncieis falsamente e contenteis com os vossos soldos. Lc 3, 7-14) “Digo-vos: naqueles dias haverá um tratamento menos rigoroso para Sodoma. Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida!

“Porque, se em Tiro e Sidônia tivessem sido feitos os prodígios que foram realizados em vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, cobrindo-se de saco e cinza. Por isso, haverá no dia do juízo menos rigor para Tiro e Sidônia do que para vós.

“E tu, Cafarnaum, que te elevas até o céu, serás precipitada até aos infernos. Quem vos ouve a mim ouve; e quem vos rejeita a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Lc 10, 12-16).

______________

* Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).

Deixe uma resposta