“QUERO MEU BRASIL DE VOLTA!”

0

No momento em que observo as imensas multidões de patriotas, inundando as ruas das mais variadas cidades, grandes e pequenas, não posso deixar de registrar o sentido comum ao imenso vozerio que trazem a público, o brado “Quero meu Brasil de volta!”

Quero meu Brasil verde e amarelo, não vermelho; aquele das nossas matas, nossas palmeiras onde cantam sabiás, aves que aqui gorjeiam como em nenhum outro lugar do planeta, do litoral com lindas praias e das riquezas inesgotáveis, tão cobiçadas…

Quero o Brasil da esperança e do futuro, que assim se autoproclama livre, como canta seu hino…Brasil de natureza aprazível, clima único, do povo que se distingue pela bondade e acolhimento, da diversidade das raças, mas sempre formando um só sentimento.

Esse povo, provocado a limites extremos como foi, proclama alto e bom som um vigoroso NÃO ao comunismo, ao socialismo e à indefectível corrupção que sempre os acompanha; não admite a  tenebrosa perspectiva, delineada pelas atuais circunstâncias, dos que querem apagar nossas tradições e valores. Valores que claramente nos apontam um futuro, enquanto nação, caracterizado pela inequívoca missão providencial de restaurar a civilização cristã.

As vastas aglomerações que estamos presenciando, numa intensidade inédita na nossa História, evidenciam aos olhos atônitos do mundo inteiro algo que ficava difuso, embora sempre marcante: as melhores características que nos legaram nossos pais portugueses, que sonharam, junto com Vieira, “um imenso Portugal”; além das belezas naturais, a beleza indizível da personalidade única, pacífica, alegre, gentil e solidária.

Recorda-me tal visão a arguta observação de um sacerdote amigo citando o Pe. Vieira “Deus nos criou para que amássemos uns aos outros, não para que amassemos uns aos outros”.

As atuais amaeças à essência de nossa Pátria despertaram nosso antigo patriotismo, que andava dormitando há tanto tempo; recordaram-nos os versos de nossos hinos, como o do ‘amor febril pelo Brasil’, se algum dia a pátria amada for ultrajada, ‘lutaremos até morrer’…

Ao despertar o conservadorismo essencial da alma brasileira, efeito inesperado se fez notar: veio à luz o quanto havia de comum em tantos setores de nosso establishment, que antigamente se digladiavam pelo poder em nossa vida pública. O povo então ficou sabendo que eram todos uma coisa só, no intento de nos degradar.

E se viu quanto mais o inimigo se articula contra nós, mais nos faz unidos, mais dispostos à luta, para resgatar o que quase perdemos, o povo que sempre fomos, com todo o legado que recebemos de nossos maiores; legado de fé, moral e caráter; da civilização lusa dos grandes navegadores e combatentes, que enfrentaram os mares para expandir o império e propagar a fé, evangelizar povos e conquistar novas terras para Nosso Senhor Jesus Cristo.

Como fruto dessas iniciativas, surgiu o povo brasileiro, com uma herança religiosa dos descobridores que chegaram e transplantaram a mais nobre das vertentes também nos povos que aqui habitavam. Vertente essa que culminou na conversão de muitos.

Assim formou-se a alma do brasileiro, e seu ideal católico se disseminou por todo território, levando consigo uma psicologia única, que distingue a nação brasileira, quer na catolicidade, quer no trato com as pessoas, no convívio ameno e afável, quer nas questões morais, políticas e religiosas.

Assim somos hoje uma nação diferente das demais, que sabe ouvir, acatar e somar com todos os diversos, e quer que todos se sintam em casa; e que se sente feliz em poder ajudar. É o que se notou nas manifestações festivas e pacíficas, anteriores e posteriores ao pleito eleitoral.

Agora, encontra-se preocupada com o que virá, sentindo-se injustiçada pelos procedimentos daqueles que deveriam zelar pela nossa identidade e brasilidade. O tratamento grosseiro e perseguidor feriu profundamente a nossa identidade cristã, que prima pela caridade.

E o que foi e está sendo visto? Um povo cordial e pacato aparecer cheio de indignação. Como lembrava Plinio Corrêa de Oliveira em magistral análise de situação política análoga, ao advertir, sobre este modo de ser brasileiro: “cuidado com os pacatos”!

Ao colocar goela abaixo, por imposição despótica, alguém que não vê como legítimo representante para guiar nossos destinos, um brado se ergueu e o Brasil inteiro disse não, pois não quer aceitar interferências tão contrapostas ao nosso destino histórico.

Nota-se que as pessoas estão determinadas a não deixar mudar os rumos da nação para a esquerda. Impressionante observar os vídeos postados nas redes sociais, que passam de milhões de visualizações; é agradável aos olhos contemplar a massa ordeira de brasileiros vestindo verde e amarelo e empunhando a Bandeira da nação, deixando em desconcerto o consórcio dos órgãos da velha imprensa.

Mídia velha e arcaica, que deixa de anunciar eventos de tal envergadura, como os que se observa na frente dos quartéis. Por ironia, recebi de um amigo uma foto num lugar público próximo a Região Militar com os dizeres ”a mídia está onde está o público”. O público estava lá há duas semanas, mas a mídia nunca esteve lá…

Vendo levantar-se o povo brasileiro, relembro o que Nosso Senhor viveu no Horto das Oliveiras, quando, no encontro com os seus inimigos, não titubeou. Com firmeza majestosa e grandiosa no meio da tormenta, Ele afirmou categoricamente: Ego Sum!

Nos dias atuais, o Brasil passa por uma situação dramática que reporta aos tempos de Nosso Senhor. Ao ouvir a voz de Nosso Senhor, os inimigos se prostram por terra; nos tempos atuais também chegará a hora em que os verdadeiros filhos de Deus irão agir, e os seus inimigos não poderão mais mostrar sua maléfica força.

Será a hora de Deus que irá dar a vitória aos seus escolhidos, diante da face de seus inimigos. Assim, porá por terra àqueles que maltrataram, maldisseram, atacaram, armaram laços e emboscadas, criticaram, e fizeram tantos males e ameaças aos seus escolhidos.

Chegará em breve a hora da vitória! Nesse momento, com certeza Nossa Senhora intervirá e mostrará o quanto tem dileção pela nação brasileira, a Ela consagrada. Intercederá decisivamente junto a seu Divino Filho, por aqueles que honraram os seus rogos.

Deixe uma resposta