A Triste Páscoa dos Chineses

    Nossa Senhora Imperatriz da China

    A Páscoa para alguns católicos chineses foi triste. É o que nos diz a notícia da Folha de São Paulo intitulada: “China prende 36 fiéis de igrejas ‘subterrâneas’, publicada no dia 25 de abril passado.

    Na China, a igreja ‘subterrânea’ é o nome dado à verdadeira Igreja Católica que se mantém unida à Santa Sé. A “igreja católica” oficial, digamos assim, está submetida ao Partido Comunista Chinês e não presta obediência a Roma.

    O governo chinês fez questão de incrementar as perseguições aos católicos fiéis a Roma justamente durante a vigília pascal: “autoridades chinesas invadiram ontem dezenas de casas e prenderam ao menos 36 pessoas em Pequim. Os fiéis estavam prestes a celebrar a Páscoa em uma praça pública ao noroeste da capital chinesa”, afirma a notícia citada.

    Apesar da clara perseguição, os mandatários chineses ainda insistem que há liberdade no país: “O governo alega que no país há liberdade de religião, garantida pela Constituição chinesa”, continua a notícia. É o cinismo dos mais desabridos do comunismo chinês.

    Nós que vivemos num País onde, por enquanto, há liberdade para os católicos, devemos rezar por esses chineses, nossos irmãos na fé. Rezemos para que seja desmascarada a hipocrisia do comunismo chinês e para que Nossa Senhora Imperatriz da China faça a Santa Igreja florescer nessa grande nação.