Genghis Khan, o novo inimigo de Xi Jinping. O fanatismo comunista de Xi Jinping, o presidente vitalício (ditador, é a mesma coisa) da infeliz China investe agora contra o legendário imperador mongol.

“Na Mongólia Interior, tábuas de pedra sobre o grande imperador foram pintadas ou destruídas em Hulun Buir, e seus retratos removidos das escolas, enquanto o PCCh tenta reescrever a história.”

O fanatismo de Xi Jinping e sua “sinicização”

Nosso Site tem abordado a sinicização promovida por Xi Jinping: em resumo, trata-se da morte de todas as religiões e concepções filosóficas para só restar o maoísmo.

Informa BitterWinter: “Jinping acaba de encontrar um novo inimigo para “liquidar”: Genghis Khan. O fundador no século 13 do maior império contíguo da história humana certamente não foi um homem de paz, mas seus principais pecados para o PCCh foram ser mongol e ter derrotado repetidamente os imperadores chineses Han.”

“Até recentemente, a memória de Genghis Khan era motivo de orgulho para aqueles que viviam na Mongólia Interior, e o Museu da Mongólia Interior em Hohhot reunia uma coleção internacionalmente famosa de documentos e obras de arte relacionadas com o grande conquistador.”

Seria o caso da UNESCO entrar em ação e preservar a memória de Genghis Khan. Terá a coragem de enfrentar o mito chinês?

Erradicar a cultura e a língua mongol

Continua BitterWinter: “As coisas, no entanto, mudaram com Xi Jinping. Por um lado, o presidente (ditador) chinês está tentando reescrever a história, minimizando todos os elementos e personagens da história da China que não eram chineses Han. Por outro lado, Xi Jinping acredita que agora é hora de “sinicizar” a Mongólia Interior e erradicar a cultura e a língua mongóis, da qual Genghis Khan é um símbolo. Durante os protestos contra a nova lei que marginaliza o uso da língua mongol na escola da Mongólia Interior, os alunos guardaram orgulhosamente retratos de Genghis Khan.”

Some of the stone tablets were destroyed.“BitterWinter soube que durante o mês passado, quatorze tábuas de pedra resumindo a história da vida de Genghis Khan e suas realizações foram pintadas ou destruídas na Praça Genghis Khan no distrito de Hailar na cidade de nível de prefeitura de Hulun Buir, na Mongólia Interior. Os protestos da população local foram ignorados. Estamos em condições de documentar o que aconteceu em Hulun Buir por meio de fotos exclusivas.”

“BitterWiner também soube que em uma escola secundária em Hexigten Banner sob a jurisdição da cidade de Chifen, também na Mongólia Interior, retratos de Genghis Khan e slogans promovendo a cultura mongol foram substituídos por retratos de personagens chineses Han história e slogans promovendo a cultura Han.”

Cancelamento de exposição até na França

“No mês passado, uma exposição sobre “Genghis Khan e o Império Mongol” foi cancelada no último momento pelo Museu de História de Nantes, na França, por pressões da Embaixada da China. Este último pediu para remover do nome da exposição as palavras “Genghis Khan”, “Mongol” e “Império”. Obviamente, nada teria sobrado.

“A guerra contra Genghis Khan é apenas mais um capítulo no esforço paranóico do PCCh para erradicar tudo o que não é chinês Han ou “sinicizado” das regiões e províncias dentro das fronteiras da China, e até mesmo da própria história chinesa.”


Essa é a China de Xi Jinping: uma ditadura férrea que inclui a cultura, a religião, os costumes, a História em nome da “sinicização”. Ótima ocasião para o Vaticano, grande defensor da migrações, da cultura indígena no Amazonas interferir em favor da memória da Mongólia Interior.

E a UNESCO também. Afinal, a Mongólia Interior, Genghis Khan fazem parte da História da Humanidade. Ou será que essas “regras” não valem contra a China de Xi Jinping?

Até o Vaticano se curvou ante a ditadura comunista chinesa, renovando por mais dois anos o Acordo Provisório Vaticano-China, que tem sido usado por Xi Jinping para perseguir padres, fieis e bispos católicos.

Fonte: https://bitterwinter.org/xi-jinping-is-fighting-a-new-enemy-genghis-khan/

Deixe uma resposta