Os diplomatas-tigres de Pequim estão liderando um esforço global para dar nova vida ao estagnado esquema multibilionário, mas observadores dizem que revitalizá-lo em um mundo pós-pandemia não será fácil.

Ocaso da Belt and Road Initiative

A China disse em junho que cerca de 60 por cento dos projetos sob o plano foram afetados de alguma forma pela crise de saúde global.

“Diplomatas chineses estiveram em campo nas últimas semanas tentando aumentar o entusiasmo para o vacilante plano de comércio e desenvolvimento de infraestrutura de Pequim, que enfrentou novas pressões da pandemia do coronavírus.
“Muitos projetos no multibilionário Belt and Road Initiative foram paralisados ​​por causa da crise de saúde global, mas esse não é o único problema, dizem os analistas.

Nações despertam para as armadilhas do PCCh

“Pequim foi acusada de empurrar as nações em desenvolvimento para a armadilha da dívida e de usar o esquema como uma barreira para aumentar sua influência política em todo o mundo.

“Em uma tentativa de pintar a iniciativa sob uma luz mais positiva, o Conselheiro de Estado Yang Jiechi, um dos principais diplomatas da China, visitou recentemente Sri Lanka, Emirados Árabes Unidos, Argélia e Sérvia”, cada um dos quais abriga pelo menos um esquema do Belt and Road.

Em seu retorno, Yang descreveu os quatro países como parceiros importantes ao longo da rota e disse que a China deseja desenvolver mais projetos com eles no futuro.
O Sri Lanka é o lar do porto Hambantota, um dos empreendimentos mais polêmicos sob o sistema de faixas e estradas. Pago com dinheiro chinês, a Colombo foi forçada a entregar a gestão do crédito a uma empresa chinesa em 2017, por não ter conseguido cumprir o pagamento da dívida.

Desde então, tem sido apontado pelos críticos como um símbolo dos piores aspectos da chamada diplomacia da armadilha da dívida da China.

A Sérvia é um dos quatro países parceiros de cinturões e estradas visitados pelo conselheiro de estado chinês Yang Jiechi neste mês.

Yang confessa: projetos severamente afetados

“Durante sua viagem ao exterior, Yang admitiu que o cinturão e o plano da estrada “encontraram desafios”. Em junho, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que cerca de um quinto dos projetos sob a iniciativa foram “severamente afetados” pela pandemia Covid-19, com outros 30 a 40 por cento “afetados” por ela.”

“Entre os projetos paralisados, principalmente por causa de problemas de financiamento, estão fábricas no Egito, Bangladesh e Paquistão e um projeto ferroviário no Quênia.”

“Andrew Small, pesquisador sênior do German Marshall Fund nos Estados Unidos, disse que o alto ritmo de desenvolvimento visto nos primeiros anos do cinturão e do plano de estradas – lançado em 2013 – não era mais sustentável.”
“O ritmo e a escala… não eram necessariamente tão prudentes, tanto econômica quanto politicamente, e talvez seja melhor proceder de uma forma mais direcionada, recalibrada e mais sintonizada com o risco político e econômico”, disse ele.

Lee Yinghui, pesquisador associado da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura, disse que Pequim precisa garantir que as necessidades dos países anfitriões sejam totalmente consideradas ao negociar acordos.
“Em particular, as sensibilidades políticas em torno das tecnologias digitais como 5G e suas potenciais implicações para a segurança nacional devem ser levadas em consideração”, disse”.

***

Em outras palavras a diplomacia de tigre da China comunista gera inimizades. Seu plano via Huawei 5G tem gerado suspeitas de espionagem a favor do Exército do Povo. Até na Índia crescem as desconfiaças com as espionagens do PCCh.

O comunismo, lembremo-nos, é uma seita filosófica, ateia, materialista, hegeliana que deduz de seus errôneos princípios uma concepção do homem, do estado, das relações sociais e internacionais.

O consulado chinês em Houston, recentemente fechado por Trump, provou ser um centro de espionagem a favor do PCCh.

Confiar na transparência, honestidade e sinceridade do PCCh é agenda das esquerdas ou do falso Centrão. Entre nós, o governador Doria tem adovagado uma maior penetração das garras chinesas em São Paulo. E, se tivesse influência, faria o mesmo para todo o Brasil.

O Brasil será grande nas vias da Civilização Cristã, longe do socialismo, do comunismo. Sempre na defesa dos Valores Morais e mantendo suas alianças sinceras no Mundo Livre.

Nossa Senhora Aparecida, cuja festa há pouco celebramos, guie os passos desse nosso Brasil.

Fonte: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3105832/chinas-turns-charm-get-its-belt-and-road-plan-back-track

Deixe uma resposta