A China, guiada ditatorialmente pelo PCCh adota, como todo país comunista, dois pesos e duas medidas. Nós já conhecemos essa linguagem nos ditadores cubanos, venzuelanos.

A recente Lei de Segurança Nacional para Hong Kong é mais uma prova.

 

A prisão e o processo de extradição de Meng, a CEO da Huawei

Vejamos as coerentes contradições no processo do mal.

Como os leitores se lembram, está em curso o processo de Meng, a CEO da Huawei, no Canadá. Acusada de violação das leis americanas e canadenses Meng está sob fiança, em processo de extradição para os EUA.

Notícia do Estado, Redação, 2 de março: XANGAI – “A China exigiu neste sábado, 2, que o Canadá pare com a extradição aos Estados Unidos de Meng Wanzhou, diretora financeira da multinacional chinesa de telecomunicações Huawei, um processo autorizado na sexta-feira pelo Governo do país”.

“”O abuso por parte de Estados Unidos e Canadá das suas regras de extradição é uma grave violação dos direitos legítimos de um cidadão chinês”, disse hoje o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Lu Kang”.

Vejamos agora a “linguagem” do PCCh quando este detém cidadãos de outros países.

A repressão à liberdade de expressão na China

Noticia AsiaNews:

Yang Hengjun (file photo)“Um escritor australiano que está detido na China há 19 meses diz que “nunca confessará” as acusações de espionagem.
“Yang Hengjun foi preso no aeroporto de Guangzhou em janeiro do ano passado e posteriormente acusado de espionagem – acusações negadas por ele e pelo governo australiano.
“Autoridades australianas já haviam dito que o Dr. Yang tem enfrentado interrogatório diário acorrentado, mas nenhum julgamento.
Ele negou relatos chineses de que havia feito uma confissão, informou a mídia australiana.
Sou inocente e lutarei até o fim”, disse ele em mensagem transmitida por familiares.
“Eu nunca vou confessar algo que não fiz.”

A coerência na contradição, uma regra na China comunista

“No ano passado, o primeiro-ministro australiano Scott Morrison classificou as alegações de “absolutamente inverídicas” e disse que as autoridades haviam feito lobby na China para sua libertação.
“O Ministério das Relações Exteriores da China disse à Austrália para não interferir no caso e para respeitar a “soberania judicial” do país.

No caso do processo de Meng “A China exigiu neste sábado, 2, que o Canadá pare com a extradição”. Contradição? Não, isso é a coerência no erro, própria a todos os comunistas.

Violando a liberdade de expressão

O Sr. Yang é um ex-diplomata chinês que se tornou acadêmico e romancista. Ele ganhou a cidadania australiana em 2002, mas recentemente morou em Nova York.
Apelidado de “mascate da democracia”, o Dr. Yang mantinha um blog sobre os assuntos atuais e as relações internacionais do país, mas não havia criticado diretamente as autoridades chinesas nos últimos anos.”

“Ele viajou para a China no ano passado com sua esposa Yuan Ruijuan e seu filho, mas foi separado deles no aeroporto. Pequim o deteve por suposto “envolvimento em atividades criminosas que colocam em risco a segurança nacional da China”. A Austrália pediu esclarecimentos sobre as acusações.”

“No mês passado, outro australiano, o apresentador de TV Cheng Lei, foi levado em detenção secreta na China. O motivo ainda não estava claro, disseram autoridades australianas nesta semana.”

Em boa hora a Austrália se levanta contra as imposições do PCCh

As relações entre os dois países azedaram desde que a Austrália pediu uma investigação sobre as origens do coronavírus.

O descontentamento mundial com o fracasso da China na investigação da origem do vírus, e sua propagação pelas Nações é, sem dúvida, o sinal mais contundente do ocaso da “estrela” de Pequim.

E existem muitos outros. O chamado “gigante” asiático está em baixa apesar da propaganda midiática e dos amigos que ele tem no Brasil; notadamente o Sr governador João Doria e os governadores-interventores petistas. A BAND, naturalmente, que se associou à midia de Pequim.

Brasileiros, confiança: venceremos o “dragão” vermelho com as bênçãos do Cristo Redentor e Nossa Senhora Aparecida. Acordo com o PCCh é agenda de esquerda e do falso Centrão.

Somos ricos em minérios, em agropecuária, em florestas e rios. Um povo dotado de qualidades próprias a influenciar as Américas e marcar sua presença no concerto das Nações … livres.

Fonte: https://www.bbc.com/news/world-australia-54022165

 

Deixe uma resposta